Pular para o conteúdo principal

"BBB 18": ONU nega contato da Globo sobre trazer família de Kaysar para o Brasil Apresentador mudou a declaração que deu na noite de quinta-feira e explicou que a Organização das Nações Unidas não vai tirar os parentes do brother da Síria


GAÚCHAZH




Tiago Leifert e Kaysar na final do "BBB 18"Globo / Reprodução


O sírio Kaysar Dadour, refugiado que não vê a família há sete anos, não venceu o BBB 18 Gleici foi a grande campeã do reality. Mas, no programa que foi ao ar na quinta-feira (19) na Globo, o apresentador Tiago Leifert deixou o público calmo ao afirmar que a Organização das Nações Unidas estaria disposta a ajudar a trazer a família do estrangeiro para o Brasil.


– Kaysar, você sabe melhor do que a gente que é muito difícil trazer a sua família. Mas a ONU está a fim de te ajudar. Queria dar essa notícia para quem está em casa e para você também. Depois do programa a gente vai conversar e acho que dentro de algumas semanas a gente consegue resolver a sua situação – explicou o apresentador.




Entretanto, nesta sexta-feira, o jornalista falou ao vivo no Vídeo Show sobre sua afirmação do dia anterior. Desta vez, o tom foi outro:


– A ONU não vai entrar lá (na Síria) falando "cadê a família do Kaysar?", não é isso. Não é uma equipe militar. Ela é uma organização humanitária que consegue responder as perguntas que ele tem – esclareceu.


GaúchaZH procurou o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados no Brasil (ACNUR), que não confirma qualquer contato da produção do programa para falar sobre a situação de Kaysar. Por meio de sua assessoria de imprensa, a entidade pontuou que o processo de reunião familiar é previsto na lei brasileira, mas não inclui o custeio financeiro para trazer os familiares dos refugiados ao país – o objetivo seria a extensão dos efeitos da condição de refugiado aos familiares que se encontram em território nacional.


Por meio de nota, a Globo se manifestou no início da noite desta sexta-feira (20). Leia abaixo:


"A Globo mantém estreita relação com a ONU e suas agências, em prol da discussão de questões de interesse público. Sobre esse assunto específico, houve uma aproximação para dar visibilidade ao tema dos refugiados de uma maneira geral e a Globo e a ACNUR (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados) estão trabalhando juntos numa campanha que irá ao ar em breve. Ao saber do Kaysar, participante do BBB 18, a ACNUR, que trabalha para proteger e promover soluções para refugiados em todo mundo, se colocou também à disposição para dar a ele todos os esclarecimentos necessários sobre suas necessidades, como faz com todas as pessoas na mesma situação".

Blasting News

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda. países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola Guiné equatorial Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R4 2 Bilhões na Ilha que ficou mais conmhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões.Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Bolsonaro volta a defender castração química para estupradores

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) voltou a defender a castração química para estupradores em debate da Band, na noite desta quinta-feira. Ele foi questionado pelo senador Alvaro Dias (Podemos) sobre o que deveria ser feito para combater o crescimento do número de estupros e a desigualdade de gênero no Brasil.
O Brasil registrou 60.018 estupros, 164 casos por dia, e 221.238 crimes enquadrados na Lei Maria da Penha (606 casos por dia) ao longo de 2017. O número de estupros representa um crescimento de 8,4% em relação a 2016, mas não é possível saber a variação relativa aos casos de violência doméstica, já que este é o primeiro ano que o Fórum Brasileiro de Segurança Pública captou dos Estados dados dessa natureza.
Especialistas do Fórum acreditam que ambos os registros estejam subdimensionados dada a dificuldade de registro na polícia desses crimes. Ainda assim, a quantidade é considerada alarmante e pede a implementação de políticas específicas.

IstoÉ

A carta de princípios de Bolsonaro

Jair Bolsonaro não vai apresentar ao TSE um programa de governo tradicional, mas uma carta de princípios.

Segundo a Folha, o candidato vai dar ênfase à Segurança Pública, propor o corte de mais de uma dezena de ministérios e detalhar um pouco mais o plano econômico de Paulo Guedes.

Haverá ainda uma parte dedicada ao combate à corrupção. “A ideia de Bolsonaro é se apresentar para o eleitor como o único candidato à Presidência que manterá o funcionamento da Operação Lava Jato”.
A equipe de Bolsonaro estuda ainda zerar impostos e complementar a renda dos mais pobres.
O Antagonista