Pular para o conteúdo principal

Brasileiros confiam mais nas redes sociais do que no Judiciário e na imprensa escrita



Imagem: Produção Ilustrativa / Política na Rede
As redes sociais estão em ascensão na confiança do brasileiro. De 2016 para 2017, elas cresceram 61% nesse item, em pesquisa realizada pela FGV-SP. As mídias saltaram do 10º lugar no ranking para o terceiro, com 37% de confiança, perdendo apenas para as Forças Armadas (56%) e para a Igreja Católica (53%). Em 2016, somente 23% das pessoas diziam confiar em sites como Facebook e Twitter.


Com exceção das redes sociais e da Polícia, que teve um aumento de confiança de 4%, todas as outras instituições analisadas registraram perda de credibilidade de 2016 para 2017. As maiores quedas foram para os Sindicatos (-29%), Ministério Público (-22%), Poder Judiciário (-17%), Grandes Empresas (-15%), Emissoras de TV (-9%), Igreja Católica (-7%), Forças Armadas (-5%) e Imprensa escrita (-5%). Os partidos políticos continuaram com índice de 7% na confiança do brasileiro, mas perderam o último lugar esse ano para o Governo Federal, que caiu de 11% em 2016 para 6% em 2017. O Supremo Tribunal Federal (STF) foi incluído em 2017 na avaliação, obtendo 24% no índice de confiança.



Para o estudo da FGV, retratar a confiança em uma instituição significa identificar se o cidadão acredita que essa instituição cumpre a sua função a contento. As quedas na confiança das principais instituições do país são atribuídas à insatisfação da população com a corrupção e à falta de respostas desses órgãos para suas demandas.

Fonte: ICJBrasil / FGV Direito SP. Infografia: Gazeta do Povo


Justiça em baixa

Além de cair no ranking, de 29% para 24%, entre 2016 e 2017, a pesquisa mostrou que o Poder Judiciário é considerado lento (81%), caro (81%) e difícil de utilizar (73%). Além disso, 78% dos entrevistados consideraram a Justiça nada ou pouco honesta, 73% nada ou pouco incompetente e 66% nada ou pouco independente em relação aos outros poderes do Estado.

Do total, 63% dos entrevistados disseram conhecer “um pouco” as leis brasileiras e 10% admitiram que não costumam seguir leis. Para 38% dos entrevistados, os deputados e senadores são os que mais desrespeitam as leis. Por outro lado, 75% acreditam que a lei deve ser respeitada, mesmo quando discordam dela.

Os dados para a pesquisa foram coletados entre maio e junho de 2017, nono ano de realização do ICJBrasil. Foram entrevistadas 1.650 pessoas do Distrito Federal e sete estados, Amazonas, Bahia, Minas Gerais, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Política na Rede

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Justiça condena Juca Kfouri a pagar R$ 30 mil a Bolsonaro

A 26ª Câmara Cível do Rio determinou que Juca Kfouri e a ESPN paguem indenização de R$ 30 mil, mais correção e juros, por dano moral a Jair Bolsonaro, informa a Veja.

O presidenciável, porém, terá de indenizar o jornalista em R$ 6.000.

O caso começou em 2016, quando Kfouri criticou o comportamento de dois torcedores do Fluminense, comparando-os a torturadores e dizendo que deviam ser apoiadores de Bolsonaro.



Em resposta, o deputado gravou um vídeo com a camisa do Fluminense em que dizia que o jornalista estava “merecendo levar uns tabefes pra aprender a ser homem”.

Em seguida, Bolsonaro entrou com a ação por dano moral, alegando que na vida militar jamais participou de tortura. Na defesa, Kfouri negou ofensa à honra do hoje presidenciável.

RedeTV retirou o púlpito vazio de Lula por exigência de Bolsonaro

O púlpito vazio de Lula foi retirado pela RedeTv, após protesto de Jair Bolsonaro, que ameaçou não participar do debate.

 A Emissora consultou os demais concorrentes que concordaram segundo Igor Gadelha, da Crusoé.

 Diante dessa situação constrangedora, Bolsoanro tem moral mesmo sem ser o presidente, mas pode ser ainda no primeiro turno.