Pular para o conteúdo principal

Polícia de São Paulo indicia Patrícia Lelis por calúnia e extorsão no caso de sequestro

O caso é independente à acusação que a jovem faz contra Feliciano por estupro qualificado e agressão, que corre em Brasília porque o parlamentar tem foro privilegiado
 Foto: Reprodução


Patrícia Lelis
Patrícia Lelis


A polícia civil de São Paulo indiciou a estudante de jornalismo Patrícia Lelis por denunciação caluniosa e extorsão no caso em que ela acusa o assessor do deputado Pastor Marco Feliciano, Talma Bauer, por sequestro e cárcere privado. O caso é independente à acusação que a jovem faz contra Feliciano por estupro qualificado e agressão, que corre em Brasília porque o parlamentar tem foro privilegiado.

O delegado titular da 3ª DP de São Paulo e responsável pelo caso, Luís Roberto Hellmeister, disse que ao final do inquérito vai pedir a prisão preventiva da jovem. "Ao término do inquérito vou pedir a preventiva dela", disse.

Os advogados de defesa pediram cinco dias para Patrícia fazer aditamento do depoimento que prestou no último dia 5. Na ocasião, Patrícia afirmou à polícia que estava sendo mantida sob coação e ameaça de Bauer porque pretendia denunciar Feliciano por estupro qualificado e agressão. A parte que ela acusa o parlamentar é investigada Brasília, onde ela prestou um segundo depoimento. Em São Paulo, a investigação se concentra na acusação de sequestro e coação supostamente cometida por Bauer contra a jovem.

No primeiro momento, Hellmeister chegou a cogitar a prisão temporária do assessor de Feliciano, mas voltou atrás quando passou a ouvir novas testemunhas e obter provas que descaracterizavam a situação de sequestro. Entre as elas está um vídeo em que Patrícia e o assessor de Feliciano aparecem negociando o silêncio da jovem.

Nesta quinta-feira, 18, o delegado ouviu duas novas testemunhas, entre elas o ex-namorado de Patrícia, Rodrigo Simonsen. Ele afirmou à polícia que entre os dias 30 de julho e 5 de agosto, período em que ela esteve em São Paulo, dormiu quatro noites com ela em um hotel no centro de São Paulo. "Ele disse que nestes quatro dias não encontrou Bauer", disse o delegado.

A defesa de Patrícia Lelis não foi localizada.

Assista à entrevista exclusiva que Patrícia Lelis deu à TV Estadão:



00:00
07:49
Jovem acusa Feliciano de estupro. Veja depoimento.
Assista também:
Alexandre Garcia faz comentário polêmico sobre mulher que acusa Feliciano de tentativa de estupro


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Janaína Paschoal disse: " Se essa dupla acontecer será pra revolucionar o país" na chapa com Bolsonaro

Disse janaína à rádio Eldorado, sobre a possibilidade de ser vice na chapa de Jair Bolsonaero.

E mais: "Se essa dupla não consegue mudar o Brasil, ninguém consegue. São duas pessoas de personalidade muito forte. Não conheço ninguém que ame mais o Brasil do que eu. Para o país , seria algo significativo."
Sequer conhece o Bolsonaro pessoalmente.

Segundo o Antagonista a decisão de topar ou não a vaga- se o convite acontecer de fato- é "séria demais" e demandaria "um longo diálogo com o candidato".
(Convite aceito)

Discurso de Janaína Paschoal causou pânico no establishment

O discurso de Janaína Paschoal na convenção do PSL, que lançou Jair Bolsonaro na disputa pela presidência da República, causou pânico na grande mídia e na esquerda, ou seja, no establishment. 
Foi notável que logo após a fala da jurista no evento, a grande mídia tratou de tentar joga-la contra o partido. Teve grande mídia dizendo que ela irritou aliados. Teve outra dizendo que ela criticou os eleitores de Bolsonaro.  No entanto, como já estamos cansados de saber, quando a grande mídia critica algo, é porque esse é o caminho certo.  Filipe Martins, no Twitter, explicou o porquê deste discurso ter incomodando tanto a velha imprensa. 
Confira em 7 tuítes:




Filipe G. Martins@filgmartin  · 
1. O discurso da Janaína está cumprindo um papel importante na transição da campanha do Deputado Jair Bolsonaro.

Toffoli manda recado a Zanin

Zanin conseguiu angariar a antipatia generalizada e hoje é um estorvo na defesa do meliante Lula.O ministro Dias Toffoli está disposto a apagar a pecha que lhe foi impregnada de ‘petista’.

De antemão, usou o jornal Folha de S.Paulo para mandar um recado com endereço certo. O advogado Cristiano Zanin.

Caso ele assuma o plantão do Supremo Tribunal Federal (STF), não adianta entrar com habeas corpus em favor do ex-presidente Lula. Ele não concederá liminar, em hipótese alguma.

A preocupação atual do ministro é assumir sem problemas a presidência do STF.

Outro fator preponderante para o posicionamento de Toffoli, segundo fonte segura, é a aversão entre todos os ministros do STF ao próprio advogado.

Zanin conseguiu angariar a antipatia generalizada e hoje certamente é um estorvo na defesa do meliante petista.

Por outro lado, há quem diga que Toffoli não é petista. É ‘Dirceusista”.

Faz sentido. Zé Dirceu está solto.

Jornal da Cidade