Pular para o conteúdo principal

Dilma pede ao TSE nova perícia sobre empresas ligadas à campanha de 2014




Estadão Conteúdo

De Brasília


Então candidata à reeleição pelo PT, Dilma Rousseff vota nas eleições de 2014

Os advogados da ex-presidente Dilma Rousseff pediram que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) realize uma nova perícia sobre as contas de empresas que prestaram serviços à campanha eleitoral que elegeu em 2014 a petista e o então vice e atual presidente da República, Michel Temer.


Há cerca de 15 dias, técnicos da Corte eleitoral concluíram a análise dos documentos e identificaram irregularidades nas contratações. A suspeita da Justiça eleitoral é de que as firmas sejam empresas de fachada.

A perícia é feita no âmbito das quatro ações de investigação eleitoral, propostas pelo PSDB, que podem gerar a cassação da chapa formada por Dilma e Temer. Segundo o laudo apresentado pelos técnicos do TSE, três empresas não apresentaram documentos capazes de comprovar que efetivamente prestaram serviços no valor pago pela campanha presidencial. As empresas que se encontram nessa situação são a Gráfica VTPB, a Red
 Seg Gráfica e Editora e a Focal.

A defesa de Dilma apresentou nesta quinta-feira, 8, ao TSE um parecer técnico com divergências do trabalho realizado pelos técnicos da Corte. O documento dos advogados
 da petista foi realizado por um auditor independente. A análise feita tem mais de 8 mil páginas, segundo os advogados, e 37 volumes de documentos.


Em nota, o advogado Flávio Caetano, responsável pela defesa de Dilma perante o TSE, destaca que há documentos disponíveis em fontes de informação abertas que não foram consideradas pelos peritos da Justiça Eleitoral.

"O parecer contábil divergente comprovou que os serviços contratados com as empresas Focal, VTPB e Red Seg foram devidamente prestados, inexistindo qualquer suspeita de 
que tivesse havido desvios de valores", escreveu Caetano.

A defesa de Temer tenta, no TSE, separar a situação dele do caso de Dilma. 
A nota assinada pela defesa de Dilma, no entanto, menciona que uma das empresas
 suspeitas realizou santinhos para a campanha de Temer como vice-presidente. 
"Além de demonstrar a entrega total do material contratado, o parecer contábil 
divergente constatou ainda que a campanha presidencial recebeu a mais da
 fornecedora VTPB, cerca de 50 milhões de santinhos dedicados a campanha do 
Vice Michel Temer", escreveu o advogado.

Sob alegação de que o relatório dos peritos do TSE foi "insuficiente, incompleto e impreciso", a defesa de Dilma pediu uma nova perícia para considerar as "8 mil 
páginas de documentos juntadas aos autos e não examinadas pela perícia anterior".

Após o fim da fase de perícia, o TSE dá início aos depoimentos de testemunhas no caso. 
As oitivas de pelo menos dez testemunhas já estão agendadas para serem realizadas nos próximos dias 16 e 19. O pedido dos advogados de Dilma pela nova análise dos
 documentos de empresas que prestaram serviços para a campanha será analisado
 pelo relator do caso, o corregedor-geral da Justiça Eleitoral, ministro Herman Benjamin.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…