Pular para o conteúdo principal

Beija-mão' a bispo evangélico já incluiu Temer, Doria, Alckmin e Cunha



O governador Geraldo Alckimin (PSDB), o prefeito João Doria (PSDB), o ministro Gilberto Kassab (PSD), os presidentes da Assembleia Paulista, Cauê
Macris (PSDB) e da Câmara Municipal paulistana, Milton Leite (DEM). Nenhum faltou.

Alexandre de Moraes não foi. Mandou desculpas pelo WhatsApp: na data o último dia 22, tomavam posse no Supremo Tribunal Federal. Ou iria. Ganhou oração coletiva com votos dee " abençoado!".

O podr do bispo Samuel Ferreira pode sr medido pela lista de RSVP para a convenção nacional da Assembleia de Deus Madureira , num prédio em Saõ Paulo  vizinho ao Templo de Salomão da Igreja Universal.

Assembleianos compõem a maior denominação evangélica do Brasil. Samuel preside uma das múltiplas ramificações da igreja-  a com maior capital político.

sta o Presidente Michel Temer perdeu, mas é velho conhecido das reuniões da madureira.


m 2014, quando era vice-presidente  concorria para ser reeleito na chapa de Dilma Rousseff(PT), o peemedebista publicou uma foto no facebook: ele no aniversário de 46 anos do "amigo'Samuel, que está de gravata e lenço de bolso laranjas, terno azul-marinho quadriculado
e colete com estampa colorida- uma excessão  entre as vestes monocromáticas ao redor.

Temer foi levado a Assembleia pelo ntão aliado Eduardo Cunha, do mesmo PMDB. O deputado evangélico teria  dois anos agitados pela frente; sra eleito presidnte da Câmara, cassado pelos pares, preso e condenado a 15 anos de prisão na Lava jato.

Na ocasião era apenas " nosso grande representante", o "homem de fé" que lhe dava um "auxilio extraordinário", bradou o vice- que ainda diria ter "muito gosto" por star ao lado da então parceira Dilma, mulher " vocacinada para a espiritualidade".

Temer definiu Cunha e o pai de Samuel como os "generais eleitorais"  de sua terceira eleição para presidente da Câmara, em 2009. Na época, os três eram colegas: Cunha e o bispo Manoel Ferreira, então deputados pelo PR.

A proximidade com o parlamentar cassado colocou o filho de Manoel Ferreira no radar da Lava jato. Samuel e sua igreja aparecem num processo que tramita no Supremo.

Segundo denúncia da Procuradoria-Geral da República com ajuda dos lobistas e futuro delatores Júlio Camargo e Fernando Soares (vulgo Fenando Baiano), Cunha transferiu R$250 mil para uma conta bancária da Assembleia d Deus. O dinheiro faria parte de propina dee US$ 5 milhões que o deputado supostamente  recebeu.




"Houve má vontade com a igreja" diz a Folha Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, advogado de Samuel. " Como pode entre milhares de doações, um pastor de uma igreja tão capitalizada identificar quem fez uma delas?

Se o mesmo cidadão desse o dízimo à Igreja católica , [ a PGR] estaria processando o papa?

Sobre a extensão da Madureira não há duvidas. Sob sua aba, há centenas d igrejas de cerca de 70 mil pastores para atender um país 30% evangélico. Mais dados sobre o avanço da religião no Brasil ficaram  a cargo do presidente do IBGE, Paulo Rabello de Castro, levando à convenção pelo líder do partido Social cristão, Pastor Everaldo.


Manda um WatsApp

Na abertura do evento, Samuel contou que fala " diretamente no telfone" de Alexandre de Moraes, " smpre uma pessoa muito respeitadora dos evangélicos."
Pastores vindo de 220 caravanas d tood o país  oraram para que Deus abençoasse o novo ministro do STF.

Outro contato em sua agenda telefônica> João Doria. Ess ganhou bênção ao vivo, quando vários pastores pousaram as maços em sua cabeça, ele de joelhos no palco. " O prefeito tem sido alguém com quem a gente pode contar", disse samuel, que m sguida xaltou a luta do tucano contra " os pixadores" de São Paulo. Doria retribuiu o afago: Entre amigos nós dizemos: a química existe.

" Quando Doria manda um Watsapp saio mostrando pra todo mundo, óbvio.  Faturar um pouquinho não faz mal a ninguém'. brincou o bispo, que pediu aplausos de pé para o prefeito.

" igreja só se lvanta para quem stá em patamar altíssimo. Aqueles qu querem saudar [o prefeito] digam amém bem forte"" E foi feita a sua vontade.





Alckimin foi à convenção na manhã seguinte e lá declarou: " Feliz a cidade, o Estado, a nação cujo Deus é o Senhor". Dias depois, convidou o deputado estadual Cezinha da Madureira (DEM) soldado da igreja até na assinatura política, para sr vice-líder do governo na Assembléia legislativa.

Em su gabinete, pastor Cezinha diz que é normal o intersse de grandes dirigentes por sua casa dee fé. " Está na Constituição: o poder emana do povo."

E o povo brasileiro , afinal, é cada vez mais evangélico. Uma vez qu toda autoridade é constituída por Deus". toda coloração política é bem-vinda, afirma.

Isso explica porque a mesma igreja que apoiou Dilma em 2014 abre a porta para vários de sus rivais- como José Serra, que m sua primeira semana como ministro das Relações  exteriores concedeu passaporte diplomático ao bispo Samuel e sua esposa.

Na campanha presidencial, a petista visitou um congresso da Madureira e foi fustigada pelo pastor Silas Malafaia, de uma Assembleia dissidente : " Dilma dá uma crente, QUE VRGONHA!!! Só não disse que cr^no comunista Fidel Castro".

Na igreja, ela exaltou o trabalho social da Madureira e pediu: Não se esqueçam de orar por mim. Eu estarei contando muito  com isso".  Samuel agradeceu: " Me senti gente hoje.Me senti reconhecido como ser humano".


Fonte Uol Noticias
http://www1.folha.uol.com.br/poder/2017/04/1871797-beija-mao-a-bispo-evangelico-ja-incluiu-temer-doria-alckmin-e-cunha.shtml

Comentários

Pb Fernando disse…
Tenho nojo 😝 de ver toda essa cambada usando a fé Cristã para ludibriar os trouxas, e ao mesmo tempo se projetar na politicagem nacional.

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Descontrolada, Gleisi diz que o juiz Sérgio Moro é 'safado e sem-vergonha'; assista

A senadora Gleisi Hoffmann subiu à tribuna do Senado para defender a tentativa de tirar o ex-presidente Lula da cadeia com um habeas corpus ilegal concedido por um desembargador militante no plantão, contrariando o próprio Tribunal, as cortes superiores, e o CNJ. Descontrolada, Gleisi concentrou seus ataques no juiz Sérgio Moro, que ela chamou de "safado e sem-vergonha". Gleisi ainda garantiu que "O Brasil vai pagar muito caro, a democracia brasileira vai pagar muito caro. E eu tenho certeza de que vamos criar situações muito graves no Brasil ainda de instabilidade, a que nós não vamos conseguir dar direção e saída".



Assista: 

Leia também: