Pular para o conteúdo principal

Defensoria espera que Justiça conceda liberdade a pelo menos 138 presos em festa da milícia



No dia 7 de abril, 159 homens foram detidos em um show de pagode, em Santa Cruz Foto: Divulgação / Polícia Civil



A Defensoria Pública do Rio de Janeiro espera que, ainda nesta quarta-feira, a Justiça conceda a liberdade a pelo menos 138 pessoas, de um total de 158, que continuam presas acusadas pela polícia de envolvimento com a milícia. Segundo Rodrigo Pacheco, subdefensor geral, o parecer do Ministério Público, que diz não haver indícios para que os 138 sejam denunciados, pode ser juntado ao processo e apreciado por um juiz nas próximas horas.

Rodrigo Pacheco e João Gustavo, coordenador do núcleo de presos provisórios da Defensoria, se reuniram com o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), o deputado Marcelo Freixo. O parlamentar disse que recebeu representantes de famílias de 24 pessoas que fazem parte do grupo de 158 presos.


— A comissão de Direitos Humanos se coloca ao lado da defensoria, no que diz respeito à defesa dessas pessoas. Não é porque uma pessoa vai a uma festa que ele se torna miliciana — disse Freixo.

Segundo a Defensoria Pública, um defensor acompanha em Brasília, o trâmite de um pedido de habeas corpus, feito no STF, em nome de Vinícius Guedes de Almeida. Ele é um dos 158 pessoas que foram detidas pela polícia em um sítio, onde a milícia realizava uma festa, na Zona Oeste do Rio.

— O pedido foi distribuído, e o relator do caso é o ministro Dias Tófili. Um defensor em Brasília está acompanhando tudo. O habeas corpus ainda é o instrumento mais viável para garantir a liberdade desta pessoa — disse Rodrigo Pacheco, que por enquanto descarta a possibilidade de ingressar com pedido de liberdade coletivo no STF.

— Cada caso será avaliado para saber se está maduro ou não para ingressar com pedido de habeas corpus no STF — o subdefensor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Justiça condena Juca Kfouri a pagar R$ 30 mil a Bolsonaro

A 26ª Câmara Cível do Rio determinou que Juca Kfouri e a ESPN paguem indenização de R$ 30 mil, mais correção e juros, por dano moral a Jair Bolsonaro, informa a Veja.

O presidenciável, porém, terá de indenizar o jornalista em R$ 6.000.

O caso começou em 2016, quando Kfouri criticou o comportamento de dois torcedores do Fluminense, comparando-os a torturadores e dizendo que deviam ser apoiadores de Bolsonaro.



Em resposta, o deputado gravou um vídeo com a camisa do Fluminense em que dizia que o jornalista estava “merecendo levar uns tabefes pra aprender a ser homem”.

Em seguida, Bolsonaro entrou com a ação por dano moral, alegando que na vida militar jamais participou de tortura. Na defesa, Kfouri negou ofensa à honra do hoje presidenciável.

RedeTV retirou o púlpito vazio de Lula por exigência de Bolsonaro

O púlpito vazio de Lula foi retirado pela RedeTv, após protesto de Jair Bolsonaro, que ameaçou não participar do debate.

 A Emissora consultou os demais concorrentes que concordaram segundo Igor Gadelha, da Crusoé.

 Diante dessa situação constrangedora, Bolsoanro tem moral mesmo sem ser o presidente, mas pode ser ainda no primeiro turno.