Subscribe:

3 de fevereiro de 2017

AGORA É OFENSIVO CHAMAR GRÁVIDAS DE “MÃES”


blog
Por Thiago Kistenmacher, publicado pelo Instituto Liberal


Não sei aonde essa epidemia politicamente correta vai parar. Quem conserva o mínimo de sanidade fica revoltado quando se depara com o tipo de estupidez sobre a qual discutiremos a seguir. Mas vamos lá, novamente, analisar a paranoia publicada esta semana pelo Daily Mail em matéria intitulada Don’t call pregnant patients ‘mothers’: Doctors are banned from using the word over fears it will upset those who are transgender [Não chame as pacientes grávidas de “mães”: Médicos são proibidos de usar a palavra temendo que ela ofenderá os trangêneros]. É a liberdade sendo decapitada na guilhotina da linguagem politicamente correta.

Segundo o jornal britânico, os “médicos têm sido avisados para não chamar mulheres grávidas de gestantes porque isso pode ofender os transgêneros”. Ademais, de acordo com o mesmo jornal, agora as mulheres terão que ser chamadas somente de “pessoas grávidas” para que, conforme a matéria, possamos “celebrar a diversidade”. Será mesmo que querem celebrar a “diversidade” ou acabar com ela? Não acho que neutralizar tudo, transformar tudo em “gênero neutro” é celebrar a diversidade. Ao contrário, essa paranoia não passa de uma tentativa autoritária de uniformizar a humanidade e, por isso mesmo, subtrair toda sua complexidade natural. Querem na verdade neutralizar a diversidade de que tanto falam.

O jornal informa também que o desvairado alerta foi publicado num livreto chamado A Guide To Effective Communication: Inclusive Language In The Workplace [Um guia para uma comunicação eficaz: linguagem inclusiva no ambiente de trabalho]. Mais uma palavra mágica: “Inclusiva”. Em nome do “inclusivo” e da “diversidade” a humanidade caminha para a sua própria destruição como espécie. O mesmo “guia” aponta: “Podemos incluir homens trans que podem engravidar dizendo ‘pessoas grávidas’ em vez de ‘gestantes’”. O que diria Darwin desse salto “evolutivo”? Em que estágio da seleção natural estaria e espécie humana politicamente correta? Que mundo mesquinho, frágil, ressentido!

E sabe por que isso está acontecendo? Porque Hayden Cross, um britânico – ou britânicx? – de vinte anos e que nasceu mulher, está se transformando num “homem” e quer engravidar. Isso fará com que ele seja o primeiro “homem” britânico a dar a luz. Que insanidade!

Além disso, como se abordasse uma novidade, o “guia” citado acima aponta que “A grande maioria das pessoas que tem engravidado ou dado á luz são identificadas como mulheres”. Queriam que fosse o que, dinossauros? É para rir ou para chorar? Mesmo que o transgênero diga que é homem, ele – ou ela – só engravida por ser biologicamente preparada para a gestação. Homens não nascem preparados para a gestação, simples assim. Ou alegar isso é transfobia?



Sorte nossa que nem todo mundo perdeu a sanidade – por enquanto. Laura Perrins, que faz campanha contra este tipo de demência disse o óbvio ululante: “Como todo médico sabe, somente mulheres podem ter filhos. Dizer o contrário é ofensivo e perigoso. Isso irá ofender todas as mulheres do país, e é um exemplo de uma maioria de mulheres sendo insultada por uma minoria minúscula de pessoas”. Ficou claro ou é preciso desenhar? Num mundo onde loucuras das mais variadas são levadas a sério, falar o óbvio é insanidade e, claro, preconceito. Possivelmente Laura Perrins está sendo acusada de “transfobia”. Provavelmente é disso que será acusado o conservador Philip Davies por afirmar que esta ideia é “completamente ridícula” e indagar: “Se você não pode chamar uma mulher grávida de gestante, então o que o mundo está se tornando?”

Como se todas essas alucinações não bastassem, o Daily Mail aponta que o referido “guia também diz aos médicos que eles não devem usar os termos ‘homem nascido’ ou ‘mulher nascida’ em relação aos trans, pois essas frases são ‘redutoras e simplificam demais um sujeito complexo’”. Também não devem usar “biologicamente masculino” ou “biologicamente feminino”, porque poderia ofender os ressentidos. Acrescido a isso também há o fato de que, se por um lado aqueles que nasceram homens, mas se transformaram em mulheres, deverão ser acomodados nas mesmas enfermarias das mulheres, por outro, as mulheres que se tornaram homens deverão ser acomodadas nas enfermarias dos homens.

Além do que, a matéria também trata de questões tais como a necessidade de banheiros sem gênero, toalhas para homens trans em banheiros masculinos, implicação com o sobrenome que poder ser considerado “patriarcal” por levar o nome do pai, etc. Mas uma das coisas mais estúpidas de tudo isso é começar, como está acontecendo nos Estados Unidos, a utilizar o termo “chestfeeding” no lugar de “breastfeeding” porque mulheres que se transformam em homens não têm mais seios a partir do momento em que mudam de sexo. As parteiras, como informa o Daily Mail, “estão também sendo orientadas a usar termos como ‘buraco da frente’ em vez de ‘vagina’ e ‘janela de nascimento’ no lugar de ‘cesariana’”, pois os transgêneros podem se ofender. Essa gente realmente não sé dá conta do ridículo, do relativismo, do autoritarismo que defendem! Estão tentando controlar o mundo, confundir tudo. Como disse o bispo católico de Portsmouth: “Isto é Orwelliano, não é? Outro exemplo de pessoas tentando controlar nossos pensamentos e a forma de falarmos”. É bem por aí…

O politicamente correto está gerando uma prole mimada, ressentida, frágil e psicologicamente perturbada. É uma doença gravíssima que altera e confunde a existência. Pior ainda, o politicamente correto destrói os nervos, faz com que as pessoas que ainda conservam qualquer sanidade adoeçam.

Nesses momentos a gente lamenta a inexistência de um botão para “resetar” a humanidade. O vírus politicamente correto parece ter contaminado todo o nosso software de modo irrecuperável. Em Gênesis 6:6 encontramos o versículo: “Então arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem sobre a terra e pesou-lhe em seu coração”. Hoje Ele deve estar arrependido por ter avisado Noé. Por isso talvez num próximo Dilúvio Ele não mande ninguém construir arca nenhuma… Em outras palavras, quem sabe da próxima vez que Deus tentar corrigir a estupidez humana pense que a melhor solução seja pressionar “delete”.

Blog Rodrigo Constantino

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...