Pular para o conteúdo principal

Centrais não aceitam idade mínima de 65 anos na reforma da Previdência


Paulinho da Força disse que grupo deve definir até três pontos para apresentar como emenda ao projeto e afirmou que a reforma não gera um real a mais para a Previdência
13
Álvaro Campos,
Broadcast
08 Dezembro 2016 | 11h57


SÃO PAULO - O deputado federal Paulo Pereira da Silva (SDD-SP), presidente da Força Sindical, afirmou que as principais centrais sindicais do Brasil não concordam com alguns dos pilares da proposta de reforma da Previdência enviada esta semana pelo governo ao Congresso. Segundo ele, entre esses pontos estão a idade mínima de 65 anos, a equiparação entre homens e mulheres e a desvinculação das pensões em relação ao salário-mínimo. "O homem não lava nem um prato em casa, enquanto a mulher tem jornada dupla, tripla. Não é justo se aposentarem com a mesma idade", comentou.
Paulinho falou na entrada de um encontro das centrais para discutir a proposta. Segundo ele, o grupo deve definir dois ou três pontos essenciais para apresentar como emenda ao projeto de reforma, possivelmente no início do próximo ano, tendo em vista os prazos regimentais. Segundo o deputado, a admissibilidade do projeto deve ser aprovada facilmente pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde o governo tem ampla maioria. Ele não acredita, no entanto, que a proposta seja aprovada pelo plenário. "Ontem mesmo vários deputados que têm menos de 50 anos e também serão afetados pela proposta me disseram que não vão aprovar", comentou.

Veja os principais pontos da reforma da Previdência


10

Segundo ele, a reforma não gera um real a mais de dinheiro para a Previdência - o que há é redução dos gastos no longo prazo - e antes de propor essa alterações tão duras o governo deveria adotar outras medidas.
O sindicalista citou algumas propostas que já foram apresentadas pelas centrais para gerar receita para a Previdência, como a venda de imóveis que não estão sendo utilizados, o fim de desonerações sobre a folha de pagamento, revisão da isenção para entidades filantrópicas, criação de um Refis para as dívidas previdenciárias e aumento das alíquotas para o agronegócio. "Isso não resolveria o rombo, mas depois dessas medidas poderia haver proposta uma reforma mais suave".
O deputado disse que ainda precisa definir com as centrais quais serão as contrapropostas apresentadas, mas apontou que desejaria mudanças na transição do regime atual para o futuro e também na idade mínima. "Poderia ser 60 anos para homens e 58 para mulheres, não sei, ainda precisamos decidir", disse. "É preciso sensibilidade social e a busca de uma solução equilibrada que não penalize, principalmente, os menos favorecidos economicamente", acrescentou.

PUBLICIDADE
inRead invented by TeadsSegundo ele, a reforma não gera um real a mais de dinheiro para a Previdência - o que há é redução dos gastos no longo prazo - e antes de propor essa alterações tão duras o governo deveria adotar outras medidas.

O sindicalista citou algumas propostas que já foram apresentadas pelas centrais para gerar receita para a Previdência, como a venda de imóveis que não estão sendo utilizados, o fim de desonerações sobre a folha de pagamento, revisão da isenção para entidades filantrópicas, criação de um Refis para as dívidas previdenciárias e aumento das alíquotas para o agronegócio. "Isso não resolveria o rombo, mas depois dessas medidas poderia haver proposta uma reforma mais suave".

O deputado disse que ainda precisa definir com as centrais quais serão as contrapropostas apresentadas, mas apontou que desejaria mudanças na transição do regime atual para o futuro e também na idade mínima. "Poderia ser 60 anos para homens e 58 para mulheres, não sei, ainda precisamos decidir", disse. "É preciso sensibilidade social e a busca de uma solução equilibrada que não penalize, principalmente, os menos favorecidos economicamente", acrescentou.



P_MOBILE
P_360P
P_MEDIA
Como funciona a previdênc

Comentários

A previdência tá quebrada? sabia que os maiores devedores são os adorados clubes de futebol do meu Brasil? É somente confiscar metade das rendas de todos os jogos em que esses velhacos participam, que irá aliviar um pouco a quebradeira!

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade