Pular para o conteúdo principal

Decreto de Temer reforça debate sobre ideologia de gênero nas escolas públicas O Decreto de Michel Temer vai na contra-mão de inúmeras decisões já tomadas sob votação em diversos municípios brasileiros, nos quais os cidadãos exigiram que esta proposta fosse retirada do Plano Municipal de Educação de suas respectivas cidades.

Da Redação – Dermival Pereira



Decreto de Temer abre brecha para possível inclusão do debate sobre ideologia de gênero nas escolas públicas

O tema ideologia de gênero nas escolas públicas voltou a gerar polêmica em todo o País, desde a semana passada, é que mesmo o assunto não tendo passado no Congresso, após forte pressão popular e de seguimentos religioso, o presidente da República, Michel Temer (PMDB), por meio do Decreto Nº 9.005/2017, Art. 25, abre novamente um forte precedente para que o assunto seja discutido em sala de aula na Rede de Ensino Público. No documento assinado pelo presidente da República e publicado na última terça-feira, 14, e que trata do tema, fica aprovado a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções de Confiança do Ministério da Educação.
Segundo a psicóloga Marisa Lobo, o Decreto não “institui” a Ideologia de Gênero, mas, dá força as secretárias dentro do MEC para discutir tal assunto”. 



Marisa Lobo. (Imagem: TV Folha)

É aquela história do não pode falar disso… Aí você dá uma volta desvia o assunto e o introduz com outra cara, ou seja, é a maneira mais vil de querer IMPOR a todo custo essa sordidez de Ideologia de Gênero. Que é a *Diversidade de Generos(art.25)“, Marisa Lobo.
O assunto vem causando indignação de pais, professores, especialistas, e políticos ligados aos seguimentos religiosos que tinham o assunto como matéria vencida, já que em todas as tentativas o tema não passou pelo Congresso.
Chama a atenção, o segundo parágrafo do Artigo 25 (Seção II), do Decreto. Nele, é atribuído à Diretoria de Políticas de Educação em Direitos Humanos e Cidadania, “desenvolver programas e ações transversais de educação em direitos humanos e cidadania nos sistemas de ensino que visem ao respeito à diversidade de gênero e orientação sexual, ao enfrentamento da violência, ao desenvolvimento sustentável, à superação das situações de vulnerabilidade social e ao combate a todas as formas de discriminação na escola”.
O Decreto de Michel Temer vai na contra-mão de inúmeras decisões já tomadas sob votação em diversos municípios brasileiros, nos quais os cidadãos exigiram que esta proposta fosse retirada do Plano Municipal de Educação de suas respectivas cidades.
Outras polêmicas
Essa não é a primeira vez que conteúdos, livros e temas sugeridos pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC), são reprovados pela maioria dos brasileiros. Outro material distribuído pelo MEC, a alunos de Escolas Pública de várias partes do país, vem gerando polêmica e divide opiniões de pais, políticos e seguimentos. Trata-se do livro “A Máquina de Brincar” de Paulo Bentancur. O livro, segundo críticos, faz apologia ao satanismo.
Ainda no Governo passado, outro material distribuído em escolas públicas, conhecido como o kit gay, gerou polêmica em todo o País, com opiniões pros e contras. Vários seguimentos protestaram contra a distribuição do material que acabou sendo extinto das salas de aulas.
LEIA O DECRETO


http://www.jmnoticia.com.br/2017/03/20/decreto-de-temer-reforca-debate-sobre-ideologia-de-genero-nas-escolas-publicas/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Descontrolada, Gleisi diz que o juiz Sérgio Moro é 'safado e sem-vergonha'; assista

A senadora Gleisi Hoffmann subiu à tribuna do Senado para defender a tentativa de tirar o ex-presidente Lula da cadeia com um habeas corpus ilegal concedido por um desembargador militante no plantão, contrariando o próprio Tribunal, as cortes superiores, e o CNJ. Descontrolada, Gleisi concentrou seus ataques no juiz Sérgio Moro, que ela chamou de "safado e sem-vergonha". Gleisi ainda garantiu que "O Brasil vai pagar muito caro, a democracia brasileira vai pagar muito caro. E eu tenho certeza de que vamos criar situações muito graves no Brasil ainda de instabilidade, a que nós não vamos conseguir dar direção e saída".



Assista: 

Leia também: