Pular para o conteúdo principal

Ciro Gomes: Não sou Dilma; marginal como Cunha não me derrubaria



Pré-candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes disse nesta quinta-feira (26), 
que, se for eleito, não será tarefa fácil derrubá-lo do cargo, mas admitiu que precisará de respaldo
 popular para governar. Ele participou 16ª Marcha dos Vereadores, em Brasília.

“Se vocês (vereadores) deixarem, vão me derrubar. Não vai ser fácil não, porque não sou a Dilma,
 sou do ramo. Tu acha que um marginal como Eduardo Cunhame derrubaria? É preciso ser muito
 mais homem do que eu para me derrubar”, disse. Em discurso, o pré-candidato disse que é preciso
 dar apoio ao próximo presidente, caso contrário “vão derrubar o terceiro, o quarto, o quinto porque 
isso está escrito nesse país enquanto não virarmos o jogo”.

Para o ex-ministro do governo Luiz Inácio Lula da Silva, ter na história da redemocratização dois
 presidentes cassados faz com que o país “não aguente esse nível de instabilidade”. “A nação vai
 precisar se dar as mãos para sair dessa profunda encalacrada”, declarou.

Na avaliação de Ciro, o Congresso Nacional derrubou Dilma Rousseff, “uma presidente honrada, 
embora estivesse fazendo um governo ruim”, num processo de impeachment “inventado” e que 
não dá mais para aceitar “gente que não tem voto” governando. “Remédio para governo ruim é 
pressão popular e data de eleição para mudar”, afirmou.




Ao criticar o ativismo judicial, Ciro disse que a nomeação do ex-presidente Lula como 
ministro-chefe da Casa Civil por Dilma foi um “erro brutal” por passar a mensagem de fim da
 autoridade dela e de que Lula precisava sair da jurisdição do juiz Sergio Moro. 
Para o presidenciável, ao barrar a nomeação de Lula, o Supremo Tribunal Federal (STF) invadiu
 as prerrogativas do Executivo.

O pré-candidato afirmou que é preciso restaurar o poder político como “imperativo da 
democracia” e reclamou que outros personagens de fora da política estão ocupando o vácuo
 de poder. Em seu discurso, Ciro criticou os magistrados que falam demais e que, em sua 
avaliação, também estão fazendo política ao se expor.

Aos vereadores, Ciro disse que o Brasil tem um problema estrutural a resolver e a porta de 
saída para o problema está na restauração da democracia e da liderança política. Segundo o
 pré-candidato, enquanto o país perde com a crise, o sistema financeiro “enche a pança”.

Revista Veja Abril

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.