Subscribe:

25 de abril de 2018

General Villas Bôas é internado em Brasília Comandante do Exército é atendido em hospital particular da Asa Norte.


Por G1 DF

25/04/2018 14h01 Atualizado há 30 minutos




General Eduardo Villas Bôas fala sobre a atuação das Forças Armadas nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 (Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil)



O comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, de 66 anos, foi internado no Hospital Santa Helena, hospital particular da Asa Norte, no Distrito Federal, por volta das 6h desta quarta-feira (25).


Adriana Villas Bôas, filha do general, disse ao G1 que o pai está "muito bem de saúde". O Exército informou por meio de nota oficial que o comandante "realizou procedimento gástrico eletivo" e terá alta ainda nesta quarta e voltará ao trabalho nesta quinta (26).


O general está acompanhado por parentes e amigos. Dez pessoas estão autorizadas a visitá-lo no quarto.





Programa Roberto D'Ávila: Eduardo Villas Bôas comanda 215 mil homens do Exército


No ano passado, Villas Bôas afirmou, em um vídeo publicado no YouTube, que tem uma "doença neuromotora de caráter degenerativo". Segundo o general, essa doença tem causado a ele dificuldades para caminhar e, por isso, passou a usar bengala.


Villas Bôas está à frente do Exército desde 2015, nomeado pela então presidente Dilma Rousseff. Com a intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro – iniciada em fevereiro – e a utilização de homens das Forças Armadas na segurança do estado, o general passou a figurar com mais frequência no noticiário e a ocupar um espaço central no debate sobre segurança pública.



Fachada do Hospital Santa Helena, em Brasília (Foto: Marília Marques/G1)



No início de abril, uma manifestação do general em uma rede social causou mal-estar dentro e fora do governo. Sem citar diretamente o julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo Supremo Tribunal Federal (STF), Villas Bôas disse que “o Exército brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição e se mantém atento às suas missões institucionais”.


Na ocasião, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) disse que é preciso respeito às decisões do STF e a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) afirmou que, em estados democráticos de direito, o poder civil dirige os destinos da nação. Já o ministro interino da Defesa, general Joaquim Silva e Luna, defendeu que a intenção do do general era "reafirmar sua crença nos princípios constitucionais".


Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...