Pular para o conteúdo principal

CNJ pode julgar hoje ações de aliados de Lula contra Moro


Imagem: Gabriel de Paiva / Ag. O Globo


















O Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão responsável por receber denúncias
 contra magistrados, vai julgar nesta terça-feira dois processos apresentados por 
parlamentares aliados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra o juiz 
Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava-Jato em Curitiba.
 As reclamações disciplinares, que constam na pauta da sessão, questionam a 
divulgação dos diálogos entre Lula e a ex-presidente Dilma Rousseff, captados
 em interceptações telefônicas depois que a quebra de sigilo telefônico de
 Lula já havia sido suspensa por Moro.

Uma das reclamações disciplinares foi apresentada pelos deputados petistas
 Wadih Damous (RJ), Afonso Florence (BA), Paulo Pimenta (RS), Pepe Vargas (RS), 
Henrique Fontana (RS) e Paulo Teixeira (SP), além de Jandira Feghali (PCdoB-RJ). 
A segunda foi feita pelos senadores, Fátima Bezerra (RN), Gleisi Hoffmann (PR),
 Jorge Viana (AC), José Pimentel (CE), Lindbergh Farias (RJ), Humberto Costa (PE),
 Regina Sousa (PI), Paulo Rocha (PA) e do suplente Divino Donizetti (TO), que hoje 
não exerce o mandato. Também assinam o pedido Vanessa Grazziotin (PCDOB-AM),
 Lídice da Mata (PSB-BA) e Angêla Portela (PDT-RR)


Na época, os áudios foram interceptados pela Polícia Federal após o fim do prazo para
 as escutas telefônicas. Porém, foram tornados públicos. A Polícia Federal encontrou
 indícios de que Dilma agiu para tentar evitar uma eventual prisão de Lula, dizendo que
 enviaria previamente a ele o "termo de posse" de ministro. A então presidente diz que
 o documento deveria ser usado "em caso de necessidade".


Dois meses depois, o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF),
 anulou a validade dos áudios como provas em ações judiciais da Operação 
Lava-Jato.

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade