Subscribe:

7 de agosto de 2016

A refugiada síria que nadou para sobreviver venceu uma prova de natação neste sábado




Dean Mouhtaropoulos / Getty Images

Uma refugiada síria que encontrou refúgio na Europa depois de nadar nas águas geladas do Mediterrâneo viveu um conto de fadas por realizar seu sonho olímpico, no sábado, ao vencer sua bateria de natação.
Yusra Mardini é um dos 10 atletas selecionados para competir na primeira equipe olímpica composta inteiramente de refugiados. Os homens e mulheres da Síria, Sudão do Sul, Etiópia e República Democrática do Congo receberam muitos aplausos quando entraram na cerimônia de abertura na sexta-feira.
Leon Neal / AFP / Getty Images
Mardini, de 18 anos, foi obrigada a nadar para sobreviver quando seu barco começou a afundar ao transportar ela e cerca de 20 outros refugiados para a Europa no ano passado.
Ela e sua irmã, que também sabia nadar, pularam do barco e o empurraram por três horas e meia até chegar à ilha grega de Lesbos, disse ela à Agência da ONU para Refugiados.
“Teria sido uma vergonha se as pessoas em nosso barco tivessem se afogado”, disse ela. “Havia pessoas que não sabiam nadar. Eu não ia ficar lá sentada reclamando de que eu ia me afogar. Se fosse para se afogar, pelo menos eu me afogaria orgulhosa de mim mesma e de minha irmã.”
Depois que elas encontraram refúgio em Berlim, Mardini começou a nadar em um clube esportivo local, onde chamou a atenção de um treinador.
Quando o Comitê Olímpico Internacional decidiu colocar em campo uma equipe de atletas refugiados para chamar a atenção do mundo para a crise dos refugiados, Mardini estava entre os que se classificaram — menos de nove meses depois de chegar pela primeira vez à Europa.
No sábado, Mardini ganhou sua bateria de 100 metros borboleta de natação feminina, marcando um tempo de 1:09:21.
As semifinais serão realizadas mais tarde no sábado à noite, mas a vitória de Mardini em sua bateria já levou as pessoas a se alegrarem nas redes sociais.
Mardini nadando no sábado. Martin Bureau / AFP / Getty Images
“Vou deixá-los orgulhosos”, disse Yusra em março. “Quero representar todos os refugiados porque eu quero mostrar a todos que, depois da dor, depois da tempestade, vêm os dias tranquilos. Quero inspirá-los a fazer algo de bom em suas vidas.”
Mardini com Rami Anis, um colega da equipe de refugiados, no Rio. Buda Mendes / Getty Images
“Quero que todos não desistam de seus sonhos e de fazer o que sentem no coração”, disse ela. “Mesmo que pareça impossível, mesmo que não tenham as condições ideais, nunca se sabe o que vai acontecer, apenas continuem tentando. Talvez vocês tenham uma chance como eu tive. Ou talvez vocês criem sua própria chance.”

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...