Pular para o conteúdo principal

Lula e Marina são os preferidos para as Eleições 2018, mostra Datafolha Ex-presidente lidera todos os cenários de 1º turno, e ex-senadora está na ponta no 2º turno



O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e a ex-senadora Marina Silva (Rede) são os preferidos dos eleitores brasileiros na disputa à Presidência da República nas Eleições 2018. Pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira (12) indica que o petista lidera todos os cenários de 1º turno, enquanto a ex-ministra do Meio Ambiente venceria o próprio Lula e os tucanos José Serra, Geraldo Alckmin e Aécio Neves no 2º turno.

 O Datafolha entrevistou 2.828 pessoas com 16 anos ou mais entre os dias 7 e 8 de dezembro, portanto, antes da divulgação da delação premiada do ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht Claudio Melo Filho neste final de semana.

 A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais e para menos, e o nível de confiança atinge 95%. O Datafolha fez quatro simulações e o ex-presidente Lula lidera todas elas.

No primeiro, com Marina Silva e Aécio Neves (PSDB), Lula tem 25% das intenções de voto, contra 15% da ex-senadora e 11% do tucano. Jair Bolsonaro (PSC) aparece com 9%, Ciro Gomes (PDT) tem 5%, Michel Temer (PMDB) atinge 4%, e Ronaldo Caiado (DEM) e Luciana Genro (PSOL) possuem 2% cada um. Eduardo Jorge (PV) conta com 1% das menções.

Brancos e nulos são 20%, e os indecisos, 6%. Na segunda hipótese, com a presença de Aécio Neves (PSDB) e Geraldo Alckmin (PSDB), algo extremamente improvável de ocorrer, Lula teria 26% das intenções de voto, seguido por Marina Silva (17%) e os dois tucanos com 8% cada um. Ciro teria 6% nesse cenário, seguido por Temer (4%), Luciana Genro (2%), Ronaldo Caiado (2%) e Eduardo Jorge (1%). Brancos e nulos somam 20%, e os indecisos totalizam 6%. O terceiro cenário tem Lula na ponta com 25% da preferência e Marina, 16%.

O chanceler José Serra (PSDB) tem 9% do total, mesma percentual de Jair Bolsonaro. Ciro Gomes (PDT) soma 6%, Temer tem 4% e Luciana Genro e Ronaldo Caiado conquistaram 2% cada um. Eduardo Jorge também possui 1%. Brancos e nulos são 20% e os indecisos totalizam 6%. A quarta simulação conta com as presenças dos três tucanos — José Serra, Aécio Neves e Geraldo Alckmin —, do empresário Roberto Justus (sem partido), da presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Cármen Lúcia, e do juiz federal Sergio Moro (sem partido).

 Esse cenário mostra Lula com 24%, seguido por Marina Silva e Sérgio Moro, com 11% cada. Aécio Neves soma 7%, Bolsonaro chega a 6%, Alckmin totaliza 5% e Ciro e Serra possuem 4% cada. Temer, Luciana Genro e Justus ganharam 2% da preferência cada um. Caiado, Eduardo Jorge e a ministra Cármen Lúcia somam 1% cada. Brancos e nulos somam 13% e 5% não souberam responder.

2º turno

 A ex-senadora Marina Silva lidera com folga as disputas de segundo turno. Ela tem ao menos 20 pontos percentuais de vantagem sobre os rivais tucanos — José Serra, Aécio Neves e Geraldo Alckmin. Contra Aécio, o placar ficaria 47% a 25%; contra Alckmin, 48% a 25%; e contra Serra, 47% a 27%. Marina também venceria o ex-presidente Lula em um eventual segundo turno.

A ex-senadora teria 43% das intenções de voto se as eleições fossem hoje, contra 34% do petista. Em um confronto entre Lula e Aécio no segundo turno, a pesquisa indica um empate técnico dentro da marge de erro.

O petista tem 38% das intenções de voto, contra 34% do tucano. Contra Alckmin, o placar seria exatamente o mesmo. Por fim, contra Serra, Lula teria 37% da preferência e o tucano, 35% — também um empate técnico dentro da margem de erro. Vale lembrar que o ex-presidente Lula é alvo de três processos na Justiça Federal: por tentativa de obstrução das investigações da Lava Jato, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro em recebimento de propina da empreiteira OAS e por organização criminosa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e tráfico de influência em um caso envolvendo a empreiteira Odebrecht. Marina Silva também já foi citada em depoimento do delator José Aldemário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro. Segundo ele, emissários de Marina pediram contribuição para o caixa dois da campanha eleitoral de 2010. Ela nega ter recebido recursos ilícitos. Marina não foi denunciada neste caso e, portanto, não existe processo contra ela.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Janaína Paschoal disse: " Se essa dupla acontecer será pra revolucionar o país" na chapa com Bolsonaro

Disse janaína à rádio Eldorado, sobre a possibilidade de ser vice na chapa de Jair Bolsonaero.

E mais: "Se essa dupla não consegue mudar o Brasil, ninguém consegue. São duas pessoas de personalidade muito forte. Não conheço ninguém que ame mais o Brasil do que eu. Para o país , seria algo significativo."
Sequer conhece o Bolsonaro pessoalmente.

Segundo o Antagonista a decisão de topar ou não a vaga- se o convite acontecer de fato- é "séria demais" e demandaria "um longo diálogo com o candidato".
(Convite aceito)

Advogado desiste de defender Lula

Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e um dos principais advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Sepúlveda Pertence enviou uma carta ao petista, na sexta-feira passada, em que comunicou sua intenção de deixar a banca de defesa “com pesar”. Segundo dirigentes do PT, Pertence deixou claro que as divergências com outros advogados da causa motivaram a decisão. O manuscrito foi levado a Lula, preso em Curitiba desde 7 de abril, pelo filho de Pertence, Evandro.
Na quarta-feira, o advogado Sigmaringa Seixas se encontrou com Lula em Curitiba para falar que Pertence queria deixar a sua defesa. O ex-presidente foi reticente e disse que não aceitaria que o ex-ministro, seu amigo há 40 anos, saísse da causa.
Na sexta-feira, ao receber a carta de Evandro, Lula repetiu que era contra a renúncia de Pertence e não quis ler o documento, que ficou com ele. O petista e seu advogado devem conversar pessoalmente nos próximos dias para definirem se o medalhão permanecerá ou não na banc…

Com o bolso cheio e a moral esfacelada, Sepúlveda deixa a defesa de Lula

Lula não aceita e chamou Sepúlveda para conversar em Curitiba.
É oficial. O ex-ministro Sepúlveda Pertence não faz mais parte da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em carta, ele anunciou ‘com pesar’ sua intenção de deixar a banca de defesa. A missiva de Sepúlveda foi entregue ao presidiário por seu filho Evandro Pertence. O ex-ministro encerra assim um dos episódios mais tristes e vergonhosos de sua carreira. Sepúlveda enumera diversos episódios que teriam sido preponderantes para a sua decisão, mas o fato marcante foi sem dúvida a verdadeira humilhação a que foi submetido pelo advogado Cristiano Zanin. Segundo o jornal O Globo, Lula disse que não aceita a renúncia. Sepúlveda terá que comparecer a Curitiba para conversar com o petista. O encontro dever ocorrer no decorrer desta semana. Jornal da Cidade