Pular para o conteúdo principal

Tribunal solta Ronan Maria Pinto com tornozeleira e fiança de R$ 1 mi

Operação Lava Jato

pOR FAUSTO MACEDO, JULIA AFFONSO, RICARDO BRANDT E MATEUS COUTINHO

06/07/2016, 18h26
18
Desembargadores acolheram pedido de habeas corpus por unanimidade; empresário terá de ficar em casa à noite e nos fins de semana
Ronan Maria Pinto. Foto: Beto Barata/AE
Ronan Maria Pinto. Foto: Beto Barata/AE
O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) mandou soltar o empresário Ronan Maria Pinto, de Santo André, nesta quarta-feira, 6, mas estabeleceu algumas regras. A decisão foi tomada por unanimidade pelos desembargadores que acolheram pedido de habeas corpus.
O empresário deverá seguir regras estabelecidas pelo Tribunal. Além de pagar fiança de R$ 1 milhão, ele terá de usar tornozeleira eletrônica, comparecer em Juízo a cada três meses e ficar recluso em sua residência nos finais de semana e à noite.
Ronan Maria Pinto foi preso na Operação Carbono 14, desdobramento 27 da Lava Jato, em 1 de abril. Quatro dias depois, em 5 de abril, a pedido do Ministério Público Federal, o juiz federal Sérgio Moro, que conduz as ações da Lava Jato na 1ª instância, converteu a custódia temporária em preventiva.
O empresário é investigado por ser destinatário final de R$ 6 milhões de um empréstimo fraudulento de R$ 12 milhões do Banco Schahin para o pecuarista José Carlos Bumlai. Ronan Maria Pinto foi preso temporariamente em 1 de abril.
“Hoje o TRF4, reformando uma decisão do magistrado Sérgio Moro, fez Justiça determinando que prisões preventivas só devem ser decretadas em último caso. Isso com consonância aos preceitos regidos no Código de Processo Penal”, afirmou o advogado Fernando José da Costa que defende o empresário.

O Estadão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


URGENTE: Fachin pede para 2ª Turma julgar mais um pedido de liberdade de Lula no dia 26

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu para ser incluído na pauta  do dia 26 o julgamento do pedido de liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.  O julgamento será na Segunda Turma, integrada por cinco ministros. Caberá ao presidente  do colegiado, Ricardo Lewandowski, marcar uma data para o recurso ser analisado.  No recurso, a defesa do petista pede o efeito suspensivo da condenação do Tribunal  Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) até que os recursos sejam julgados.
Fachin tinha pedido à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, um parecer sobre o  assunto. Essa manifestação ainda não chegou ao STF. Na segunda-feira, Fachin recebeu o  advogado de Lula, Sepúlveda Pertence, em audiência. O advogado pediu rapidez no  julgamento do recurso.
Lula foi condenado a 12 anos e um mês de prisão pelo TRF-4 por corrupção passiva  e lavagem de dinheiro, no caso do triplex do Guarujá. Ele cumpre a pena desde o  início de abril na Superintendência da Polícia Federal…