Pular para o conteúdo principal

Em primeira manifestação do cárcere, Lula diz que continua desafiando a Justiça


Imagem: Reprodução / Redes Sociais



















Em primeira manifestação desde que foi preso para início de cumprimento da pena de
12 anos e um mês, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirma que continua desafiando
a Operação Lava Jato a provar o “crime que alegam” que ele cometeu. Em carta divulgada
pelo PT e lida no acampamento montado no entorno da Polícia Federal, onde está detido
há dez dias, o petista afirma que está “tranquilo, mas indignado. Como todo inocente
fica indignado quando é injustiçado.”

“Carta do presidente Lula ao acampamento Lula Livre em Curitiba” foi tornada pública 
pelo PT e pela presidente do partido, senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), que no início 
da noite desta segunda-feira, 16, leu o documento aos apoiadores – acampados em vigília
 nas ruas do entorno da PF desde que ele foi preso, no dia 7.


“Continuo desafiando a Polícia Federal da Lava Jato, o Ministério Público da Lava Jato,
 o Moro e a segunda instância a provarem o crime que alegam que eu cometi”, registrou 
Lula. A carta teria sido ditada pelo petista e escrita pelo advogado.


“Continuo acreditando na Justiça e por isso estou tranquilo, mas indignado como todo 
inocente fica indignado quando é injustiçado.”


O documento foi lido pela presidente do partido, que tenta visitar o ex-presidente no 
cárcere. “Eu tenho me comunicado com o presidente de forma escrita com o presidente
 de forma escrita através do advogados porque não consegui visita-lo”, disse Gleisi.


Segundo ela, a carta foi escrita a pedido de Lula e entregue via advogados para ela para 
ser lida no acampamento.


Leia a íntegra:

CARTA DO PRESIDENTE LULA AO ACAMPAMENTO LULA LIVRE EM CURITIBA

Eu ouvi o que vocês cantaram. Estou muito agradecido pela resistência e presença de vocês
 neste ato de solidariedade. Tenho certeza que não está longe o dia em que a Justiça valerá a
 pena. Na hora em que ficar definido que quem cometeu crime seja punido. E que quem não 
cometeu seja absolvido. Continuo desafiando a Polícia Federal da Lava Jato, o Ministério
 Público da Lava Jato, o Moro e a segunda instância a provarem o crime que alegam que eu 
cometi. Continuo acreditando na Justiça e por isso estou tranquilo, mas indignado como 
todo inocente fica indignado quando é injustiçado.
Grande abraço e muito obrigado.
Luiz Inácio Lula da Silva

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A gente vai dar é porrada se não respeitarem a gente", ameaça Lula, após protestos.

O Ex presidente condenado Lula, enfrentando protestos por todos os lugares por onde passa sua "caravana" pelo Sul do Brasil, subiu o tom das ameaças. Lula disse: "A gente vai dá é porrada se não respeitarem a gente", chamando os cidadãos que pedem sua prisão de fascistas.

Fico imaginando o que ele faria se estivesse no poder hoje. Seria mais um Maduro tupiniquim, um ditador cerceando a nossa liberdade e dando ração ao povo.

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.