Pular para o conteúdo principal

Quer dizer que se alguém for bandido e me der uma oferta , sem eu saber a origem, sou bandido? Questiona Malafaia.


fonte: Lula Marques/Agência PT
Malafaia teria supostamente participado do crime de lavagem de dinheiro por ter recebido valores do escritório de advocacia responsável pelo esquema
Alvo de mandado de condução coercitiva no âmbito da Operação Timóteo, deflagrada nesta sexta-feira (16), o pastor Silas Malafaia reagiu em uma rede social sobre o caso.

Malafaia teria supostamente participado do crime de lavagem de dinheiro por ter recebido valores do escritório de advocacia responsável pelo esquema. Ele é suspeito de emprestar contas correntes da igreja sob sua influência na intenção de ocultar origem ilícita dos valores.
Ele negou irregularidade e afirmou que a doação de R$ 100 mil de um membro da igreja, pastor Michael Abud, foi depositado em conta. Mas, segundo ele, não sabe o que este pastor faz.
“Cheque foi depositado em conta. Por causa disso sou ladrão? Sou corrupto? Recebo ofertas de inúmeras pessoas e declaro no imposto de renda tudo o que recebo. Quer dizer que se alguém for bandido e me der uma oferta, sem eu saber a origem, sou bandido?”, questionou.
Confira a sequência de tweets com a explicação de Silas Malafaia sobre o caso:




A operação
A Polícia Federal cumpre, na manhã desta sexta-feira (16), mandados de prisão e de busca e apreensão em 11 Estados e no Distrito Federal. A ação investiga esquema de corrupção de cobrança de judiciais de royalties da exploração mineral.
Foram expedidos 29 mandados de condução coercitiva, quatro de prisão preventiva e 12 de prisão temporária. Também foi determinado o bloqueio de valores depositados, que podem chegar a R$ 70 milhões.
As ações da Polícia Federal ocorrem em 52 endereços relacionados com um grupo investigado por organização criminosa que teria articulado esquema para lucrar com as cobranças.
O diretor do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), Marco Antonio Valadares Moreira, e a mulher dele foram presos pela PF. 
A Justiça determinou que os municípios suspendessem os repasses e o pagamento para empresas de advocacia e consultoria envolvidas na investigação.
A investigação busca ainda descobrir sobre o esquema em que, supostamente, um diretor do Departamento Nacional de Produção Mineral oferecia informações privilegiadas sobre as dívidas de royalties. Dois escritórios de advocacia e uma empresa de consultoria seriam os beneficiários das informações.
As ações ocorrem em Goiás, Bahia, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe, Tocantins e DF.

Jovem Pam

Obs da Rô: Receber uma oferta de 100 mil  sem saber a procedência, a origem e dizer que não sabia. Me desculpem, mas  é querer fazer os outros de  idiota.


Comentários

Pb Fernando disse…
Receber dinheiro sem ao menos procurar saber o que o ofertante faz na vida, é no mínimo irresponsabilidade.
Sabrina Ribeiro disse…
Boa Noite! Seu post do Pastor Silas, é muito interessante e gostaria de dizer que sim é muito suspeita essa situação e eu creio que Deus é que sabe o que é verdade e Ele vai trazer à tona tudo o que está oculto. Fique com Deus e quero deixar aqui o endereço do meu blog para você dar uma olhada e deixar sugestões de temas para os próximos posts e se desejar me seguir, fique à vontade https://sabrinasrn.blogspot.com.br/ Fique na Paz de Cristo!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…