Pular para o conteúdo principal

Melania Trump e Michelle Obama se encontram na Casa Branca Primeira-dama recebe discretamente a ex-modelo que plagiou seu discurso


Montagem coloca Melania Trump e Michelle Obama lado a lado AFP
WASHINGTON — Enquanto o presidente dos EUA, Barack Obama, se reúne pela primeira vez com o seu futuro sucessor, Donald Trump, a primeira-dama americana também recebe visita. Michelle Obama e a ex-modelo Melania Trump se encontram nesta quinta-feira na Casa Branca. Os encontros marcam o início do processo de transição do poder para Trump, republicano que venceu, em uma votação surpreendente, as eleições de terça-feira. No mesmo dia, o vice-presidente americano, Joe Biden, encontra o vice de Trump, Mike Pence.
Em seus oito anos como primeira-dama, Michelle conquistou os americanos. Pesquisas mostram que a sua popularidade é mais alta que a do próprio presidente e superior a dos candidatos presidenciais de 2016.Um dos mais eloquentes cabos eleitorais de Hillary na campanha, ela fez discursos duros contra Trump durante a campanha presidencial.
Além disso, Melania passou um episódio que a coloca em uma posição constrangedora frente a Michelle. Em seu discurso na Convenção Nacional Republicana, a ex-modelo plagiou frases que a própria Michelle disse em seu discurso na conveção dos democratas em 2008. Depois que a imitação foi percebida pela imprensa, a campanha de Trump assumiu a história, justificando que tudo aconteceu por causa de um engano.
A comitiva de Trump chegou por uma das entradas da Casa Branca por volta de 11h (14h no horário de Brasília), fora do alcance das câmeras de televisão. Obama e Trump devem posar brevemente para fotos no Salão Oval. Trump tomará posse no dia 20 de janeiro.
— Eu o convidei a vir à Casa Branca para discutir como assegurar uma transição bem-sucedida — explicou na quarta-feira Obama, que assumiu um tom conciliador após a vitória do bilionário populista que surpreendeu os Estados Unidos e todo o resto do mundo. — Antes de tudo, somos americanos. Antes de tudo, somos patriotas. Todos queremos o melhor para este país.
PROTESTOS SE ESPALHAM PELO PAÍS
De Nova York a Los Angeles, passando por Chicago, Filadélfia, Portland (Oregon), Seattle e outras grandes cidades, milhares de manifestantes saíram às ruas para denunciar as posições racistas, sexistas e xenófobas de Trump.
Os manifestantes gritavam "Love trumps hate" (O amor supera o ódio) ou "Trump Grabbed America by the Pussy!" (Trump pegou a América pela vagina!).
Em Los Angeles, milhares de californianos invadiram uma importante avenida e queimaram uma imagem do presidente eleito em frente à prefeitura. A imprensa relatou várias detenções.
Em Nova York, a polícia prendeu 15 pessoas, segundo o "New York Times". Centenas de manifestantes com cartazes que diziam "Dump Trump" (Descartar Trump) se reuniram em Union Square e depois marcharam em direção à Trump Tower, residência do presidente eleito na Quinta Avenida.
As manifestações foram pacíficas, embora tenham sido registrados incidentes em Oakland, Califórnia. Garrafas e fogos de artifício foram lançados contra a polícia, ferindo vários agentes. De acordo com uma autoridade, duas viaturas foram incendiadas.

Algumas horas antes,Obama havia lançado uma mensagem de conciliação.
"Desejamos a ele sucesso para unir e dirigir os americanos", declarou, sem esconder as "divergências muito significativas" com o ex-apresentador de TV.
A eleição de Donald Trump, impulsionada pela ira de um eleitorado que se sente ignorado pelas elites e ameaçado pela globalização, acabou com os sonhos da democrata Hillary Clinton de se tornar a primeira mulher presidente dos Estados Unidos. Todas as pesquisas apontavam a democrata como vencedora.

O Globo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…