Pular para o conteúdo principal

Faltou trabalho para 26,5 milhões de brasileiros em 2017, diz IBGE Número é a soma de desempregados e pessoas que gostariam de trabalhar

Carteira de trabalho: IBGE divulga dados sobre desemprego - Daniel Marenco



RIO - Faltou trabalho para cerca de, 26,5 milhões de brasileiros no ano passado, segundo dados divulgados nesta sexta-feira pelo IBGE. O número é a soma de desempregados, pessoas que gostariam de trabalhar mais e aqueles que até queriam uma vaga, mas não procuravam — que formam a chamada subutilização da força de trabalho. O dado faz parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua Trimestral, que detalha as informações sobre o mercado de trabalho Em janeiro, versão resumida do mesmo levantamento já havia mostrado que o Brasil fechou o ano passado com desemprego médio de 12,7%, recorde histórico.



No ano passado, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o saldo de vagas com carteira assinada ficou negativo em 20 mil.

O Rio de Janeiro tem a quarta maior taxa de desocupados entre os estados com 15,1% da população desempregada.

A maior taxa foi de Amapá com 18,8%, seguido de Pernambuco que ficou em 16,8%. E as menores eram de Santa Catarina com 6,3% e Mato Grosso do Sul e Mato Grosso ambos com 7,3%.

Apesar de ter a taxa mais baixa de desocupação ao longo da série da pesquisa, Santa Catarina apresentou o maior crescimento da taxa de variação entre 2014 e 2017 com 153,6%. Rio de Janeiro teve uma variação de 140,3% no período.

As regiões Norte, Nordeste e Sudeste tiveram uma redução de, em média, um ponto percentual em relação ao terceiro trimestre. O Nordeste ficou com a maior taxa de desocupação com 13,8%, seguido de Sudeste com 12,6% e Norte, 11,3%. As menores taxas ficaram no Sul, 7,7% e Centro-Oeste com 9,4%.



https://oglobo.globo.com/economia/faltou-trabalho-para-265-milhoes-de-brasileiros-em-2017-diz-ibge-22425287

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sumiço da Faca e o registro na Câmara: Adelio não agiu sozinho, alerta Alexandre Garcia (Veja o Vídeo)

Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados.

Após o golpe em Jair Bolsonaro, Adelio se livrou rapidamente da faca. Tudo indica que repassou para alguém, tanto é que a ‘arma branca’ foi encontrada numa barraca de ambulante, nas imediações. Alguém jogou esta faca onde foi achada. Parece óbvio. A questão do registro na Câmara também deve ser cuidadosamente examinada. Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados. O diretor do setor alega que um recepcionista registrou por engano a entrada de Adélio Bispo de Oliveira no local, no dia 6 de setembro, o dia do atentado contra Jair Bolsonaro. Ora, foram constatados os registros de duas entradas do criminoso. O tal servidor registrou por engano duas vezes? E o nome do servidor distraído agora é mantido sob sigilo? Parece óbvio que caso o atentado tivesse sido exitoso e no meio da multidão Adelio alcançasse a fuga, o álibi estaria pronto. Esse era o plano e isto parece bem claro. Veja o vídeo…

Alvaro Dias chama Bolsonaro de “vagabundo bandido” e “quase morto” e recebe resposta do senador Magno Malta

Sem saber que estava sendo gravado, Álvaro Dias aproveitou para destilar todo o seu veneno com comentários maldosos sobre Jair Bolsonaro. O candidato do Podemos afirmou que Bolsonaro é um “vagabundo bandido” e que ‘ta quase morto”. Ainda no mesmo trecho, Dias afirma que “se não fosse a facada eu estaria destruindo ele hoje.”
Alvaro Dias ataca Bolsonaro e recebe A RESPOSTA de Magno Malta

ADÉLIO NA TV- A defesa de Adélio Bispo de Oliveira, pede autorização a juíz, para que Adélio de entrevista a um programa de televisão

Por Claudio Dantas  ( O Antagonista) A defesa de Adélio Bispo de Oliveira, que tentou matar Jair Bolsonaro, pediu ao juiz Bruno Savino, da 3ª Vara da Justiça Federal de Juiz de Fora (MG), autorização para que o criminoso conceda entrevista a um programa de televisão.
O MPF se manifestou pelo encaminhamento do pedido à Direção da Penitenciária Federal de Campo Grande (MS), onde Adélio está custodiado. Savino concordou.