Pular para o conteúdo principal

'Dilma é quem vai dar o tom', dizem senadores sobre depoimento



Alan Marques/Folhapress
BRASÍLIA, DF, BRASIL, 28.08.2016. Senadores do PSDB e do DEM fazem reunião na liderança tucana no Senado Federal para decidir sobre os questionamentos que serão feitos à presidente Dilma Rousseff durante a sessão de julgamento de seu Impeachment na sessão plenária do dia 29. (FOTO Alan Marques/ Folhapress) PODER
Senadores do PSDB e do DEM se encontraram no espaço da liderança tucana no Senado
PUBLICIDADE

Senadores de partidos como o PSDB, DEM e PP dizem que pretendem priorizar o debate técnico e respeitoso, mas que, no final, é a presidente afastada Dilma Rousseff quem vai "dar o tom" do embate com seus adversários políticos durante sua fala no julgamento do impeachment, nesta segunda (29), no Senado.
Os parlamentares que fazem oposição ao PT se reuniram na manhã deste domingo (28) para tentar definir uma estratégia linear de atuação durante os questionamentos que farão à petista.
Há grande preocupação em não errar durante o embate para não dar à presidente afastada a chance de se "vitimizar" durante sua fala. Apesar disso, eles tentaram minimizar o potencial do discurso de "virar votos" no plenário.
"Caberá a ela dar o tom, se manifestar, e acredito que o fará com o mais absoluto respeito", disse o presidente nacional do PSDB, Aécio Neves (MG).
A ala de senadores pró-impeachment diz que vai centrar seus questionamentos nas questões "técnicas, sempre na direção dos crimes que, a nosso ver, foram cometidos pela presidente".
"Se o tom da presidente for outro, obviamente a reação será à altura", concluiu Aécio.
'NÃO MUDA VOTO'
Apesar da grande expectativa em torno do encontro entre Dilma e os senadores, os parlamentares que fazem oposição à petista tentaram minimizar o impacto que sua fala terá sobre os colegas de plenário.
As notícias de que a petista está sendo aconselhada a fazer um pronunciamento mais emotivo e menos técnico é visto pelos senadores que fazem oposição ao PT como um sinal de que ela buscará se "vitimizar".
"Dilma vai jogar com emoção para tentar conquistar algum voto, mas esse jogo está jogado e só resta a ela a vitimologia, argumentos não existem", afirmou Agripino Maia (DEM-RN). "A ordem é distribuir maracujina para todo mundo e evitar criação de fatos novos, sem cair em provocação", concluiu.
Para Aécio, o conteúdo da fala da presidente não terá o poder de "virar votos" na Casa. "Acho que todos os senadores já chegarão aqui na segunda sabendo que botão apertar na votação", disse.
Também haverá pressão para que ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Ricardo Lewandowski, que preside o julgamento do impeachment, a interferir para evitar que Dilma faça "um novo discurso a cada pergunta".

Folha de São Paulo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade