Pular para o conteúdo principal

Judeus marcham em Jerusalém e reivindicam construção do Terceiro Templo A manifestação que ocorre todos os anos em Jerusalém, reivindica o direito dos judeus orarem em locais considerados sagrados, como o Monte do Templo.

 GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO ISRAEL TODAY
ATUALIZADO: SEXTA-FEIRA, 4 AGOSTO DE 2017 AS 9:56
Judeus erguem bandeiras de Israel, durante manifestação anual, em Jerusalém. (Foto: The Times Of Israel)
Judeus erguem bandeiras de Israel, durante manifestação anual, em Jerusalém. (Foto: The Times Of Israel)
Milhares de israelenses se reuniram na Cidade Velha de Jerusalém na noite da última segunda-feira (31) - que marca o início do jejum judeu de Tisha B'Av, que lembra as destruições do Primeiro e Segundo Templos - marchando em volta dos muros de Jerusalém. Eles também manifestaram seu anseio pela construção do Terceiro Templo.
A manifestação ocorre todos os anos desde 1994, mas foi quase cancelada pela polícia neste ano, devido aos temores da violência árabe (palestina). Apesar das informações recebidas pela polícia de publicações de palestinos no Facebook para "Impedir que os colonos caminhem pelo Muro das Lamentações", o Comandante do Distrito da Polícia de Jerusalém, Yoram Halevi, decidiu não impedir que o evento tradicional ocorresse.
Os organizadores da tradicional marcha e o grupo de co-fundadores 'Women in Green' ('Mulheres de Verde'), Nadia Matar e Yehudit Katzover, aprovaram a decisão da Polícia.
"É corajoso, moral e é o óbvio a ser feito", disseram. "Isso mostra que a polícia não se submete ao terrorismo. Qualquer lugar ameaçado pelo terrorismo deve ser fortalecido e protegido pela polícia".
A noite começou com uma leitura conjunta de "Eicha" (Lamentações) no Parque da Independência, e continuou com os participantes marchando em torno dos muros da Cidade Velha até o Portão do Leão, onde os discursos foram proferidos pelo vice-ministro da Defesa, MK Eli Ben Dahan (Jewish Home), MK Yehuda Glick (Likud) e Yishai Fleisher, porta-voz internacional da comunidade judaica de Hebron.
MK Glick, um notável ativista do Monte do Templo, focou seu discurso sobre os recentes ataques terroristas que abalaram Israel.
"No ano passado, a polícia pagou um preço muito alto. Cinco policiais foram mortos aqui", disse ele. "Chegamos à raiz de tudo, o Monte do Templo".
Glick observou o aumento acentuado de visitantes judeus no Monte do Templo. Chamando-o de um milagre, juntamente com a retomada dos assentamentos da Judeia e Samaria.
O vice-ministro da Defesa, Eli Ben Dahan, ecoou as observações de Glick, dizendo que "todos os que vieram hoje esta noite provaram com seus pés que querem o Templo de volta - e rapidamente".
Ben Dahan também convocou o governo a fazer a oração judaica possível no Monte do Templo.
"É inaceitável que todos possam orar aqui, exceto os judeus", disse ele.
Embora o Monte do Templo seja considerado o local mais sagrado do judaísmo, os judeus ainda não podem orar no local por causa de ameaças de violência muçulmana (palestinos e outros povos árabes).
Funcionários do governo que participaram da marcha notaram que o povo de Israel está buscando muito mais do que o direito de orar no topo de um Monte do Templo ocupado pelos muçulmanos. Eles querem a construção do Terceiro Templo.

https://guiame.com.br/gospel/israel/judeus-marcham-em-jerusalem-e-reivindicam-construcao-do-terceiro-templo.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade