Pular para o conteúdo principal

Brasil e outros 5 países suspendem participação na Unasul


A Unasul foi criada em 2008 por iniciativa de Lula, Chávez e Kirchner
Imagem: Reprodução / Redes Sociais




















O Brasil junto com Argentina, Paraguai, Colômbia, Chile e Peru anunciaram na
quinta-feira que irão suspender por tempo indefinido sua participação na
União das Nações Sul-Americanas (Unasul).


A decisão de suspender a participação na organização foi tomada em Lima, em uma
reunião à margem da Cúpula das Américas. De acordo com declarações nesta sexta-feira,
diplomatas se reuniram com a intenção de tentar encontrar uma solução para a paralisia
do bloco, mas sem sucesso.


O grupo de seis países —que reúne as nações mais ricas da região— tenta uma ação
mais radical para forçar uma ação da Unasul. Os seis cobram a indicação do embaixador
argentino José Octávio Bordón como novo secretário-geral.


Bordón foi indicado pela Argentina no início do ano passado e foi apoiado pelo Brasil e
pelos outros países do grupo. O governo brasileiro defendia que a presença do argentino
à frente do bloco diminuiria o viés político da Unasul, até então dominada pelos países
ditos bolivarianos. No entanto, não houve consenso para a nomeação de Bordón e, desde
então, o bloco está praticamente inativo.


A divisão entre os chamados bolivarianos e conservadores, que hoje domina a organização,
impede que sejam tomadas decisões por consenso, como exigido pelo estatuto do bloco.


Segundo uma fonte do Itamaraty, a nomeação de Bordón como secretário-geral está sendo
bloqueada pela Venezuela, embora isso nunca tenha sido colocado de forma aberta nem
tenha sido apresentada uma alternativa.


Ao mesmo tempo, disse a fonte, os países não conseguem consenso para suspender a
Venezuela como fizeram no Mercosul.


A decisão do Brasil e dos outros cinco países de suspender sua participação na Unasul
“é uma tentativa de se fazer alguma coisa, encontrar uma solução”, disse a fonte do Itamaraty.
“Ninguém quis ainda decidir sair da Unasul, mas se nada acontecer alguém vai
acabar saindo”, acrescentou.


Em carta enviada ao chanceler da Bolívia, Fernando Huanacuni —que ocupa a presidência
pro-tempore do bloco—, os ministros das Relações Exteriores dos seis países informaram
que deixariam de participar das atividades da Unasul a partir da última quarta-feira.


Na quinta-feira, o Itamaraty enviou um comunicado aos demais órgãos do governo brasileiro
avisando da decisão. De acordo com o texto, ao qual a Reuters teve acesso, os seis países
trataram, em sua carta a Huanacuni, de um “conjunto de problemas relacionados ao
funcionamento da organização” mas, principalmente da situação de “acefalia” do bloco.


Na prática, a Unasul está paralisada há um ano e meio.


“É preciso esclarecer que a nota que deixaram em nossa embaixada (da Bolívia no Equador)
à presidência pro-tempore da Bolívia, não mencionam a palavra ‘abandonam’, mas sim
que já não participarão das reuniões das instâncias (da Unasul), mas continuam, são
membros, somente que estão pedindo que se acelere a designação do secretário-geral”,
disse Huanacuni, em entrevista telefônica ao canal estatal.


“A presidência pro-tempore da Bolívia está convocando uma reunião extraordinária da Unasul
para que, no marco do diálogo de alto nível, se viabilize a designação do novo
secretário-geral e se encaminhe as soluções dos temas pendentes. Agora se está na etapa
de consultas para acertar as agendas correspondentes e chegar a um consenso para
esta importante reunião”, acrescentou.


DIFICULDADE DE CONSENSO


Uma fonte do Ministério das Relações Exteriores do Peru reforçou a dificuldade para
se chegar a consensos na Unasul.


“A Unasul funciona por meio de consenso e dentro de Unasul há tal discrepância entre os
membros sobre as visões políticas e econômicas que a torna inoperante”, disse a fonte
peruana.


“É bem difícil chegar a um consenso quando há diferenças de opiniões tão marcadas... está
implícito que este mecanismo já não tem sentido”, acrescentou. “Como não resolve
nada, (a Unasul) acaba sendo um gasto supérfluo, pagando cotas por una coisa que
não serve.”


Uma porta-voz da chancelaria argentina confirmou à Reuters o envio da carta ao chanceler
boliviano.


“O novo é a carta que enviamos ao chanceler da Bolívia, expressando a desconformidade”,
disse. “Não participar das instâncias e atos enquanto estiver tudo assim, sem secretário-geral
e com a organização parada”, acrescentou.


Na chancelaria chilena, informaram que a decisão de não participar da Unasul valerá “até
que existam resultados concretos que garantam o funcionamento adequado da organização”.


A Unasul foi criada em 2008 por iniciativa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e dos
ex-presidentes da Venezuela Hugo Chávez e da Argentina Néstor Kirchner, com a intenção
de aumentar a integração regional. As mudanças dos governo dos países, no entanto, com
um viés mais de direita, como Paraguai, Argentina, Brasil, Peru e, agora, Chile, mudaram a
configuração do bloco e selaram a divisão na região.


Politica na Rede

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.