Pular para o conteúdo principal

Decisão de Lewandowski "abre brecha" para Cunha pedir pena mais leve, diz presidente da Câmara

Maia disse que submeterá ao plenário a decisão de permitir ou não destaques à matéria
O presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) tem "convicção" de que haverá quórum no plenário na próxima segunda (12), quando está marcada a sessão para votar a cassação de seu antecessor Eduardo Cunha (PMDB-RJ).
Maia acredita que a decisão do presidente do STF Ricardo Lewandowski durante o julgamento do impeachment de Dilma Rousseff no Senado, de acatar destaque de petistas e permitir o fatiamento dos votos de cassação e perda de direitos políticos, "abre uma brecha" para aliados de Cunha. 

"Na hora em que ele (Lewandowskis) diz isso, que é uma proposição em que caberia destaque, em tese ele pode ter aberto a possibilidade de uma questão de ordem questionando isso na Câmara, e hoje não é possível", disse o presidente da Câmara em entrevista exclusiva à Jovem Pan. Ou seja, aliados devem propor como pena a Cunha "algo intermediário em relação à proposta do Conselho de Ética", cujo relatório pede a cassação do peemedebista.
Maia afirma que já tem analisado a questão, mas não decidirá sozinho se aceita ou não a possibilidade dos destaques. "Na hora eu vou devolver essa decisão para o plenário", antecipou.
Mesmo com a "brecha", Maia explica que os casos de Dilma Rousseff e Eduardo Cunha são distintos. "A Dilma separou as penas. Nesse caso não dá, é diferente", afirmou. O que os amigos de Cunha devem requisitar, aguarda Maia, é o "voto separado pela suspensão, não pela cassação. Esse é o debate que tem sido feito há alguns meses".
Ou seja, o deputado acusado de mentir à CPI na Petrobras quando disse que não tem contas no exterior pode ficar apenas suspenso por alguns meses da Câmara, mas sem perder seu mandato ou direitos, pena ainda mais leve que a de Dilma.
A sessão para definir o destino de Cunha está marcada para as 19h do dia 12, podendo adentrar a madrugada de terça-feira (13). A colunista Jovem Pan Vera Magalhães disse também que já há movimentação para remarcar a votação para a terça mesmo, caso o quórum de 400 deputados presentes não seja alcançado na segunda.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…