Pular para o conteúdo principal

'As 40 pessoas que quebram carro?', diz Temer sobre atos contra impeachment


t

Jin Liwang/Xinhua
(160903) -- HANGZHOU, Sept. 3, 2016 (Xinhua) -- Brazilian President Michel Temer (R) receives interviews in Hangzhou, capital city of east China's Zhejiang Province, Sept. 3, 2016. (Xinhua/Jin Liwang) (mp)
PUBLICIDADE
O presidente Michel Temer chamou de "inexpressivos" e "grupos mínimos" os movimentos que protestam contra o processo do impeachment da agora ex-presidente Dilma Rousseff.
"São pequenos grupos, parece que são grupos mínimos, né? (...) Não tenho numericamente, mas são 40, 50, 100 pessoas, nada mais do que isso. Agora, no conjunto de 204 milhões de brasileiros, acho que isso é inexpressivo. O que preocupa, isto sim, é que confunde o direito à manifestação com o direito à depredação", disse o presidente neste sábado (3), em Hangzhou, na China, durante uma conversa com jornalistas. Ele está no país para participar da cúpula do G20.
"Não foi uma manifestação democrática."
No mesmo dia, o ministro José Serra (Relações Exteriores) classificou os atosde "mini mini mini mini mini mini" e disse serem atos de pequenos grupos organizados.
Segundo o presidente, "o tal do Fora Temer tudo bem, é um movimento democrático", e as manifestações são algo "natural" após um processo como um impeachment. "Não me assusto com isso, até me surpreenderia se houvesse unanimidade."
Questionado sobre se as manifestações não comprometiam o início de seu governo, Temer rebateu rapidamente: "As 40 pessoas que quebram carro? Precisa perguntar para os 204 milhões de brasileiros e para os membros do Congresso Nacional que resolveram decretar o impeachment".
"Pacificar [o país] no primeiro dia é absolutamente impossível", defendeu Temer.
O termo "golpista", disse o presidente, foi um "rótulo, digamos assim, muito bem sucedido, mas contrário ao texto constitucional". "A pergunta mais do que razoável é quais são os golpistas? Os representantes do povo que numericamente, expressivamente, decretaram o impedimento e sob a presidência do presidente do Supremo Tribunal Federal? Serão todos golpistas no sentido jurídico? A palavra é uma palavra de natureza política."
Temer afirmou ser "mais do que natural que nesse momento não haja apoio" ao seu governo e pediu para que a pergunta sobre suas taxas de aprovação fosse refeita em dois anos. "Daqui a dois anos, se você me fizer essa pergunta e estiver na mesma situação, daí eu reconheço dificuldades."
Temer falou com os jornalistas brasileiros no saguão do hotel onde está hospedada a delegação brasileira em Hangzhou. Desceu por volta da hora do almoço para uma conversa informal –e não programada.
REFORMAS
O presidente disse que "não está pensando" em reforma ministerial no momento. "Para ser franco, nem tive tempo de pensar. Saímos de lá logo depois da posse e da reunião ministerial que eu fiz. Não tivemos tempo para isso e nem penso no momento."
Ao ser questionado sobre a eventual escolha de um sucessor, Temer disse que seu "único desejo" é, em dois anos e quatro meses, "entregar um país reunificado, pacificado e nos trilhos".
"Como nós temos uma base parlamentar muito ampla, eu preciso tomar muito cuidado político. Por exemplo, nas eleições municipais, eu não vou participar de nada."
Sobre a reforma política, disse que seu governo vai incentivá-la, mas que a tarefa cabe ao Congresso. "Eu acho que é inviável você governar com 35 partidos."
Como prioridades para o início de seu governo, em definitivo, Temer citou a aprovação da PEC dos gastos públicos –que quer aprovar ainda este ano– e as reformas da previdência e a trabalhista.
Questionado sobre a falta de mulheres entre os parlamentares que o acompanham na viagem à China, Temer citou mulheres que ocupam postos considerados por ele de relevância em seu governo, como sua chefia de gabinete, a Presidência do BNDES e cargos no Ministério da Justiça.
"Você pega, no Ministério da Justiça, os três setores: diretos humanos, das mulheres e... Enfim, todos os três setores da Justiça são ocupados por mulheres."
Além das duas lembradas por Temer, outras duas secretarias são ocupadas por mulheres: a da promoção da igualdade racial e a de promoção dos direitos da pessoa com deficiência, segundo o site da Justiça. 

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/09/1809971-as-40-pessoas-que-quebram-carro-diz-temer-sobre-manifestacoes-contra-o-impeachment.shtml

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade