Pular para o conteúdo principal

A fuga das estrelas

Líderes do PT planejam uma debandada do partido para criar uma nova legenda. Enfraquecido politicamente, Lula convoca reunião para tentar estancar a deserção, mas pode ser tarde demais

Adicionar lTarso Genro O ex-ministro pede revisão dos erros e expurgo dos corruptos; Paulo Paim O senador avisa: “vai haver uma revoada no PT”; Maria do Rosário A parlamentar é uma das que preparam a debandada; Arlindo Chinaglia O deputado que já chegou a presidir a Câmara quer novos caminhosegenda

A fuga das estrelas
Líderes do PT planejam uma debandada do partido para criar uma nova legenda. Enfraquecido politicamente, Lula convoca reunião para tentar estancar a deserção, mas pode ser tarde demais



A três meses de completar 37 anos, o

PT está ameaçado pela fuga em massa de parlamentares e dirigentes. Um grupo que corresponde a 70% da bancada no Congresso já trabalha para deixar o partido, criar uma nova legenda ou mesmo engrossar outras siglas. Os entusiastas da fundação de um novo partido já traçam estratégias para não perder o rateio do Fundo Partidário, verba pública hoje essencial para a sobrevivência das agremiações, e o tempo de televisão. A ideia seria se unir a legendas já estabelecidas, como a Rede Sustentabilidade. Aproveitar a frustração dos militantes com a performance pífia da Rede nas eleições municipais para, juntos, engrossar as fileiras do novo partido. De antemão, no entanto, os desertores do PT impõem uma condição: que a ex-senadora Marina Silva não tenha ascendência sobre a nova sigla.

As conversas do chamado “grupo dos 40” ganharam velocidade nos últimos dias, esquadrinhado o resultado eleitoral do PT nas eleições municipais. A avaliação corrente é de que o pior dos mundos seria a inércia, diante do naufrágio petista. Se os separatistas não possuem ainda todas as diretrizes definidas, já se sabe que, se o novo partido realmente vingar, será mais alinhado à esquerda, contra o neoliberalismo e defensor da ética e do combate às velhas e deterioradas práticas políticas. O objetivo é tentar se reconectar com o eleitorado que um dia já pertenceu ao PT, mas que hoje não quer nem ouvir falar em digitar o 13 nas eleições.



Fusões no horizonte

Além da Rede, os dissidentes já estão conversando com outras legendas para avaliar a possibilidade de fusão, como PC do B e PT do B. “Até o fim deste ano vai haver uma revoada no PT”, sentencia o senador Paulo Paim (PT-RS), um dos fundadores do PT. “Estou ameaçando sair do partido desde dezembro do ano passado. Eu disse na época à direção que o sonho havia acabado e que se nada fosse feito, se o partido não mudasse, seria o fim. Fiz o que pude, mas ninguém me ouviu. Agora, vou esperar até o final do ano. Até março quero estar em um novo projeto”, desabafa. Ele defende que as esquerdas se unam em torno de uma Frente Ampla popular.

Outra hipótese que já está sendo amplamente estudada é a migração em massa para o PDT. Embora não represente muita novidade, o Partido Democrático Trabalhista ofereceria algumas vantagens aos desgarrados. Em primeiro lugar, a identificação histórica com a causa dos trabalhadores. Depois, porque embora tenha tido pouca expressão nas urnas, a imagem dos pedetistas não está tão incinerada por denúncias de corrupção quanto outras. Atualmente, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) está entre os favoritos da esquerda para disputar a Presidência da República daqui dois anos, caso Lula esteja inviabilizado. A onda de defecção que assola parlamentares do PT também embala governadores petistas. O governador do Ceará, Camilo Santana (PT), por exemplo, já avalia uma eventual mudança para o PSB.

Ciente da debandada em curso, nas últimas duas semanas, o ex-presidente Lula procurou lideranças das mais diversas correntes de seu partido e intensificou rodadas de conversas no instituto que leva seu nome, no bairro do Ipiranga, em São Paulo. Na iminência de ser preso e com a derrocada de sua legenda, Lula está tentando desesperadamente evitar que seus companheiros a abandonem. Ele já aceita até a tese de “refundação” da agremiação. O petista chegou a um caminho sem volta, em que está disposto a fazer qualquer coisa para tentar evitar uma debandada geral. Lula tem pressa. Não só por estar com a Lava Jato em seu encalço e saber que, se for encarcerado, ficará muito mais difícil trabalhar neste movimento de contenção. Corre contra o relógio para manter sob seus domínios os 40 parlamentares hoje à beira da porta de saída.

A tentativa de evitar a cisão será intensificada esta semana, nos dias 10 e 11, na reunião do Diretório Nacional, quando os dirigentes vão tentar fechar um acordo para antecipar as eleições para a presidência do partido. O mandato do atual presidente, Rui Falcão, vai até dezembro de 2017, mas depois do fracasso nas urnas, ele aceitou encurtar seu tempo no cargo. A ideia de quem permanecer na legenda é a de fazer novas eleições entre março e maio do ano que vem. Falcão chegou a lançar Lula como candidato ao comando do partido, mas o ex-presidente sinalizou não querer o posto. Prefere se dedicar à sua defesa na Justiça.Ameaçado pela Lava Jato, Lula não quer ficar só, mas tem dificuldades para emplacar aliados na direção do partido

A insatisfação de históricos do PT

Também já houve um movimento para lançar o nome do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad. Mas parece um jogo de batata-quente e ele também se recusou a encarar a missão. “Haddad disse que não estava disposto a assumir um partido no qual metade das lideranças está na cadeia e outra metade responde a investigações na Lava Jato”, disse um amigo próximo do prefeito. Sem o prefeito, Lula tem testado internamente os nomes dos ex-ministros Jaques Wagner e Ricardo Berzoini, que já comandou a legenda outras vezes. Outro candidato a presidente é o senador Lindbergh Farias.

Mesmo que o comando do partido mude de mãos, as condições impostas pelos parlamentares revoltosos vai muito além da simples troca de comando. O ex-governador Olívio Dutra, um dos fundadores do PT, disse que a crise é resultado de atalhos que o partido tomou. Dirigentes foram se perpetuando no poder: “Essas pessoas dominaram a máquina do partido e, quando dirigentes se envolveram em irregularidades, a direção deveria tomar medidas estatutárias para expulsá-las, mas não o fez. Por que não se expulsou o José Dirceu quando ele foi pego em ilegalidades? Porque se constituiu um poder paralelo no PT”. Ele avalia que não basta agora mudar os nomes dos dirigentes: “Não adianta só tirar o sofá da sala. Precisamos discutir as teses de um partido socialista e democrático”.

Outro ex-governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, defendeu na última quinta-feira 3, em entrevista ao “O Estado de S.Paulo”, que o partido faça uma profunda discussão de seus problemas, admita erros e reformule o partido. Caso contrário, “importantes líderes deixarão a legenda”, advertiu. Na mesma linha, o deputado Paulo Teixeira (SP) faz uma forte crítica ao atual modelo. Antigamente, o PT promovia encontros municipais, estaduais e nacionais, em que se discutia ideias e dali eram escolhidos delegados com legitimidade para representar a militância. “Depois, trocaram para eleição direta e esvaziou o debate político, surgindo os vícios do sistema eleitoral, com abuso de poder econômico e uso da máquina”, explicou. Deu no que deu.

A derrocada petista

Bancada atual: 68 parlamentares (58 deputados e 10 senadores)

Previsão futura pós revoada: 28 parlamentares

Prefeituras eleitas em 2012: 638

Prefeituras eleitas em 2016: 256

Derrotas mais significativas: São Paulo e Nordeste

EM SP…
Apenas 8 petistas foram eleitos no estado. Araraquara foi a conquista

mais importante, com Edinho Silva. Perderam na capital e no ABCD

Paulista, berço político de Lula. Em 2012, a sigla chegou a eleger 72

prefeitos no estado.

No Nordeste…
Perdeu todas as capitais da região, que era conhecida pelo apoio à

sigla. Terá apenas a vice-prefeitura de Aracaju (SE), com Eliane

Aquino, vice de Edvaldo Nogueira (PCdoB).


ISTOÉ

http://istoe.com.br/fuga-das-estrelas/


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Janaína Paschoal disse: " Se essa dupla acontecer será pra revolucionar o país" na chapa com Bolsonaro

Disse janaína à rádio Eldorado, sobre a possibilidade de ser vice na chapa de Jair Bolsonaero.

E mais: "Se essa dupla não consegue mudar o Brasil, ninguém consegue. São duas pessoas de personalidade muito forte. Não conheço ninguém que ame mais o Brasil do que eu. Para o país , seria algo significativo."
Sequer conhece o Bolsonaro pessoalmente.

Segundo o Antagonista a decisão de topar ou não a vaga- se o convite acontecer de fato- é "séria demais" e demandaria "um longo diálogo com o candidato".
(Convite aceito)

Toffoli manda recado a Zanin

Zanin conseguiu angariar a antipatia generalizada e hoje é um estorvo na defesa do meliante Lula.O ministro Dias Toffoli está disposto a apagar a pecha que lhe foi impregnada de ‘petista’.

De antemão, usou o jornal Folha de S.Paulo para mandar um recado com endereço certo. O advogado Cristiano Zanin.

Caso ele assuma o plantão do Supremo Tribunal Federal (STF), não adianta entrar com habeas corpus em favor do ex-presidente Lula. Ele não concederá liminar, em hipótese alguma.

A preocupação atual do ministro é assumir sem problemas a presidência do STF.

Outro fator preponderante para o posicionamento de Toffoli, segundo fonte segura, é a aversão entre todos os ministros do STF ao próprio advogado.

Zanin conseguiu angariar a antipatia generalizada e hoje certamente é um estorvo na defesa do meliante petista.

Por outro lado, há quem diga que Toffoli não é petista. É ‘Dirceusista”.

Faz sentido. Zé Dirceu está solto.

Jornal da Cidade

Discurso de Janaína Paschoal causou pânico no establishment

O discurso de Janaína Paschoal na convenção do PSL, que lançou Jair Bolsonaro na disputa pela presidência da República, causou pânico na grande mídia e na esquerda, ou seja, no establishment. 
Foi notável que logo após a fala da jurista no evento, a grande mídia tratou de tentar joga-la contra o partido. Teve grande mídia dizendo que ela irritou aliados. Teve outra dizendo que ela criticou os eleitores de Bolsonaro.  No entanto, como já estamos cansados de saber, quando a grande mídia critica algo, é porque esse é o caminho certo.  Filipe Martins, no Twitter, explicou o porquê deste discurso ter incomodando tanto a velha imprensa. 
Confira em 7 tuítes:




Filipe G. Martins@filgmartin  · 
1. O discurso da Janaína está cumprindo um papel importante na transição da campanha do Deputado Jair Bolsonaro.