Pular para o conteúdo principal

Desemprego nos EUA cai em julho e fica no menor patamar desde 2001



Economia americana criou 209 mil empregos em julho, resultado acima do esperado pelo mercado


Dow Jones Newswires

04 Agosto 2017 | 10h08


A taxa de desemprego nos Estados Unidos caiu de 4,4% em junho para 4,3% em julho, atingindo o menor nível desde maio de 2001 e igualando o resultado registrado em maio, segundo dados do relatório payroll do Departamento do Trabalho do país. O resultado veio em linha com a expectativa dos analistas do mercado.

Donald Trump
Presidente dos EUA, Donald Trump comemorou resultado no Twitter Foto: AP Photo/Evan Vucci
Quanto à geração de vagas, a economia americana criou 209 mil postos de trabalho no mês passado, resultado que superou as projeções de economistas, que previam criação de 180 mil empregos. O ritmo de contratação desacelerou em julho ante junho, considerando-se ajustes sazonais, mas mesmo assim foi mais forte do que o esperado
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, usou o Twitter para celebrar o relatório. "Excelentes números de empregos divulgados agora - e eu apenas comecei. Muitas regulações que sufocam o emprego continuam a cair. O movimento está de volta aos EUA!", afirmou Trump. 
Juros. Com os dados positivos de emprego, aumentaram as chances de o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) voltar a elevar juros na reunião de dezembro, segundo refletem os contratos futuros do CME Group, uma das maiores bolsas de valores do mundo.
Em sua última reunião, no fim de julho, o BC americano decidiu manter a taxa básica de juros da economia do país na faixa entre 1,00% e 1,25% ao ano, por conta das incertezas quanto à recuperação do mercado de trabalho.
Agora, as apostas do CME de que o Fed aumentará juros em dezembro subiram para 50,4%, de 40,2% antes da divulgação dos dados. Para a reunião do Fed em novembro, as chances de alta de juros avançaram de 6,3% para 7,3%. Já para o encontro do Fed em setembro, as chances ficaram inalteradas, em 1,4%. 
Revisões. Os números dos dois meses anteriores sofreram revisões. O de junho foi revisado para cima, a 231 mil, e o de maio para baixo, a 145 mil, gerando um acréscimo líquido de 2 mil empregos.
O salário médio por hora dos trabalhadores do setor privado ficou em US$ 26,36 em julho, alta de US$ 0,09 (ou 0,34%) ante o mês anterior. A projeção do mercado era de ganho ligeiramente menor, de 0,3%. Na comparação anual, os salários cresceram 2,5% em julho.
A taxa de participação na força de trabalho avançou levemente para 62,9% em julho, de 62,8% no mês anterior, mas manteve-se próximo do menor nível desde a década de 1970./COM GABRIEL BUENO DA COSTA E SÉRGIO CALDAS, DO BROADCAST
Estadão
http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,desemprego-nos-eua-cai-em-julho-e-fica-no-menor-patamar-desde-2001,70001924052

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade 

Filho de Lula mergulha na depressão: "Meu mundo caiu"

O jovem Luís Claudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula, está vivendo em estado de profunda depressão. A informação extremamente abalizada e fidedigna é da respeitabilíssima coluna Radar, da Revista Veja. O quadro depressivo teria se agravado após a prisão do ex-presidente. Luleco, como é conhecido o rapaz, é réu na Operação Zelotes, juntamente com o pai. Os seus advogados já conseguiram adiar o seu interrogatório por quatro vezes. Fortes rumores indicam que Lula, de dentro da cadeia, tenta conseguir através do deputado petista e atual presidente do Corinthians, Andrés Sanches, um time na Europa para o garoto trabalhar. Há quem diga que o seu estado tem se agravado bastante em função do temor de ser preso. Lula quer afastá-lo do Brasil.

Jornal da Cidade