Pular para o conteúdo principal

Pichadores mimadinhos da esquerda caviar, vão conhecer uma coisa chamada lei.

blog

Na madrugada desta quarta (25), O jornalista Pedro Amaral de Souza, de 26 anos, foi detido por guardas civis metropolitanos na Praça da Sé e conduzido até a 8ª Delegacia de Polícia localizada no Brás, na região central, por pichar um monumento feito em bronze, com 3,5 metros de altura, que fica em frente à Catedral. Para tanto, o rapaz utilizou-se de cascas de ovos cheias de tinta, arremessando-as contra a estátua. Pedro Amaral, que estaria acompanhado de um outro jovem, é filho do embaixador José Estanislau do Amaral Souza Neto, diretor-geral do Instituto Rio Branco, em Brasília.

A reportagem de VEJA SÃO PAULO esteve esta manhã no local de residência do acusado, um condomínio de casas de luxo no Real Park. Segundo a portaria, não havia ninguém em casa. Em Brasília, por meio de sua secretária, o embaixador disse que não vai se pronunciar.

Feita em bronze e com 3,5 metros, a estátua pichada fica em frente à Catedral da Sé e representa a imagem do Apóstolo Paulo. Inaugurada em 2009, foi um presente da Igreja Católica em homenagem aos 2 000 anos de nascimento do santo. Criada pelo escultor paulista Murilo Sá Toledo, a estátua representa a figura do apóstolo perplexo perante a voz de Deus.

De acordo com a ocorrência, Pedro Amaral de Souza disse estar “protestando contra diversas ações políticas” e “realizando intervenção artística”, mas que protestava principalmente contra o prefeito João Doria


Já elogiei aqui a guerra do prefeito João Dória contra os pichadores que emporcalham a cidade como se tudo fosse “arte”. Esses marginais merecem tolerância zero, como foi com Rudolph Giuliani em Nova York. Esse caso acima demonstra como é preciso ser firme nessa batalha.

Do lado de lá, apoiando agora os pichadores (ficaram em silêncio quando o prefeito era de esquerda), estão esses moleques mimados, filhinhos de papai entediados, que resolvem brincar de revolucionário esquerdista para aturar suas vidas vazias. E o rapaz é jornalista! Isso explica muita coisa, não é mesmo?

Além do filho do embaixador, temos o ator Caio Blat, que resolveu endossar os atos criminosos dos vândalos também. “Gostei da intervenção. Podiam deixar por uns dias…”, disse o ator sobre a pichação ao Monumento às Bandeiras, cartão-postal de São Paulo. Intervenção é o cacete!, como diria o comunista Ancelmo Gois, se o alvo fosse de direita. Isso é crime, seu idiota! Ou será que você vai aplaudir uma “intervenção” no muro da sua casa, talvez com os dizeres “Viva Bolsonaro!”?

Eis o resumo da coisa: de um lado, temos a esquerda caviar defendendo a desordem, o desrespeito às leis, o crime, tudo em nome da “arte” e para atacar o prefeito “coxinha”; do outro temos um prefeito com a coragem de comprar a briga com essa turminha inútil para limpar a cidade e mostrar que há ordem, que existem leis que devem ser cumpridas, e que pichação não é arte nem aqui, nem na China!

Rodrigo Constantino

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…