Pular para o conteúdo principal

Incendiário e irresponsável: Dias Tóffoli provoca militares e juízes brasileiros

dias toffoli abertos


Dias Tóffoli, o menino de Lula, indicado para uma vaga de ministro do STF depois de ser reprovado, por duas vezes, em concurso público para juiz de direito é autor da maior provocação já feita aos militares e aos juízes brasileiros nos últimos 30 anos.

A máxima de que, quando você não domina um assunto, o recomendável é que fique de boca fechada não valeu para Dias Tóffoli. Diante de uma platéia de empresários em Belo Horizonte, abandonou o tema pelo qual estava pautado para incursionar num perigosíssimo terreno minado, cheio de explosivos e sob forte observação da caserna. Falou o que não devia e colocou em “alerta total” os militares. Era o “fator legal” que faltava para que um enorme segmento das Forças Armadas se convencesse que já passou o momento de agir.

Ao afirmar textualmente de que: “a Justiça corre o risco de “cometer o mesmo erro que os militares cometeram em 1964” se a política for criminalizada e o Judiciário “exagerar no ativismo”, Dias Tóffolli prova que não possui a menor condição de ocupar uma cadeira no STF.

– Dias Toffoli não foi ministro do STF ao criticar os militares… Dias Tóffoli foi militante petistas.
– Dias Toffoli não foi ministro do STF ao criticar os juízes brasileiros que atuam com independência, prendendo corruptos, afastando da vida pública ladrões e recuperando bilhões de reais que foram roubados do Brasil… Dias Tóffoli se comportou como um defensor contumaz de gente da pior espécie. (vide Mensalão e o habeas corpus concedido apara Paulo Bernardo, seu ex-chefe no PT).

Qual será o medo real de Dias Tóffoli?
– Que seu “mentor” Luis Inácio Lula da Silva seja preso?
– Que seus pares determinem uma minuciosa investigação para esclarecer as ligações da sua mulher, na condição de advogada, de empreiteiros ladrões?
– Que juízes independentes, sérios, honestos, que chegaram na função por meio de concurso público e não pela “mão suja” de um presidente desmoralizado, comecem a comandar, de verdade, o judiciário brasileiro?
– Que ao atacar a operação Lava Jato também “acertou” o Ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato?

Definitivamente Dias Tóffoli perdeu uma grande oportunidade de ficar calado em Belo Horizonte.
Dias Tóffoli não tema a mínima noção do “estrago” que provocou. Dada a gravidade das suas declarações, certamente será “aconselhado” a entregar a toga e se recolher ao escritório que defende os bandidos da lava Jato.




Leia na íntegra a matéria publicada pela Folha de São Paulo, assinada pelo jornalista JOSÉ MARQUES.

“Judiciário pode ‘cometer o mesmo erro de militares em 1964’, diz Toffoli

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Dias Toffoli disse nesta sexta-feira (16) que a Justiça corre o risco de “cometer o mesmo erro que os militares cometeram em 1964” se a política for criminalizada e o Judiciário “exagerar no ativismo”.

Ao palestrar em evento de direito tributário em Belo Horizonte, Toffoli listou momentos da história do Brasil em que as Forças Armadas agiram como “poder moderador”: destituíram governos e depois devolveram aos civis.

Ele afirma que, no entanto, no golpe de 1964, os militares quiseram “se achar os donos do poder” e se desgastaram com isso.

“Com o desgaste dos militares, porque eles deixaram de ter autoridade moral de ser o poder moderador das crises da federação brasileira, quem acaba por assumir é o Poder Judiciário”, afirmou.

“E nesse protagonismo, o Poder Judiciário tem que ter uma preocupação: também não exagerar no seu ativismo. Se exagerar no seu ativismo, ele vai ter o mesmo desgaste que tiveram os militares.”

Toffoli, que falaria no evento sobre direito tributário, deixou o tema de lado disse que era “mais importante fazer essas reflexões”.

“Se criminalizar a política e achar que o sistema judicial vai solucionar os problemas da nação brasileira, com moralismos, com pessoas batendo palma para doido dançar e destruindo a nação brasileira e a classe política… É o sistema judicial que vai salvar a nação brasileira?”, questionou.

Segundo o ministro, a Justiça tem que “resolver a crise de maneira pontual” e quando for provocada ou vai haver um “totalitarismo do Judiciário e do sistema judicial”.

“Se nós quisermos ser os protagonistas da sociedade brasileira, começarmos a fazer sentenças aditivas, começamos a fazer operações que tem 150 mandados de busca e apreensão num único dia… Temos que refletir”, acrescentou.

 Cristalvox e 

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/09/1813937-judiciario-pode-cometer-o-mesmo-erro-de-militares-em-1964-diz-toffoli.shtml

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade