Pular para o conteúdo principal

Em primeira manifestação do cárcere, Lula diz que continua desafiando a Justiça


Imagem: Reprodução / Redes Sociais



















Em primeira manifestação desde que foi preso para início de cumprimento da pena de
12 anos e um mês, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirma que continua desafiando
a Operação Lava Jato a provar o “crime que alegam” que ele cometeu. Em carta divulgada
pelo PT e lida no acampamento montado no entorno da Polícia Federal, onde está detido
há dez dias, o petista afirma que está “tranquilo, mas indignado. Como todo inocente
fica indignado quando é injustiçado.”

“Carta do presidente Lula ao acampamento Lula Livre em Curitiba” foi tornada pública 
pelo PT e pela presidente do partido, senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), que no início 
da noite desta segunda-feira, 16, leu o documento aos apoiadores – acampados em vigília
 nas ruas do entorno da PF desde que ele foi preso, no dia 7.


“Continuo desafiando a Polícia Federal da Lava Jato, o Ministério Público da Lava Jato,
 o Moro e a segunda instância a provarem o crime que alegam que eu cometi”, registrou 
Lula. A carta teria sido ditada pelo petista e escrita pelo advogado.


“Continuo acreditando na Justiça e por isso estou tranquilo, mas indignado como todo 
inocente fica indignado quando é injustiçado.”


O documento foi lido pela presidente do partido, que tenta visitar o ex-presidente no 
cárcere. “Eu tenho me comunicado com o presidente de forma escrita com o presidente
 de forma escrita através do advogados porque não consegui visita-lo”, disse Gleisi.


Segundo ela, a carta foi escrita a pedido de Lula e entregue via advogados para ela para 
ser lida no acampamento.


Leia a íntegra:

CARTA DO PRESIDENTE LULA AO ACAMPAMENTO LULA LIVRE EM CURITIBA

Eu ouvi o que vocês cantaram. Estou muito agradecido pela resistência e presença de vocês
 neste ato de solidariedade. Tenho certeza que não está longe o dia em que a Justiça valerá a
 pena. Na hora em que ficar definido que quem cometeu crime seja punido. E que quem não 
cometeu seja absolvido. Continuo desafiando a Polícia Federal da Lava Jato, o Ministério
 Público da Lava Jato, o Moro e a segunda instância a provarem o crime que alegam que eu 
cometi. Continuo acreditando na Justiça e por isso estou tranquilo, mas indignado como 
todo inocente fica indignado quando é injustiçado.
Grande abraço e muito obrigado.
Luiz Inácio Lula da Silva

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tite se recusa a encontrar Jair Bolsonaro

Enquanto a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) tenta se aproximar de Jair Bolsonaro, o técnico Tite quer distância do presidente eleito. Ao ser questionado se aceitaria encontrar o presidente eleito Jair Bolsonaro em solenidade oficial antes ou depois da Copa América, o treinador foi direto. Segundo informações da “Folha“, Tite afirmou: Não. Eu continuo com a mesma opinião. A minha atividade não se mistura e eu não me sinto confortável em fazer essa mistura. Não. Curiosamente, em 2012, após vencer a taça Libertadores da América no comando do Corinthians, o técnico Tite não viu problemas em visitar o então presidente petista Luiz Inácio Lula da Silva.

Viagem em jatinho pode ter tirado Magno Malta do ministério de Bolsonaro

Magno Malta parece ter saído da lista de ministeriáveis após Jair Bolsonaro receber informações de que ele viajou em aeronave sem informar a Justiça Eleitoral. O presidente eleito Jair Bolsonaro decidiu cortar da lista de possíveis ministros o senador Magno Malta (PR-ES) após receber informações de que o aliado fez viagens para aproximar o empresário Eraí Maggi da campanha do PSL. Malta também teria utilizado sua proximidade com Bolsonaro para defender nomes que poderiam compor um eventual governo. Chegou ao conhecimento do futuro chefe de Estado que o empresário Maggi teria colocado à disposição de Malta um jatinho particular para alguns deslocamentos e ainda aberto sua fazenda para encontro com ruralistas. Malta não registrou deslocamentos em jatinhos do empresário nas prestações de conta ao TSE.

Quem é o passageiro que Lewandowski mandou prender em voo

O passageiro levado pela Polícia Federal a mando de Ricardo Lewandowski durante voo da Gol é o advogado Cristiano Caiado Acioli, filho da subprocuradora Helenita Caiado – que chegou a presidir o CNMP.

Em vídeo que O Antagonista reproduziu mais cedo, Acioli chama Lewandowski e diz: “O Supremo é uma vergonha, viu? Eu tenho vergonha de ser brasileiro quando eu vejo vocês.”

Depois, em novo vídeo, protestou por ter seu direito de expressão cerceado.

Votou em Jair Bolsonaro. O Antagonista