Pular para o conteúdo principal

Alberto Youssef sai da cadeia quase 3 anos depois de ser preso na Lava Jato Doleiro deixou carceragem da PF em Curitiba na tarde desta quinta (17). Agora, ele deve passar os próximos quatro meses em regime domiciliar.


Alana FonsecaDo G1 PR










O doleiro Alberto Youssef deixou a carceragem da Polícia Federal (PF), em Curitiba, por volta das 13h30 desta quinta-feira (17). Depois, seguiu para a sede da Justiça Federal, também na capital paranaense, onde colocou uma tornozeleira que lhe dá a possibilidade de ir para casa.
Youssef deve passar os próximos quatro meses em prisão domiciliar, em um apartamento no bairro Vila Nova Conceição, em São Paulo. Ele deve fazer a viagem de carro pela Rodovia Régis Bittencourt. São cerca de 400 quilômetros. A expectativa é a de que ele chegue até a noite na capital paulista.









A mudança de regime é um dos benefícios obtidos pelo acordo de delação que ele firmou com o Ministério Público Federal (MPF), em 2014.
Youssef foi um dos primeiros alvos da Operação Lava Jato. A prisão ocorreu em 17 de março de 2014, em um hotel em São Luis, no Maranhão. À época, as investigações da Polícia Federalapuravam a existência de uma quadrilha especializada em lavagem de dinheiro. O doleiro era apontado como um dos líderes do grupo.
A Lava Jato cresceu a partir do momento em que os investigadores encontraram ligações da empresa Costa Global, pertencente ao ex-diretor da PetrobrasPaulo Roberto Costa, e os atos de lavagem de dinheiro promovidos por Youssef. Costa foi preso três dias depois, que o doleiro, na segunda fase da Lava Jato

