Pular para o conteúdo principal

Celso de Mello arquiva queixa-crime de Jean Wyllys contra Bolsonaro


Imagem: Reprodução / Redes Sociais



















O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, arquivou queixa-crime 
por crimes contra a honra do deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) contra o colega e
 presidenciável Jair Bolsonaro (PSL-RJ) por conta de uma discussão na Comissão
 de Relações Exteriores da Câmara. No embate, Bolsonaro teria chamado o colega 
de “idiota”, “imbecil” e “cu ambulante”.


Celso de Mello seguiu entendimento da Procuradoria-Geral da República, com base 
na regra de imunidade parlamentar prevista na Constituição Federal. Segundo o
 ministro, “considerado o fato de a manifestação impugnada nesta causa haver sido
 proferida no âmbito da própria Câmara dos Deputados e no contexto de reunião de
 sua Comissão de Relações Exteriores, no curso do exame e do debate em torno de
 determinada proposição legislativa, tal circunstância inviabiliza a presente 
queixa-crime”.
“Entendo incidir, na espécie, a garantia constitucional da imunidade parlamentar em 
sentido material, apta a exonerar o congressista em questão de qualquer responsabilidade
 – penal ou civil – eventualmente resultante de seus pronunciamentos no âmbito da Casa 
legislativa, tal como tem decidido o Supremo Tribunal Federal”, escreveu o decano.


Na avaliação do ministro, a imunidade parlamentar existe para viabilizar o exercício 
independente do mandato representativo, revelando-se, por isso mesmo, garantia 
inerente ao parlamentar que se encontre no pleno desempenho da atividade legislativa.


“Há de ser ampla a liberdade de palavra assegurada aos membros do Congresso Nacional,
 ainda mais quando essa prerrogativa constitucional for exercida, como sucedeu no caso 
ora em exame, no âmbito da própria Casa legislativa a que pertence o parlamentar e for
 praticada em plena sessão de comissão técnica reunida para debates de determinado 
projeto de lei”, completou.


Ao Supremo, Jean Wyllys sustentou que Bolsonaro “rompeu totalmente a discussão 
temática” ao chamar o colega de “último órgão do aparelho excretor, “último órgão
 do aparelho digestivo”, “idiota” e “imbecil”.

Politica na Rede

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…