Subscribe:

8 de novembro de 2016

Temer critica ocupações e sugere que alunos nem sabem o que é uma PEC


Reprodução/Twitter/Planalto
O presidente Michel Temer durante Seminário de Infraestrutura e Desenvolvimento do Brasil, em Brasília
O presidente Michel Temer durante Seminário de Infraestrutura e Desenvolvimento do Brasil, em Brasília

O presidente Michel Temer criticou nesta terça-feira (8) o movimento de ocupações de escolas públicascontra a reforma do ensino médio, que prevê a flexibilização dessa etapa.
Em discurso a uma plateia de empresários e executivos, o peemedebista afirmou que as pessoas precisam aprender a respeitar as instituições e que, ao ocupar prédios públicos, utilizam o argumento físico em vez do intelectual ou verbal. Com a ocupação em escolas e universidades, o Inep adiou o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) de 271 mil candidatos para os dias 3 e 4 de dezembro.
"Nós precisamos aprender no país a respeitar as instituições, e o que menos se faz hoje é respeitar as instituições. Isso cria problemas e o direito existe exatamente para regular as relações sociais. Hoje, ao invés do argumento intelectual e verbal, usa-se o argumento físico. Vai e ocupa não sei o quê e bota pneu velho em estrada para impedir trânsito", disse.
O peemedebista ainda ironizou o desconhecimento sobre a proposta que estabelece o congelamento de despesas do governo por 20 anos. "[Pergunto] você sabe o que é uma PEC [Proposta de Emenda Constitucional]? É uma Proposta de Ensino Comercial. Estou dando um exemplo geral de que as pessoas debatem sem discutir ou ler o texto", disse.
Segundo o peemedebista, a reformulação no ensino médio é discutida há bastante tempo e não tem como objetivo prejudicar os alunos de ensino público. Para ele, não é possível que um estudante, por exemplo, não saiba falar corretamente o português ou regras básicas da matemática. "O que a medida provisória do governo federal faz é agilizar o debate relativo ao ensino médio no país", disse.
O presidente participou nesta terça-feira (8) do seminário Infraestrutura e Desenvolvimento do Brasil, promovido pelo jornal "Valor Econômico" e pela CNI (Confederação Nacional da Indústria).
REFORMA DO ENSINO MÉDIO
Em conversas reservadas, o presidente tem demonstrado preocupação com o clima de animosidade no país, sobretudo contra o governo federal. Nas palavras de um assessor presidencial, os protestos vinham perdendo força desde o desfecho do processo de impeachment, mas voltaram a ganhar fôlego com o movimento de ocupação de escolas e universidades.
No mês passado, o presidente ironizou também uma manifestação realizada em frente ao Palácio do Planaltocontra a flexibilização de direitos trabalhistas. Em discurso a uma plateia de empresários e comerciantes, o peemedebista afirmou que aqueles que protestavam com vuvuzelas "aplaudem este grande momento do governo federal" e sugeriu que fossem oferecidos empregos aos manifestantes que estivessem desempregados.
OCUPAÇÕES EM SÃO PAULO
As declarações do presidente Michel Temer sobre as ocupações de escolas pelo país ocorrem na semana que marca um ano do início da ocupação de colégios públicos em São Paulo. Há um ano, os estudantes da rede estadual ocuparam suas escolas em protesto contra a decisão do governo Geraldo Alckmin (PSDB) de dividir parte dos colégios estaduais por ciclos únicos de ensino (anos iniciais e finais do fundamental e o médio).
Esse plano previa para 2016 o fechamento de 93 escolas e o remanejamento de 311 mil alunos -a rede estadual tem 5.147 escolas e atende a 3,8 milhões de alunos. Ao todo, 754 escolas atenderiam só um ciclo de ensino no Estado.
No total, 196 escolas no Estado foram ocupadas. O desgaste ao governo estadual levou ao recuo da proposta. O secretário de educação, que havia encabeçado o projeto de reforma, acabou caindo. As ocupações duraram quase dois meses. 


Folha de São Paulo

1 comentários:

Pb Fernando disse...

Claro que é verdade. Todos eles levaram uma lavagem cerebral para que, como papagaios saiam repetindo a mesma coisa.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...