Subscribe:

29 de janeiro de 2017

A crueldade de pichadores desvaloriza imóveis de pessoas humildes


A crueldade de pichadores desvaloriza imóveis de pessoas humildes
Leiam matéria da Folha, e foquem nos grifos:
Margarete mandou pintar o muro de sua pensão, no Bexiga (centro de São Paulo). Dias depois, já estava pichado.
Um estúdio de cinema alugou o imóvel para rodar um filme e pintou de amarelo o paredão da casa, que tem quatro pavimentos e cerca de 40 metros de comprimento. Uma semana depois, já estava pichado novamente.
“Eu não vou pintar de novo. Não adianta. Vou gastar dinheiro com tinta pra quê?”, diz Margarete Kurebayashi, 66, resignada. Ela estima em R$ 10 mil uma pintura no paredão que, atualmente, tem pichação nos quatro níveis do imóvel. “Eu sei que fica feio, mas não tem o que fazer.”
Enquanto a gestão João Doria (PSDB) propõe o combate a pichadores em São Paulo, moradores da cidade contabilizam prejuízos, desvalorização de seus imóveis e desânimo motivados pela pichação.
Assim como Margarete, quem também desistiu de pintar a fachada de casa foi o técnico em eletrônica Fábio Chueiri, 66, na rua Cardeal Arcoverde, na zona oeste.
“Isso não tem jeito de evitar. Eles surgem de noite, quando você acorda já tem uma nova pichação”, conta.
Na outra esquina, nem mesmo a unidade do CVV (Centro de Valorização da Vida), que faz prevenção do suicídio voluntariamente, foi poupada.
Até o fim do ano passado, a unidade também tinha sua fachada pichada. Na virada do ano, foi pintada. “Nós prestamos ajuda a todos, inclusive a pichadores”, lamenta Antonio Batista, 63, coordenador da unidade Pinheiros. Sem financiamento externo, a pintura foi bancada pelos próprios voluntários.
Na mesma rua, Dênis Alves, 39, dono de um antiquário, disse ter uma arma para combater as constantes pichações ao comércio. Irá contratar um grafiteiro para pintar a porta de sua loja. Como pagamento, oferecerá ao artista um móvel do antiquário.
“A pichação é como se estivessem depredando meu imóvel, desvaloriza, afasta cliente, fica feio“, explica.
Diferentemente da gestão Doria, que tem apagado alguns grafites na capital paulista, como na avenida 23 de Maio, na zona sul, Dênis acredita que é necessário criar mais espaços para o grafite. Para ele, isso desestimula a ação de pichadores.
“O pichador sabe que o que ele faz não é bonito. É a velha história, o pichador não picha a casa dele.”
Fica claro, nesta matéria, que mais uma vez a ação da extrema-esquerda – que resolveu ficar do lado dos praticantes do crime de pichação, somente para desafiar o prefeito eleito em primeiro turno – se relaciona à crueldade com os mais humildes.
Dedicados unicamente a projetos de poder totalitários, perdem qualquer traço de compaixão, especialmente pelos mais desfavorecidos. Pessoas humildem que não querem ter seus imóveis desvalorizados são vítimas da falta de humanidade de quem apoia o vandalismo.
Pessoas que moram em condomínios de luxo dificilmente passariam pelo mesmo. Logo, mais um motivo para vermos que as vítimas disso tudo são os mais pobres.
Essa é a nova esquerda: cada vez mais dedicada a fazer os pobres sofrerem. O povo já deu a mensagem nas urnas em 2016. Basta expormos mais esses lances da crueldade dessa gente para expormos cada vez mais a extrema-esquerda como inimiga dos pobres e dos humildes. São monstros.

Ceticismo político
http://www.ceticismopolitico.com/a-crueldade-de-pichadores-desvaloriza-imoveis-de-pessoas-humildes/

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...