Pular para o conteúdo principal

Após se tornar réu no STF, Aécio diz que provará 'absoluta legalidade e correção' de seus atos Acusado de corrupção passiva e obstrução de Justiça, senador do PSDB disse que decisão 'já era esperada' e voltou a atacar o que chamou de 'enredo' para incriminá-lo.



Após se tornar réu no STF, Aécio diz que provará 'absoluta legalidade e correção' de seus atos Acusado de corrupção passiva e obstrução de Justiça, senador do PSDB disse que decisão 'já era esperada' e voltou a atacar o que chamou de 'enredo' para incriminá-lo. O senador Aécio Neves (PSDB-MG) durante sessão no Senado (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado) Após a Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) aceitar denúncia e o tornar réu por corrupção passiva e obstrução de Justiça, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) afirmou nesta terça-feira (17) diz que provara a "absoluta legalidade e correção" dos seus atos.

Por unanimidade, os cinco ministros da turma (Marco Aurélio Mello, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux, Rosa Weber e Alexandre de Moraes) admitiram a abertura de processo por corrupção e, por 4 votos a 1, por obstrução de Justiça – neste caso, o único voto contrário foi o de Alexandre de Moraes. Minutos após a conclusão do julgamento, Aécio chamou jornalistas para uma rápida declaração no Senado. O tucano disse que recebeu a aceitação da denúncia com "absoluta tranquilidade" e que a decisão "já era esperada". "Agora eu terei a oportunidade que eu não tive aqui, de provar de forma clara e definitiva a absoluta correção dos meus atos. [...] Vamos agora à fase mais relevante de todas: provar a mais absoluta legalidade e correção dos meus atos", disse o senador do PSDB.


 Aécio foi acusado em junho do ano passado, em denúncia da Procuradoria Geral da República, de pedir propina de R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, dono da J&F, em troca de favores políticos; e também de tentar atrapalhar o andamento da Operação Lava Jato. Uma conversa entre os dois foi gravada pelo empresário. Com a aceitação da denúncia, Aécio passa a responder ao processo penal na condição de réu e poderá contestar a acusação com novas provas. Só ao final da ação poderá ser considerado culpado ou inocente, em julgamento a ser realizado pela mesma turma do Supremo. Aécio voltou a sustentar que o pedido de dinheiro a Joesley era uma operação pessoal, na qual solicitou apoio para cobrir custos de sua defesa nas investigações. "Não houve dinheiro público envolvido, ninguém foi lesado nessa operação.

 O que houve foi uma gravíssima ilegalidade, no momento em que esses empresários, réus confessos de inúmeros crimes, associados a membros do Ministério Público, o que é mais grave, tentam dar impressão de alguma ilegalidade em toda essa operação, repito, privada, para se verem livres dos inúmeros crimes que cometeram", defendeu o tucano. Após a declaração no Senado, Aécio também divulgou uma nota à imprensa, na qual reforçou o teor da fala aos jornalistas (leia ao final da reportagem). Defesa comenta resultado Logo após o julgamento, o advogado de Aécio, Alberto Zacharias Toron, afirmou que não vê como um “revés” o fato de a Primeira Turma ter aceitado a denúncia contra o senador tucano. “Não vejo como um revés. Como nós dissemos e como disse o ministro Luiz Fux, com muita propriedade, neste momento, a decisão se faz pro societate. Então é um momento muito peculiar do processo penal. Na dúvida, não se decide a favor do réu, se decide a favor da sociedade. É isso que o Supremo Tribunal Federal, por sua Primeira Turma, entendeu. Portanto, vamos aguardar o desenvolvimento do processo”, afirmou Toron. 

O advogado de Aécio também explicou que a defesa aguardará a publicação do acórdão, a decisão da Primeira Turma, para analisar se apresentará embargos de declaração (recurso). “Por ora, é prematuro dizer [se apresentará recurso]”, afirmou. 


 Leia abaixo a nota do senador: 

Recebo com serenidade a decisão da 1ª Turma do STF, confiante de que, agora, haja espaço para a apresentação e avaliação das provas da defesa. Estou sendo acusado tendo como base uma ardilosa armação de criminosos confessos, aliados a membros do Ministério Público, que construíram um enredo para aparentar que cometi alguma ilegalidade. Não cometi crime algum. 

Minha prioridade será apresentar à Justiça todos os fatos que demonstram a absoluta correção dos meus atos e de meus familiares. Não tenho dúvida de que isso será demonstrado. A verdade há de prevalecer. Não posso deixar de alertar que as denúncias que hoje a mim fazem foram construídas sobre sucessivas ilegalidades. É preciso que a Justiça reconheça em definitivo que não se pode considerar válidas denúncias originadas de um flagrante armado com o intuito de gerar impressão de crime, já que não há qualquer prova de que crime houve. 

É preciso ainda esclarecer que a atividade parlamentar não pode ser criminalizada por aqueles que não concordam com opiniões e propostas apresentadas por deputados e senadores. E isso não em meu benefício, e sim em respeito à lei, à democracia. Não esmorecerei enquanto não provar minha inocência. Vou fazê-lo em respeito à minha vida pública, à minha família e aos milhares de brasileiros, e especialmente mineiros, que confiaram em mim durante 32 anos de mandatos consecutivos.” 

Aécio Neves Brasília, 17 de abril de 2018. 

G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Jair Bolsonaro revoga nomeações de Michel Temer

Bolsonaro revogou quatro nomeações do ex-presidente Michel Temer e nomeou seus novos diretores, que não precisarão de escrutínio dos senadores. Por meio de medida provisória publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro revogou a exigência de o Senado sabatinar os diretores do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), registra o “Estadão“. A revogação da sabatina dos diretores está no art. 85, II, c, que revoga o art. 88, parágrafo único, da Lei 10.233. “Os diretores deverão ser brasileiros, ter idoneidade moral e reputação ilibada, formação universitária, experiência profissional compatível com os objetivos, atribuições e competências do DNIT e elevado conceito no campo de suas especialidades, e serão indicados pelo ministro de estado dos Transportes e nomeados pelo presidente da República”, diz o texto. Há apenas cinco meses no cargo, o diretor-geral José da Silva Tiago foi substituído pelo general Antônio Leit…

Os depósitos fracionados na conta de Flávio Bolsonaro e a latente má fé do Jornal Nacional

Sobre o documento do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) apresentado nesta sexta-feira (18) pelo Jornal Nacional, da Rede Globo, com uma lista de 48 depósitos fracionados em R$ 2 mil cada na conta do senador eleito Flavio Bolsonaro (PSL/RJ), perfazendo um total de R$ 96 mil, muitos deles em horários sequenciais num mesmo dia, é importantíssimo fazer o seguinte destaque: O próprio documento do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) apresentado pelo Jornal Nacional revela que "todas as operações foram CONCENTRADAS NO AUTOATENDIMENTO" (confira na imagem abaixo) da agência do banco Itaú da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. Esse detalhe é importantíssimo!



 No Banco Itaú, os depósitos realizados no autoatendimento, nos caixas eletrônicos, são limitados a R$ 2 mil por envelope, com no máximo 50 notas cada um. Confira: https://www.itau.com.br/atendimento-empresas/ajuda/ (vá ao tópico "caixas eletrônicos Itaú")

Ou seja, …

Bolsonaro ganhará palco principal no Fórum Econômico Mundial na Suíça 

Bolsonaro será o primeiro presidente latino-americano a falar na sessão inaugural do Fórum Econômico Mundial, que começa na semana que vem na Suíça. O espaço privilegiado foi dado a Jair Bolsonaro pelos organizadores diante do interesse internacional que hoje existe tanto sobre o que ocorre no Brasil, mas também por conta da curiosidade sobre os rumos do novo governo brasileiro. O lugar de Bolsonaro no evento em Davos, na Suíça, estava sendo cuidadosamente negociado entre o Itamaraty e os organizadores do evento, desde sua vitória nas eleições presidenciais, em outubro, informa o “Estadão“. A fala do presidente brasileiro, que deve ter entre 30 minutos e 45 minutos, promete ser uma espécie de apresentação de Bolsonaro à elite das finanças internacionais e da imprensa global. A sessão de abertura é, na maioria das vezes, acompanhada com uma atenção especial, já que dá o tom do evento. Ela não é a primeira fala do Fórum que, de fato, já começa na noite de segunda-feira. Mas é o eve…