Pular para o conteúdo principal

Eleitores de Lula não querem plano B, só 'plano L', diz jornal


Imagem: Reprodução / Redes Sociais


















Um debate realizado pelo jornal Folha de S. Paulo com dez eleitores do ex-presidente condenado Lula mostrou que os eleitores dele não pensam em votar em outra pessoa. O jornal questionou em quem eles poderão votar sem o petista na eleição. Segundo o jornal, "todos dizem que não arredam pé de apoiar Lula".
Para os eleitores fiéis de Lula, os crimes de que ele é acusado são considerados "falhas mínimas" em comparação à corrupção de outros políticos. Mas consideram injusta a prisão de Lula, afirmando que o juiz Sérgio Moro conseguiu seu "troféu".

Questionados sobre um possível "plano B" para o partido, o grupo não admitiu a hipótese de votar em outra pessoa. Para o grupo, Boulos ainda não tem condições de substituir o grande líder petista. Jaques Wagner, Fernando Haddad e Ciro Gomes também não foram vistos como potenciais presidentes.


Segundo o jornal, "O segundo turno, para o grupo, reprisará o embate que se repete desde 1994: o candidato do PT vs. o do PSDB (Geraldo Alckmin, no caso). Mas Jair Bolsonaro assusta".


Os eleitores de Lula entrevistados apontaram como carrascos do lulismo: "o juiz Sergio Moro, a elite brasileira, a mídia golpista, o mercado. Todos acham que existe uma conspiração americana que influencia a política brasileira". Todos também desprezam a imprensa tradicional e preferem se informar através de "sites amigos".


O jornal fez uma compilação dos argumentos apresentados pelos eleitores fiéis para votarem em Lula:

Por que eles querem Lula1 Lula é visto como o político que mais fez pelos pobres e minorias no país; seus programas sociais são exaltados pelos eleitores
2 O petista é, segundo eles, a resposta para o crescimento do fascismo no país, representado na figura de Bolsonaro, mas também em Alckmin, considerado maior adversário de Lula na disputa
3 O endurecimento do discurso de Lula é, para os eleitores, uma sinalização de que, se eleito, o petista não fará novamente um pacto político com as elites
4 As denúncias contra o ex-presidente são minimizadas como sendo um pequeno descuido comparado aos milhões atribuídos a outros políticos
5 Os discursos de que a Lava Jato, Justiça e a mídia perseguem Lula foram inflados com a sua prisão. Para os eleitores, o sentimento de injustiça deu novo fôlego à pressão para que o petista possa ser eleito
6 A guerra de discursos na internet também reacendeu a defesa da candidatura do ex-presidente e tirou o foco da autocrítica, apontam os eleitores
7 Seus admiradores negam que o PT deva adotar um plano B. Para eles, a candidatura deve ser mantida mesmo com Lula preso e com poucas chances de estar nas urnas em outubro
8 Admitir outro nome para disputar o pleito seria aceitar a condenação de Lula e colocar outro petista na mira de uma perseguição político-judicial, afirmam os eleitores.

Politica   na Rede

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.