Pular para o conteúdo principal

Lula pede exoneração de procuradores da Lava jato



SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu nesta terça-feira (20) a exoneração dos procuradores da Lava Jato que o acusam de receber propina da empreiteira OAS por meio da posse de um apartamento tríplex em Guarujá (SP).
A defesa do ex-presidente apresentou nesta terça as alegações finais na ação penal, que já está pronta para julgamento do juiz Sergio Moro. Nela, os advogados buscam comprovar com documentos que Lula nunca foi proprietário do imóvel.
Em entrevista de cerca de dez minutos à rádio "Tupi AM", do Rio, durante o programa do radialista Antônio Carlos, ele disse que a acusação é uma "piada" e que agora os procuradores não sabem sair da "grande mentira" que contaram.
Lula disse não acreditar que possa ser preso em razão da ação penal e que espera que o magistrado possa "definitivamente anunciar ao Brasil" a sua inocência no processo. "Eu já provei minha inocência. Agora quero que eles provem a minha culpa", disse.
Perguntado pelo radialista se acredita que possa ser preso, Lula se defendeu e afirmou que não, porque "no Brasil e em outros países é preciso ter cometido um crime, um delito, alguma coisa errada" para que isso aconteça.
"No meu caso, os procuradores da Lava Jato que estão fazendo essa denúncia contra mim deveriam no fundo, no fundo, ser exonerados a bem do serviço público, porque eles inventaram uma grande mentira, junto com os meios de comunicação, sobretudo com a Globo, e agora eles não sabem como sair da mentira que contaram", afirmou.
"Se você pegar a peça de acusação que eles entregaram ao juiz Moro na semana passada, você vai perceber que é uma piada, não é uma acusação. Hoje nós estamos entrando com a nossa defesa. Espero o que o juiz Moro leia nos autos do processo para que possa definitivamente anunciar ao Brasil a minha inocência", disse Lula.
O ex-presidente negou a todo momento se anunciar como candidato à Presidência da República em 2018 e até disse que o Ministério Público está tentando abrir um processo contra ele por antecipação de campanha, mas sempre que perguntado pelo radialista, demonstrou disponibilidade em concorrer as eleições.
"Se for necessário, serei candidato e estarei à disposição do povo brasileiro para provar que é possível fazer o povo voltar a ser alegre. Se for necessário, e eu voltar, nós vamos consertar esse país. Dá para consertar esse país, nós já provamos isso uma vez. É só acreditar no povo", afirmou Lula.
O petista criticou o governo do presidente Michel Temer e o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, chamando-o de golpe. "Fizeram o golpe prometendo que melhorariam o Brasil. Essa promessa não aconteceu. O Brasil piorou. Retiraram uma presidenta democraticamente eleita. Agora é preciso eleger um novo presidente ou presidenta", disse o ex-presidente.
Lula afirmou ainda que as reformas trabalhista e da Previdência propostas pelo governo estão "demolindo" as conquistas de muito tempo dos trabalhadores. "Se quiserem resolver o problema da Previdência Social, tem que fazer a economia voltar a crescer", disse. "Essa reforma, se tiver que ser feita, tem que sentar com os trabalhadores, para ajustes de modernização", completou.
Fonte: Folhapress

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…