Pular para o conteúdo principal

Candidatura de Lula baseada em liminar do STF é uma possibilidade, afirma Fux Tendência, de acordo com presidente do TSE, é que condenados em segunda instância fiquem inelegíveis






SÃO PAULO — Embora tenha sido condenado por corrupção e lavagem de dinheiro em duas instâncias da Justiça, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda pode se candidatar à Presidência caso consiga uma liminar no Supremo Tribunal Federal (STF). Para o ministro Luiz Fux, que preside o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), essa é uma possibilidade dada aos enquadrados na Lei da Ficha Limpa que tentam concorrer nas eleições.

Durante evento sobre o papel das fake news na disputa eleitoral promovido pela revista "Veja", nesta terça-feira, em São Paulo, Fux foi questionado sobre a possibilidade de um condenado na situação de Lula ser candidato nas eleições. O ministro admitiu que há possibilidades:

— Existe (essa possibilidade) — disse.

De acordo com o ministro, o TSE é o responsável por julgar os registros das candidaturas. O entendimento consolidado pela Lei da Ficha Limpa é que o registro deve ser negado quando o candidato tem sua sentença confirmada por um tribunal colegiado — no caso de Lula, isso aconteceu quando o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) aumentou a condenação para 12 anos e um mês de prisão.

No entanto, ainda de acordo com Fux, após ter o registro negado, o candidato pode recorrer ao STF para tentar uma liminar que permita sua participação nas eleições: 

— Se o STF deferir uma liminar, o TSE vem abaixo dele e aí, de novo aquela regra, manda quem pode, obedece quem tem juízo — disse.

Em 7 de fevereiro, Fux afirmou, em entrevista ao GLOBO, que candidatos enquadrados na Lei da Ficha Limpa são “irregistráveis”. No dia seguinte, recuou e disse que o TSE "poderá reavaliar" a possibilidade de políticos fichas sujas disputarem as eleições com base em liminares.


FAKE NEWS

Fux prometeu uma postura agressiva da Corte contra as fake news durante as eleições. Segundo o ministro, o TSE criará três comitês para combater a proliferação de notícias mentirosas criadas para prejudicar candidatos. Um comitê de inteligência, um comitê com os partidos e outro com a presença da imprensa.





Para Fux, ao contrário dos Estados Unidos, onde existe um receio maior em retirar do ar informações, a força-tarefa contra as fake news no Brasil deverá ser mais ativa.

Segundo ele, a legislação brasileira prevê que, caso fique comprovado que alguma fake news tenha sido essencial para o resultado da eleição, o próprio pleito estaria passível de anulação, além da possibilidade de punição ao candidato que espalhou a desinformação.

— Uma propaganda que visa destruir candidatura alheia pode gerar uma configuração de abuso de poder que pode levar a uma cassação — disse.




Leia mais: https://oglobo.globo.com/brasil/candidatura-de-lula-baseada-em-liminar-do-stf-uma-possibilidade-afirma-fux-22622029#ixzz5Dd1PV5YZ
stest

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eunício pede ao STF para que negue pedido de votação aberta na eleição do Senado

Eunício Oliveira acaba de enviar um ofício ao STF pedindo para que Marco Aurélio Mello não acate o pedido para que a votação para a presidência do Senado seja aberta.

O Antagonista

EUA reagem ao envio de bombardeiros russos à Venezuela

Autoridades dos Estados Unidos reagiram vigorosamente ao envio de bombardeiros estratégicos russos TU-160 para a Venezuela. Autoridades do Pentágono disseram que dois bombardeiros russos – o Tupolev TU-160 BlackJacks, que pode voar a velocidades supersônicas – estão na Venezuela, junto com todos equipamentos necessários para reabastecimento e manutenção. Mike Pompeo, secretário de Estado dos Estados Unidos, condenou a decisão de Moscou de enviar os bombardeiros nucleares para a Venezuela. Ele declarou:

Jornalistas da grande mídia celebram prêmio falso para repórter da Folha

Profissionais de veículos da grande mídia brasileira estão parabenizando uma jornalista da Folha por um prêmio falso divulgado por perfil paródia no Twitter. Tudo começou com um tuíte do usuário @monicabengamo no Twitter. O perfil aparenta ter viés humorístico, uma espécie de paródia com a jornalista da “Folha de S. Paulo“, Mônica Bergamo. A mensagem original foi publicada na sexta-feira (14) às 16h40 (horário de Brasília).  “A competente colega Patrícia Campos Mello acaba de ganhar o Prêmio Folha Brasileiro do Ano 2018. O Prêmio a reconheceu como “Guardiã da Verdade”, afirma o perfil.