Meses após as prisões, Costa decidiu fazer o primeiro acordo de delação da Operação Lava Jato. Nele, o ex-diretor da Petrobras revelou um esquema de cartel, que fraudava licitações na estatal, aumentando o valor das obras contratadas com grandes empreiteiras do país. Esse excedente pago pela Petrobras era usado pelas construtoras para pagar propina a funcionários da estatal e agentes políticos da base de apoio dos governos Lula e Dilma.
Logo após a delação de Costa, foi a vez de Youssef assinar um acordo com o MPF. O doleiro contou, principalmente, como eram feitas as operações de transferência de recursos ilegais do Brasil para bancos no exterior, em especial na Suíça, e as formas que eram usadas para que as quantias fossem repatriadas e distribuídas aos beneficiários das propinas.
A delação de Youssef é tida como uma das principais de toda a Lava Jato, justamente por ter mostrado aos investigadores o caminho usado para lavar o dinheiro.
O doleiro Alberto Youssef chega à sede da Justiça Federal em Curitiba (PR) para colocar tornozeleira eletrônica. Após 3 anos encarcerado, o doleiro cumprirá prisão domiciliar em São Paulo (Foto: Paulo Lisboa/Folhapress)O doleiro Alberto Youssef chega à sede da Justiça Federal em Curitiba (PR) para colocar tornozeleira eletrônica. Após 3 anos encarcerado, o doleiro cumprirá prisão domiciliar em São Paulo (Foto: Paulo Lisboa/Folhapress)
Em troca, ele ficou sujeito à pena máxima de cinco anos em regime fechado e mínima de três anos. Em 2015, o acordo foi revisto e o doleiro ganhou o direito de ficar preso por três anos, sendo que dois anos e oito meses seriam em regime fechado e os quatro meses finais em regime domiciliar, com o uso de tornozeleira.
Os termos finais para a soltura de Youssef foram definidos pelo juiz federal Sérgio Moro, em outubro deste ano. Segundo o juiz, nesses quatro meses o doleiro só poderá sair do imóvel para ir à academia do condomínio, para sessões de fisioterapia.
Youssef também só poderá receber visitas previamente cadastradas junto à Justiça, como familiares e advogados. No entanto, apesar da restrição, não haverá monitoramento policial. Moro considerou que, por usar a tornozeleira, o doleiro não precisará de acompanhamento diário.
O doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, os dois principais delatores da Operação Lava Jato,  participam de audiência pública para acareação na Câmara dos Deputados, em Brasília (Foto: Ueslei Marcelino/Reuters)O doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa (Foto: Ueslei Marcelino/Reuters)
O doleiro poderá retirar a tornozeleira no dia 17 de março de 2017, quando completará três anos de prisão. A partir desse momento, ele passará para o regime aberto, ou seja, poderá ir e vir livremente.
Em contrapartida, o acordo de delação prevê que ele não poderá cometer nenhum crime pelos próximos 10 anos ou ficará sujeito a responder por todas os processos aos quais foi denunciado pelo MPF.
Caso não tivesse assinado o acordo, Youssef já teria acumulado, até o momento, 121 anos de prisão a serem cumpridos, apenas nas investigações da Lava Jato.
Velhos conhecidos
A história de Youssef com o crime começa muito antes da Lava Jato. De acordo com registros policiais, ele foi detido pela primeira vez ainda na adolescência. Ele e a mãe foram flagrados transportando produtos contrabandeados do Paraguai para revender em Londrina, cidade do norte paranaense onde o doleiro cresceu.
A proximidade com doleiros da fronteira ensinou ao jovem Alberto alguns dos truques para lavar dinheiro. Sem formação universitária, ele mantinha contato com parte da classe política da região norte do Paraná.
GNews - Doleiro Alberto Youssef (Foto: globonews)Youssef foi preso em 2003, devido ao escândalo do Banestado (Foto: globonews)
Em 2003, Youssef voltou à cadeia, acusado de atuar como líder de uma quadrilha que desviou dinheiro do já falido Banco do Estado do Paraná (Banestado). O doleiro foi apontado como o homem que ajudou a lavar os recursos ilegais, cuja fraude chegou a US$ 28 bilhões. Era, até então, o maior caso de corrupção já descoberto no país. O caso também foi julgado por Sérgio Moro.
Primeira delação da história
Após a prisão. a defesa do doleiro sugeriu ao MPF um acordo, no qual Youssef entregaria as informações que tinha, em troca de ter a pena reduzida. Foi o primeiro caso de um acordo de delação premiada no país. Ao todo, ele cumpriu cinco anos de prisão.
Assim como no acordo da Lava Jato, Youssef estava proibido de cometer novos crimes também por um prazo de 10 anos, o que não foi cumprido. Correndo o risco de ser condenado pelos crimes desvendados no Banestado, a defesa do doleiro conseguiu incluir aquele caso também no novo acordo, o que o isentou de continuar preso pelos crimes daquela época.
Baseada no acordo de Youssef, a Câmara dos Deputados editou uma lei para regulamentar outros acordos de delação. A nova legislação foi sancionada pela  ex-presidente Dilma Rousseff (PT), em agosto de 2013. Essa lei foi usada para as negociações tanto do novo acordo do doleiro, quanto em todos os demais da Lava Jato até o momento.
Quer saber mais notícias do estado? Acesse o G1 Paraná..

Comentários

Swonkie disse…
Olá,

Chegou o Swonkie, uma plataforma de gestão de Redes Sociais onde consegues escrever e publicar os teus posts do Blog com análise de SEO e partilhar ou agendar em várias redes sociais em segundos. Consegues ainda ter as estatísticas das tuas publicações e acesso à nossa comunidade de Bloggers.

Gostaríamos de te convidar a usar o Swonkie com o teu Blog.

O Swonkie é o melhor amigo dos Bloggers, e desenhamos isto a pensar em Blogs como o " Blog da Rô ".

A nossa equipa estará em Swonkie.com para te conhecer. Contamos então contigo :) ?

P.S - Tivemos de entrar em contacto contigo porque não encontramos o teu email no blog.

Até Já.

Equipa Swonkie

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade