Subscribe:

17 de abril de 2017

Temer reafirma: com denúncia ministros serão afastados




Ele diz que não tratou de propina de US$ 40 milhões

‘Só queria me cumprimentar, não falamos de valores’
Renan: ‘Teve momento de Felipão: lembra o 7 a 1’
Presidente reunirá órgãos para discutir leniência
O presidente Michel Temer durante entrevista à Band na noite deste sábado (15.abr)Reprodução


O presidente Michel Temer (PMDB) voltou a afirmar que afastará os ministros denunciados na Lava Jato. A regra estabelecida pelo próprio peemedebista foi ressaltada mais uma vez em entrevista na noite deste sábado à TV Bandeirantes (15.abr.2017)






Na hipótese de o Supremo Tribunal Federal aceitar a denúncia, eles serão demitidos, reafirmou o presidente. Em tom técnico, explicou: “Quando a denuncia é aceita, os supostos de que existem coisas gravíssimas já estão posicionados.”
O relator da operação no STF (Supremo Tribunal Federal), Edson Fachin, ordenou abertura de inquérito contra 8 titulares da Esplanada. A lista de investigados tornou-se pública na última 3ª feira (11.abr).
Após executadas as diligências, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, decidirá se denuncia ou não os ministros investigados. Essa decisão deve ser tomada antes do término de seu mandato à frente do Ministério Público, em setembro.
Mais no Poder360:
Encontro de US$ 40 milhões
O peemedebista negou, novamente, acusações de que teria tratado de propina de US$ 40 milhões relativa a 1 contrato da Odebrecht com a Petrobras. Ele disse que, quando presidente do PMDB, era comum receber empresários dispostos a fazer doações contabilizadas ao partido.
“Ele ia me cumprimentar. Eu não sabia de valores. Não se falou de valores, contratos.”
Temer disse que foi avisado por Eduardo Cunha sobre o interesse do empreiteiro em fazer doações ao partido. “Cheguei e estavam reunidos. [O executivo da Odebrecht] fez elogios, não sei se são verdadeiros ou falsos: ‘Aprecio muito seu trabalho, o senhor faz muito pelo país…”‘
A reunião teria ocorrido em 15 de julho de 2010, quando o peemedebista era candidato a vice-presidente na chapa encabeçada por Dilma Rousseff.
A acusação foi feita por Márcio Faria. Ele é 1 dos ex-dirigentes da empresa que fecharam acordo de delação premiada na Operação Lava Jato. Leia a íntegra do relato do ex-executivo.

RENAN TEVE MOMENTOS DE FELIPÃO: “LEMBRA O 7 A 1”

Temer respondeu às críticas do líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL). “Ele sempre foi um pouco assim. De idas e vindas”
O alagoano comparou recentemente o governo de Temer com a seleção brasileira, quando comandada pelo técnico Dunga. Calheiros afirmou que o país precisava da “seleção de Tite”.
O presidente ironizou. “Ele quis ter os seus momentos de ‘Felipão’. Isso lembra o 7 a 1 da Alemanha.”

ACORDOS DE LENIÊNCIA

O presidente disse que fará reuniões com a CGU, TCU e Ministério Público para dar segurança aos acordos de leniência (espécie de delação premiada para empresas). “Se for necessária uma nova legislação, eu edito”, afirmou.

IMPOSTO SINDICAL

O peemedebista deixou a cargo de deputados e senadores a discussão sobre a extinção do imposto. Sinalizou que não trabalhará para evitar o fim da cobrança.
“Há uma tendência fortíssima para acabar com a contribuição sindical (…) Pelo o que eu estou percebendo lá no Congresso eu acho inevitável [acabar com o imposto]”, disse. O presidente, entretanto, ponderou. Não descartou estudar novas fórmulas de financiar o movimento sindical.
“Eu tenho conversado com sindicalistas e tenho dito que se realmente for eliminada a contribuição sindical depois nós verificamos uma fórmula, mais pra frente, pela qual nos possamos estudar um espécie de suporte financeiro para os sindicatos (…)
O relator da reforma trabalhista, Rogério Marinho (PSDB-RN), incluiu em seu parecer o fim da cobrança compulsória dos trabalhadores não sindicalizados. O relatório deverá ser votado por deputados na comissão especial nesta semana.
Assista abaixo ou leia aqui a íntegra da entrevista.



0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...