Pular para o conteúdo principal

Denunciando a islamofobia ignorando o terrorismo


13 de dezembro de 2016 ignorando o terror

por Tarek Fatah
The Toronto Sun
13 de dezembro de 2016
Os parlamentares canadenses liderados pelo líder do Partido Democrata, Thomas Mulcair e pelo deputado liberal Frank Baylis aprovaram recentemente uma moção "condenando todas as formas de islamofobia". Inicialmente, alguns deputados conservadores se recusaram a dar o consentimento unânime, mas sob a ameaça de serem rotulados de "racistas" e "islamófobos", a unanimidade foi finalmente alcançada.
Se a moção também denunciasse a doutrina islâmica da jihad armada e da sharia islâmica como fonte de direito público, ela teria cumprido o teste de boa fé. Infelizmente, não o fez e, assim, a moção fez uma zombaria dos fatos no local.
Condenar ou perseguir alguém com base apenas na sua religião é errado.
Mas as preocupações e os temores públicos sobre tanta morte e destruição causada em todo o mundo por terroristas que afirmam ser guiados pelo Islã não é islamofobia. Nem é racismo ou fanatismo. É uma resposta racional a uma ameaça real à civilização ocidental, embora a preponderância da chamada "culpa branca" em nosso Parlamento, eventualmente coagiu todos os deputados para apoiar a petição islamofóbica.
A preocupação pública com os terroristas que afirmam ser guiados pelo Islã não é islamofobia.
Então vamos ver o que aconteceu em todo o mundo desde que esta moção foi aprovada, com pouco ou nenhum debate sobre o Parlamento Hill ou na mídia.
Desde o Paquistão até o Egito, a Somália, a Indonésia, o Iêmen, a Turquia, não houve cessação do terrorismo islâmico que é a principal fonte de ansiedade das pessoas em relação ao Islã.
Nem mesmo as celebrações de aniversário do Profeta Muhammad, "Eid-e-Milad-un-Nabi" (o equivalente muçulmano do Natal), trouxeram no fim de semana algum alívio ao terror islâmico. Um relatório do Paquistão diz que um canadense pode ter estado envolvido em um ataque a uma mesquita pertencente à comunidade muçulmana minoritária Ahmaddiya na segunda-feira.
O Alto Comissariado do Canadá em Islamabad twittou que estava "profundamente preocupado com os relatos de um assalto contínuo da máfia em um site #Ahmadi em #Chakwal, incluindo relatos de uma fatalidade".
Mesmo assim, o ataque islâmico contra a mesquita foi leve em comparação com outras atrocidades recentes cometidas pelos jihadistas no mundo islâmico.

O bombardeamento da Catedral de São Pedro no Cairo, em 11 de dezembro, deixou pelo menos 25 pessoas mortas.
Na sexta-feira, 9 de dezembro, quando os nigerianos se preparavam para as festividades da Eid, duas mulheres-suicidas explodiram em um mercado no nordeste predominantemente muçulmano do país, matando 57 pessoas e ferindo outras 177, incluindo 120 crianças.
No domingo, 11 de dezembro, Boko Haram, um grupo terrorista jihadista na Nigéria, enviou duas meninas, uma de sete e oito, para explodir. Também no domingo, do outro lado da África na Somália, terroristas jihadistas de Al-Shabab mataram 16 pessoas em um atentado suicida com caminhão fora do movimentado porto de Mogadíscio.
No mesmo dia, no Egito, um complexo cristão da catedral foi bombardeado, matando 25 fiéis observando a massa do domingo, ferindo muitos outros, muitas mulheres e crianças.
Por que os parlamentares do Canadá estão dispostos a condenar a "islamofobia", mas não o terror islâmico?
Mas o registro da morte naquele dia não terminou no Egito ou na Nigéria.
A insegurança jihadista continuou na borda oriental do mundo árabe no porto iemenita de Aden, onde o Estado Islâmico bombardeou uma escola militar matando pelo menos 48 soldados.
Finalmente, para levar a mensagem de morte para as fronteiras da Europa, explosões de bomba na cidade turca de Istambul mataram 38 pessoas, a maioria policiais, também no domingo.
Tudo isso levanta a questão: por que os parlamentares do Canadá condenaram a "islamofobia", mas não, igualmente e simultaneamente, o terrorismo cometido em nome do Islã?
Tarek Fatah, um dos fundadores do muçulmano Congresso canadense e colunista do Toronto Sun, é um Robert J. e Abby B. Levine Fellow no Middle East Forum.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


URGENTE: Fachin pede para 2ª Turma julgar mais um pedido de liberdade de Lula no dia 26

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu para ser incluído na pauta  do dia 26 o julgamento do pedido de liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.  O julgamento será na Segunda Turma, integrada por cinco ministros. Caberá ao presidente  do colegiado, Ricardo Lewandowski, marcar uma data para o recurso ser analisado.  No recurso, a defesa do petista pede o efeito suspensivo da condenação do Tribunal  Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) até que os recursos sejam julgados.
Fachin tinha pedido à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, um parecer sobre o  assunto. Essa manifestação ainda não chegou ao STF. Na segunda-feira, Fachin recebeu o  advogado de Lula, Sepúlveda Pertence, em audiência. O advogado pediu rapidez no  julgamento do recurso.
Lula foi condenado a 12 anos e um mês de prisão pelo TRF-4 por corrupção passiva  e lavagem de dinheiro, no caso do triplex do Guarujá. Ele cumpre a pena desde o  início de abril na Superintendência da Polícia Federal…