Pular para o conteúdo principal

Celso de Mello libera para julgamento primeiro processo da Lava-Jato


Imagem: Reprodução / Twitter






















O ministro Celso de Mello, revisor dos processos da Lava-Jato no Supremo 
Tribunal Federal (STF), liberou nesta segunda-feira para a pauta de julgamentos 
da Segunda Turma a primeira ação penal do caso. O primeiro réu a ter o destino
 traçado será o deputado Nelson Meurer (PP-PR). Pela regra da corte, o revisor
 pede um dia para o julgamento e o presidente da turma, ministro Edson Fachin, 
que é o relator da Lava-Jato, marca a data. A intenção de Fachin é fazer isso o
 quanto antes. O mais provável é que seja nos primeiros dias de maio.

Para explicar que elaborou seu voto com rapidez, Celso anotou, no despacho, que
 recebeu o processo no último dia de atividades do STF do ano passado, no dia 19
 de dezembro. Em 18 de janeiro deste ano, o caso retornou para o gabinete de Fachin, 
para exame de um recurso do réu. A ação penal só voltou ao gabinete do revisor no
 dia 5 de fevereiro.


Os primeiros processos da Lava-Jato chegaram ao STF há três anos. Até agora, 
nenhum réu foi julgado. Celso de Mello está também com a ação penal da senadora
 paranaense Gleisi Hoffmann, presidente do PT. O voto referente ao processo será
 liberado pelo revisor em meados de maio. Gleisi será a segunda investigada a ser
 julgada pela Segunda Turma. O processo de Meurer teve tratamento prioritário
 porque foi o primeiro a chegar no gabinete de Celso.


Como revisor, o ministro tem a responsabilidade de analisar o caso mais detidamente
 que os outros integrantes da Segunda Turma e votar logo depois do relator. Como o
 processo de Meurer será o primeiro a ser julgado, servirá como espécie de balizador.
 Serão discutidos, por exemplo, quais provas são necessárias para validar uma delação
 premiada, a ponto de justificar uma eventual condenação.


O parlamentar é processado junto com os dois filhos, Nelson Meurer Junior e Cristiano
 Augusto Meurer. Eles respondem por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. 
Segundo as investigações, Paulo Roberto Costa e a cúpula do PP receberam, entre 2006 
e 2014, R$ 357,9 milhões em recursos desviados de contratos de empreiteiras com a estatal.
 Um dos maiores beneficiados com o esquema de desvios foi Meurer. No período, ele 
teria recebido R$ 29,7 milhões.

Folha Politica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eunício pede ao STF para que negue pedido de votação aberta na eleição do Senado

Eunício Oliveira acaba de enviar um ofício ao STF pedindo para que Marco Aurélio Mello não acate o pedido para que a votação para a presidência do Senado seja aberta.

O Antagonista

EUA reagem ao envio de bombardeiros russos à Venezuela

Autoridades dos Estados Unidos reagiram vigorosamente ao envio de bombardeiros estratégicos russos TU-160 para a Venezuela. Autoridades do Pentágono disseram que dois bombardeiros russos – o Tupolev TU-160 BlackJacks, que pode voar a velocidades supersônicas – estão na Venezuela, junto com todos equipamentos necessários para reabastecimento e manutenção. Mike Pompeo, secretário de Estado dos Estados Unidos, condenou a decisão de Moscou de enviar os bombardeiros nucleares para a Venezuela. Ele declarou:

Filha de João de Deus diz ter sido abusada pelo pai quando criança

Uma das filhas do médium João de Deus afirmou que sofreu abusos sexuais do pai dos 10 aos 14 anos. A afirmação foi feita em entrevista gravada em 2016 por uma rádio de Goiânia e exibida pelo “Jornal da Record” na noite desta terça-feira (11). “Ele é manipulador. Ele é mau. Ele é estranho, é diferente. Eu já pedi muito a Deus que ele se arrependesse do que fez e faz”, afirmou Dalva Teixeira no vídeo, segundo informações do “UOL“. Segundo ela, sua mãe havia tido um relacionamento breve com o médium e ela só conheceu o pai quando tinha 10 anos. “[Quando o conheci], ele tirou minha roupa toda, tirou a dele e ficou a noite inteira me molestando”, afirmou. De acordo com Dalva, os casos de abuso se repetiram por quatro anos. “Isso foi até os 14 anos, quando então eu me casei para sair de casa.”