Pular para o conteúdo principal

Alunos do Direito-USP 'ficham' calouros por ideologia e religião



Integrantes do Centro Acadêmico 11 de Agosto, da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), no Largo de São Francisco, fizeram uma lista dos calouros da instituição, separando-os por seus interesses políticos, gostos musicais e até religião. O documento interno, uma planilha no Google, vazou e causou repúdio dentro da faculdade. Os dados, obtidos a partir das “curtidas” que cada estudante tem em seu Facebook, seriam usados para mapear novos alunos com interesses políticos semelhantes ao do grupo que hoje ocupa o Centro Acadêmico e, assim, trazê-los para a organização, ou para perseguir alunos com interesses diversos dos do grupo.


A lista, feita por integrantes do Coletivo Contraponto, com membros ligados à juventude do Partido dos Trabalhadores (PT), traz o nome do estudante, uma indicação sobre sua origem (de qual cidade veio e onde estudou), um “mapa de likes” (analisando quais páginas o estudante curte no Facebook para tentar identificar sua orientação política), um link para a página pessoal do calouro na rede social e também o “responsável” no centro acadêmico em fazer o contato com o calouro, para tentar atraí-lo para o grupo. Entre as características apontadas estavam “velhão”, “progressista”, “judeu”,”crente”, “bolsominion” (apoiador do candidato Jair Bolsonaro), “maconheiro, de esquerda”, “ideologia desconhecida, judia”, “liberal de merda” e até “não tem Facebook, maluca total”.

 Quando a lista vazou em um grupo dos estudantes, diversos alunos manifestaram repúdio nas redes sociais. O texto de um deles, Vitor Fuks, foi compartilhado até por um docente. “Rotular as pessoas sistematicamente de acordo com crença, gostos pessoais e amizades para futura captação política beira o fascismo.” Um professor de Direito da unidade, Ari Marcelo Solon, que compartilhou o texto, ironizou. “Judeu crente de esquerda que posta a favor do Lula apoia Fuks.” Críticas. “Há evidentemente uma manifestação de preconceito e de abuso de poder. Estão usando uma instituição que é pública, dos alunos, para atingir fins políticos particulares”, disse, em entrevista ao Estado, um ex-presidente do Centro Acadêmico do 11, o advogado Renato Stetner. 

Em um grupo fechado de alunos também houve dezenas de críticas.“Isso é sintomático de uma política distante da disputa de consciência e pautada na abordagem individual personalista. E isso nunca vai ser uma vergonha pra vocês, mas para o movimento estudantil de esquerda deste lugar que acaba tendo de se ver representado assim”, postou um deles. O presidente do XI, Luís Fernando Gonçalves, disse ao Estado que o coletivo pede desculpas pela forma como o documento foi exposto, mas defendeu o documento. “Como movimento estudantil, uma das tarefas centrais é de conseguir fazer com que outras pessoas entrem nessa engrenagem. 

Por meio desse mapa, buscamos identificar em qual espectro ideológico o aluno se identifica mais.” Ele reconheceu que parte dos membros do coletivo é ligada ao PT, mas disse que há diferentes correntes na gestão. Em nota oficial, o diretor da Faculdade de Direito, Floriano de Azevedo Marques Neto, disse que “rejeita veementemente qualquer tipo de preconceito, segregação, intolerância ou classificação desabonadora a membros da comunidade ou em detrimento de quem for”. 

Coletivo pede desculpas e admite 'postura inaceitável' Em nota divulgada publicamente, o Coletivo Contraponto pediu “as mais sinceras desculpas” a todos e todas que se sentiram ofendidos com as descrições colocadas na tabela. "Entendemos o constrangimento de ter uma descrição associada ao seu nome em uma tabela a que nem mesmo se tem acesso, bem como repudiamos a presença de termos ofensivos no nosso mapa, e por isso reiteramos, mais uma vez, nossas mais sinceras desculpas", diz o texto do grupo. O coletivo reconheceu que os comentários “despolitizados”, feitos por eles, “são de extrema gravidade por reforçar estereótipos e preconceitos, sendo uma postura inaceitável para um grupo político de esquerda".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Jair Bolsonaro revoga nomeações de Michel Temer

Bolsonaro revogou quatro nomeações do ex-presidente Michel Temer e nomeou seus novos diretores, que não precisarão de escrutínio dos senadores. Por meio de medida provisória publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro revogou a exigência de o Senado sabatinar os diretores do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), registra o “Estadão“. A revogação da sabatina dos diretores está no art. 85, II, c, que revoga o art. 88, parágrafo único, da Lei 10.233. “Os diretores deverão ser brasileiros, ter idoneidade moral e reputação ilibada, formação universitária, experiência profissional compatível com os objetivos, atribuições e competências do DNIT e elevado conceito no campo de suas especialidades, e serão indicados pelo ministro de estado dos Transportes e nomeados pelo presidente da República”, diz o texto. Há apenas cinco meses no cargo, o diretor-geral José da Silva Tiago foi substituído pelo general Antônio Leit…

Os depósitos fracionados na conta de Flávio Bolsonaro e a latente má fé do Jornal Nacional

Sobre o documento do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) apresentado nesta sexta-feira (18) pelo Jornal Nacional, da Rede Globo, com uma lista de 48 depósitos fracionados em R$ 2 mil cada na conta do senador eleito Flavio Bolsonaro (PSL/RJ), perfazendo um total de R$ 96 mil, muitos deles em horários sequenciais num mesmo dia, é importantíssimo fazer o seguinte destaque: O próprio documento do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) apresentado pelo Jornal Nacional revela que "todas as operações foram CONCENTRADAS NO AUTOATENDIMENTO" (confira na imagem abaixo) da agência do banco Itaú da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. Esse detalhe é importantíssimo!



 No Banco Itaú, os depósitos realizados no autoatendimento, nos caixas eletrônicos, são limitados a R$ 2 mil por envelope, com no máximo 50 notas cada um. Confira: https://www.itau.com.br/atendimento-empresas/ajuda/ (vá ao tópico "caixas eletrônicos Itaú")

Ou seja, …

Bolsonaro ganhará palco principal no Fórum Econômico Mundial na Suíça 

Bolsonaro será o primeiro presidente latino-americano a falar na sessão inaugural do Fórum Econômico Mundial, que começa na semana que vem na Suíça. O espaço privilegiado foi dado a Jair Bolsonaro pelos organizadores diante do interesse internacional que hoje existe tanto sobre o que ocorre no Brasil, mas também por conta da curiosidade sobre os rumos do novo governo brasileiro. O lugar de Bolsonaro no evento em Davos, na Suíça, estava sendo cuidadosamente negociado entre o Itamaraty e os organizadores do evento, desde sua vitória nas eleições presidenciais, em outubro, informa o “Estadão“. A fala do presidente brasileiro, que deve ter entre 30 minutos e 45 minutos, promete ser uma espécie de apresentação de Bolsonaro à elite das finanças internacionais e da imprensa global. A sessão de abertura é, na maioria das vezes, acompanhada com uma atenção especial, já que dá o tom do evento. Ela não é a primeira fala do Fórum que, de fato, já começa na noite de segunda-feira. Mas é o eve…