Pular para o conteúdo principal

Em vídeo, empresária confessa ter recebido dinheiro para Eunício Oliveira


Investigada afirma que M. Dias Branco, doadora da campanha do presidente do Senado em 2014, pagou por serviços que nunca foram prestados
Por Thiago Bronzatto

Revista veja Abril



Presidente do Senado, Eunício Oliveira: parlamentar é suspeito de receber recursos clandestinos em sua campanha em 2014 (Sergio Dutti/VEJA)

Em maio de 2013, o então senador do Ceará Eunício Oliveira, atual presidente do Congresso, prestou uma homenagem à M. Dias Branco, líder de vendas de biscoitos no país. Num discurso no Senado, o parlamentar do MDB lembrou que, aos 14 anos de idade, trabalhou na companhia cearense, “grande destaque na fabricação de alimentos e hoje sinônimo de sucesso em atividades distintas”. O laço entre o político e a empresa entrou na mira da Polícia Federal na última terça-feira, 10, com a deflagração da Operação “Tira-Teima”. A ação teve como objetivo apurar o caminho dos recursos nebulosos recebidos pela campanha de Eunício ao governo do Ceará em 2014. A suspeita é que o presidente do Senado tenha praticado os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Além da delação de um ex-diretor da Hypermarcas, os investigadores se basearam nas revelações feitas por uma empresária de Salvador, mulher do marqueteiro da campanha de Eunício em 2014. Num depoimento em vídeo, obtido por VEJA, Maurenizia Dias Andrade Alves, dona do Instituto Campus, confessou que, a pedido de seu marido, Paulo Alves, recebeu dinheiro sem qualquer prestação de serviço. Os recursos foram repassados não só pela Hypermarcas e JBS, que já admitiram as irregularidades ao Ministério Público, mas também pela M. Dias Branco. A fabricante de biscoitos foi alvo de buscas e apreensões realizadas pela Polícia Federal nessa terça-feira, 10.

“Independentemente dessas questões referentes à Hypermarcas, o Instituto Campus, em 2014, recebeu também 250 000 da empresa Dias Branco, 250 000 da empresa Corpvs Segurança e mais dois milhões de reais da empresa JBS (…) que não houve, até o momento, nenhuma prestação de serviço para qualquer dessas três empresas acima mencionadas e foram feitas apenas os recebimentos sem os serviços correspondentes. No caso das empresas Dias Branco e Corpvs, houve o recebimento e a emissão das notas fiscais, mas não a formalização de contrato”, disse Maurenizia Dias.


A Polícia Federal investiga se a M. Dias Branco, assim como a Hypermarcas e a JBS, fizeram repasses clandestinos à campanha de Eunício Oliveira em troca de favores no Congresso. A empresa doou oficialmente cerca de 400 000 reais, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A Corpvs, mencionada por Murenizia, é uma empresa de segurança que tem entre os seus sócios a Remmo Participações, do presidente do Senado, e Ricardo Lopes Augusto, sobrinho de Eunício.

Em sua delação premiada, o ex-diretor da Hypermarcas, Nelson Mello, contou que, às vésperas das eleições de 2014, foi procurado por Ricardo Lopes Augusto, presidente da empresa de segurança privada Confederal, também de Eunício, para ajudar financeiramente a campanha do parlamentar. Nesse encontro, ficou combinado que a Hypermarcas destinaria 5 milhões de reais para ajudar a eleger o parlamentar como governador do Ceará.

Uma parte desses recursos foi destinada a bancar “despesas de empresas que prestavam serviços à campanha de Eunício Oliveira” por meio de “contratos fictícios”. As empresas Instituto Campus, de Maureniza, e a Confirma Comunicação e Estratégia, de Paulo Alves, receberam 3,35 milhões de reais. O restante foi desembolsado pela Hypermarcas a partir de uma nota fiscal emitida no valor de 1,65 milhões de reais apresentada pela Confederal, de Eunício — que, após o caso vir à tona, quis devolver o dinheiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Jair Bolsonaro revoga nomeações de Michel Temer

Bolsonaro revogou quatro nomeações do ex-presidente Michel Temer e nomeou seus novos diretores, que não precisarão de escrutínio dos senadores. Por meio de medida provisória publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro revogou a exigência de o Senado sabatinar os diretores do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), registra o “Estadão“. A revogação da sabatina dos diretores está no art. 85, II, c, que revoga o art. 88, parágrafo único, da Lei 10.233. “Os diretores deverão ser brasileiros, ter idoneidade moral e reputação ilibada, formação universitária, experiência profissional compatível com os objetivos, atribuições e competências do DNIT e elevado conceito no campo de suas especialidades, e serão indicados pelo ministro de estado dos Transportes e nomeados pelo presidente da República”, diz o texto. Há apenas cinco meses no cargo, o diretor-geral José da Silva Tiago foi substituído pelo general Antônio Leit…

Os depósitos fracionados na conta de Flávio Bolsonaro e a latente má fé do Jornal Nacional

Sobre o documento do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) apresentado nesta sexta-feira (18) pelo Jornal Nacional, da Rede Globo, com uma lista de 48 depósitos fracionados em R$ 2 mil cada na conta do senador eleito Flavio Bolsonaro (PSL/RJ), perfazendo um total de R$ 96 mil, muitos deles em horários sequenciais num mesmo dia, é importantíssimo fazer o seguinte destaque: O próprio documento do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) apresentado pelo Jornal Nacional revela que "todas as operações foram CONCENTRADAS NO AUTOATENDIMENTO" (confira na imagem abaixo) da agência do banco Itaú da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. Esse detalhe é importantíssimo!



 No Banco Itaú, os depósitos realizados no autoatendimento, nos caixas eletrônicos, são limitados a R$ 2 mil por envelope, com no máximo 50 notas cada um. Confira: https://www.itau.com.br/atendimento-empresas/ajuda/ (vá ao tópico "caixas eletrônicos Itaú")

Ou seja, …

Bolsonaro ganhará palco principal no Fórum Econômico Mundial na Suíça 

Bolsonaro será o primeiro presidente latino-americano a falar na sessão inaugural do Fórum Econômico Mundial, que começa na semana que vem na Suíça. O espaço privilegiado foi dado a Jair Bolsonaro pelos organizadores diante do interesse internacional que hoje existe tanto sobre o que ocorre no Brasil, mas também por conta da curiosidade sobre os rumos do novo governo brasileiro. O lugar de Bolsonaro no evento em Davos, na Suíça, estava sendo cuidadosamente negociado entre o Itamaraty e os organizadores do evento, desde sua vitória nas eleições presidenciais, em outubro, informa o “Estadão“. A fala do presidente brasileiro, que deve ter entre 30 minutos e 45 minutos, promete ser uma espécie de apresentação de Bolsonaro à elite das finanças internacionais e da imprensa global. A sessão de abertura é, na maioria das vezes, acompanhada com uma atenção especial, já que dá o tom do evento. Ela não é a primeira fala do Fórum que, de fato, já começa na noite de segunda-feira. Mas é o eve…