Pular para o conteúdo principal

Papa recebe líderes muçulmanos para promoção do “islã moderado” Cardeal que mediou encontro afirma que "todas as pessoas que tem fé têm muito a oferecer"




Os encontros entre o papa Francisco e líderes de outras religiões parecem algo cada vez mais frequente. Ao longo dos seus quatro anos de Pontificado, essa aproximação é um dos principais pontos ressaltados pelo Papa em diversos de seus discursos.
Nesta quarta-feira (5) ele recebeu no Vaticano quatro imãs britânicos, informou o arcebispo de Westminster, cardeal Vincent Nichols. O encontro ocorre menos de um mês após o atentado terrorista na ponte de Westminster e contra o Parlamento britânico, que deixou quatro mortos e 50 feridos.
O cardeal Nichols afirmou que intermediou a visita dos imãs ingleses. “Levarei quatro líderes muçulmanos da Inglaterra para ver o papa Francisco e dizer a ele que os líderes religiosos querem e estão empenhados em construir uma relação”.

Ele minimizou o fato do terrorista da ponte de Westminster ter motivações religiosas.
“O autor era um homem nascido na Inglaterra, que cresceu na Inglaterra. Ele ficou, é verdade, um breve período na Arábia e tornou-se muçulmano. Mas, é preciso dizer que era um homem com uma ampla história de violência. Foi cinco ou seis vezes para a prisão e quem o conheceu fala de um homem muito irritado. Esse incidente deve ser visto e interpretado por sua realidade”.
Para ele, o diálogo inter-religioso precisa avançar como forma de combater-se o terrorismo. “Acredito que todas as pessoas que tem fé têm muito a oferecer. E desse ponto de vista é um dever para os líderes religiosos conversarem, encontrarem-se, explorar juntos soluções em comum para enfrentar essa questão de que a crença religiosa quer o extremismo e a violência”.
Por sua vez, o líder do Fórum Muçulmano Britânico, Muhammad Shahid Raza, asseverou que a mensagem de apoio do papa logo após o atentado em Londres “fortaleceu nossa posição, pois todos condenamos as atividades terroristas.”
Segundo o jornal Daily Mail, o encontro de Francisco com os imãs é parte de um processo de promoção do “Islã moderado” nas vésperas da visita papal ao Egito. O pontífice irá este mês à Universidade Al Azhar no Cairo, um dos principais centros teológicos do ramo sunita.
Em outras ocasiões, Francisco disse que cristãos e muçulmanos são irmãos e que deveriam “permanecer unidos para que acabe toda ação que, venha de onde vier, desfigura o rosto de Deus e, no fundo, tem como objetivo a defesa com veemência de interesses particulares em prejuízo do bem comum”.
Gospel Prime

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Descontrolada, Gleisi diz que o juiz Sérgio Moro é 'safado e sem-vergonha'; assista

A senadora Gleisi Hoffmann subiu à tribuna do Senado para defender a tentativa de tirar o ex-presidente Lula da cadeia com um habeas corpus ilegal concedido por um desembargador militante no plantão, contrariando o próprio Tribunal, as cortes superiores, e o CNJ. Descontrolada, Gleisi concentrou seus ataques no juiz Sérgio Moro, que ela chamou de "safado e sem-vergonha". Gleisi ainda garantiu que "O Brasil vai pagar muito caro, a democracia brasileira vai pagar muito caro. E eu tenho certeza de que vamos criar situações muito graves no Brasil ainda de instabilidade, a que nós não vamos conseguir dar direção e saída".



Assista: 

Leia também: