Pular para o conteúdo principal

Pastora critica liberdade de marido suspeito de pedofilia: ‘É uma loucura a Justiça desse país’


Felipe e Bianca: ela denunciou o marido à polícia
Felipe e Bianca: ela denunciou o marido à polícia Foto: Facebook / Reprodução
Fabrício Provenzano, Luã Marinatto, Marcos Nunes e Ricardo Rigel
Tamanho do texto A A A
A pastora Bianca Toledo classificou como “sem nexo” a decisão da Justiça de conceder liberdade ao seu marido, o também pastor Felipe Garcia Heiderich, preso desde a última terça-feira por suspeita de abuso contra o filho da religiosa, de 5 anos. Segundo o advogado de Felipe, Leandro Meuser, a medida ocorreu na tarde desta sexta-feira, atendendo a uma solitação da defesa e também do Ministério Público do Rio (MP-RJ), uma vez que a conclusão do inquérito pela Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV), na véspera, suspenderia a necessidade da prisão temporária.
— É uma loucura a Justiça desse país. Estou conversando com os meus advogados. Minha única preocupação é com a minha segurança e a segurança do meu filho — desabafou Bianca ao EXTRA, com a voz fraca, sem estender-se no assunto.
Advogado divulgou a concessão da liberdade em perfil no Facebook
Advogado divulgou a concessão da liberdade em perfil no Facebook Foto: Reprodução
A liberdade foi concedida pelo juiz Paulo César Vieira Carvalho Filho, 17ª Vara Criminal, o mesmo magistrado que, anteriormente, havia decretado a prisão temporária de 30 dias. Ainda de acordo com o advogado, a soltura depende, agora, somente de trâmites burocráticos. Felipe, porém, não deve deixar o Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste do Rio, ainda nesta sexta-feira. A expectativa é de que ele saia da cadeia já no sábado.
— Sabemos que ele terá algumas medidas restritivas, mas não há necessidade de ficar preso — afirmou Leandro Meuser, acrescentando que um oficial de Justiça levará a decisão ao presídio ainda na noite desta sexta.
O empresário Renato Pimentel, pai da suposta vítima, também comentou a liberdade concedida ao suspeito. Renato, que mora em São Paulo, virá ao Rio para poder encontrar o filho.
— Não consigo fazer nenhum tipo de observação, porque não tenho conhecimento aprofundado dos fatos. Tudo o que soube foi pela mídia. Só estou focado em ir ao Rio para dar um abraço no meu filho — disse.
A pastora Bianca Toledo
A pastora Bianca Toledo Foto: Facebook / Reprodução
Na decisão, o juiz Paulo Cezar Vieira de Carvalho Filho determinou que Felipe Heiderich fique proibido de se aproximar da esposa e da criança, além de ser monitorado por tornozeleira eletrônica. O juiz aceitou a denúncia oferecida pelo Ministério Público (MPRJ), que solicitou as medidas cautelares.
— Havia sido decretada a prisão temporária do acusado, que só vale durante a fase de inquérito. A partir do momento que o Ministério Público ofereceu a denúncia, o inquérito foi encerrado. Ressalto que o MP-RJ não pediu a prisão preventiva, mas somente medidas cautelares. Assim, determinei o monitoramento eletrônico e que o réu fique proibido de se aproximar da criança e da mãe — explicou o magistrado, por intermédio da assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça do Rio.
O pastor Felipe Garcia Heiderich está preso
O pastor Felipe Garcia Heiderich está preso Foto: Reprodução do Facebook
Pastor está preso
Até o momento, Felipe continua encarcerado na Cadeia Pública José Frederico Marques (Bangu 10), no Complexo de Gericinó, acompanhado de outro detento. O pedido de prisão que havia sido feito pela DCAV, inicialmente endossado pelo Ministério Público, levava em conta as avaliações psicológica e psiquiátrica da criança, feitas por dois profissionais. Segundo as investigações, foi constatado que os abusos ocorreriam durante o banho do menino.
No pedido de prisão, a delegada Cristiana Bento, titular da Dcav, diz que o pastor mostrou "alto grau de perversão". Segundo o documento, assinado pela policial, "a prisão do indiciado é imprescindível, uma vez que o indiciado é acusado de ter cometido crime gravíssimo, inclusive considerado hediondo".
O senador Magno Malta
O senador Magno Malta Foto: Ailton de Freitas
Senador comenta o caso
Na quarta feira, dia seguinte à prisão, o senador e pastor Magno Malta (PR-ES) discursou em plenário sobre o caso. Ele classificou Felipe como "falso pastor", durante um pronunciamento feito em Brasília, e disse que foi pressionado por lideranças religiosas a denunciar o caso.
"O fato é que a pastora Bianca Toledo, casada com o senhor Felipe Heiderich, ela descobriu que esse pastor, falso pastor, estava abusando de seu filhinho de 5 anos de idade", disse o senador. Segundo Magno, Felipe, após saber que a esposa estava ciente dos abusos, tentou se matar e confessou ter cometido o crime.


Leia mais: http://extra.globo.com/casos-de-policia/pastora-critica-liberdade-de-marido-suspeito-de-pedofilia-uma-loucura-justica-desse-pais-19674369.html#ixzz4E1x06VRB

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade