Pular para o conteúdo principal

Ministério Público da Espanha pede dois anos de prisão para Neymar por corrupção



Neymar enfrenta processo de fraude fiscal na Espanha FOTO: FRANCISCO SECO

A Fiscalia da Audiência Nacional da Espanha pediu a prisão do atacante Neymar por dois anos, nesta quarta-feira, por corrupção de negócios, em relação à suposta ilegalidade na transferência do atleta para o Barcelona, em 2013. O jornal espanhol ‘El País” divulgou a informação nesta manhã. A decisão do Ministério Público espanhol tem como base uma queixa do fundo de investimento DIS, que detinha 40% dos direitos federativos do craque.

Conforme o jornal, na sua declaração, o promotor José Perals pede para que a família de Neymar pague multa de 10 milhões de euros (cerca de R$ 56 milhões). As autoridades também solicitaram dois anos de prisão para o pai de Neymar e um ano para sua mãe, ambos pelo crime de corrupção.

Há, além disso, uma multa de 1,4 milhão de euros (ceca de R$ 5 milhões) para a empresa familiar N&N, além de reivindicar a cada um de eles a mesma multa de dez milhões de euros que o promotor pediu para o jogador.


A assessoria de imprensa do jogador e da empresa do pai do craque, a NN Consultoria, afirmou que ainda "está levantando as informações" e, o quanto antes, vão passar um posicionamento.

O MP ainda quer uma sentença de cinco anos de prisão para o ex-presidente do Barcelona, Sandro Rosell, pela corrupção e pela fraude. Também solicita uma multa de 8,4 milhões de euros para o clube como uma entidade legal. O órgão, que conseguiu reabrir o caso após o juiz José de la Mata o havia arquivado, pediu para encerrar o caso contra o atual presidente do Barça, Josep Maria Bartomeu.

Nesta quarta-feira, a DIS apresentou sua queixa de acusação e convocou coletiva de imprensa na Espanha para pedir que todos envolvidos sejam presos, incluindo Neymar, Neymar pai, o ex-presidente do Santos, Odilio Rodrigues, e o ex-presidente do Barcelona, Sandro Rosell. A empresa pede. no entanto, que Neymar pegue cinco anos de prisão. A DIS alega que a família Neymar agiu de forma corrupta e cobra também indenização ao Barcelona.

Além disso, o fundo de investimento quer uma indenização entre 159 milhões de euros e195 milhões (entre R$ 571 milhõe e R$ 700,3 milhões) por conta da transferência do jogador para o futebol espanhol em 2013. Os dirigentes do Barcelona também estão na mira da DIS, que pede oito anos de prisão para o atual presidente do Barcelona, Josep María Bartomeu, e seu antecessor no cargo, Sandro Rosell.

Entenda o caso

Segundo o jornal espanhol "El País", o juiz José de la Mata aceitou a ação movida pelo grupo DIS, que acusa tanto o jogador quanto seus pais de corrupção e fraude fiscal por conta da transferência do Santos para o Barcelona, em 2013. Na época, o grupo detinha 40% dos direitos federativos do jogador. Por isso, o Ministério Público da Espanha solicitou a reabertura do caso, que havia sido arquivado da esfera criminal em julho.

O magistrado José de la Mata afirmou em sua decisão que esse contrato "havia alterado o livre mercado de contratação de jogadores, ao impedir que o jogador entrasse no mercado conforme as regras da livre concorrência". Segundo o tribunal, os dirigentes do Barcelona não informaram nem ao Santos, nem ao DIS nem à própria diretoria do clube catalão sobre a contratação.

Em julho, o Barcelona chegou a um acordo fiscal para pagar uma multa de 5,5 milhões de euros por ocultar o valor real da compra. Inicialmente, o clube disse que o custo tinha sido de 57,1 milhões de euros, mas admitiu posteriormente que a importância chegou perto dos 100 milhões de euros, o que resultou na demissão do então presidente do clube, Sandro Rosell.

Jornal Extra

Comentários

Bem feito,ele está colhendo o que plantou e tudo isso para pagar menos imposto,sei não.Se continuar assim vai estar "calçando as chuteiras" do Pelé.

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…