Pular para o conteúdo principal

Gleisi culpa Lava Jato e Moro por tiros em acampamento de militantes

Imagem: Joel Silva / Folhapress


















Em vídeo postado nas redes sociais na manhã deste sábado (28), a presidente
 nacional do PT, a senadora ré Gleisi Hoffmann (PR), condenou os tiros que
 atingiram dois petistas no acampamento em defesa do ex-presidente Luiz
Inácio Lula da Silva e culpou a Operação Lava Jato pelo suposto recrudescimento
 de "ataques fascistas" contra os apoiadores de Lula.


No vídeo, Gleisi diz que o ataque "é resultado desse processo construído de perseguição
contra o presidente Lula, contra o PT, contra os movimentos de esquerda". "A Lava Jato
e o juiz Sergio Moro, que coordena essa tarefa, têm responsabilidade objetiva nisso,
assim como a grande mídia, que dia após dia, incita o ódio contra Lula, contra o PT,
e acontecem essas coisas que estamos vendo aqui", declarou. Para Gleisi, "os políticos
que estimulam a violência" também são responsáveis.
A senadora ré contou que está a caminho do Chile, onde participará da reunião com a
 frente de esquerda de vários países e com a ex-presidente chilena Michele Bachelet.
 Ela afirmou que aproveitará o encontro para fazer uma "violência internacional" das
 ações contra os petistas. "Está ficando cada vez mais feio para o Brasil essa situação",
afirmou.


Mais cedo, a Comissão Executiva Nacional do PT divulgou nota repudiando o ataque
 a tiros contra o acampamento pró-Lula em Curitiba e chamou o episódio de "atentado
 político". Os petistas reclamaram que não é a primeira vez que os apoiadores do
ex-presidente, agora preso na Superintendência da Polícia Federal no Paraná, sofrem
um ataque "fascista".


"O ataque é mais um episódio de violência política contra a democracia e acontece
um mês depois de tiros terem atingido ônibus da caravana Lula Pelo Brasil no interior
do Paraná. Até agora não foram presos os autores dos disparos feitos no mês passado
e tampouco os desta madrugada", criticou a cúpula do PT.


Segundo a nota, foram disparados mais de 20 tiros que deixaram um integrante do
 acampamento Marisa Letícia em estado grave no hospital em virtude de um tiro no
 pescoço e outra vítima atingida por estilhaços. Os petistas afirmaram que após o
impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, "aumentaram os ataques e
 assassinatos contra lideranças sociais no campo e na cidade", entre elas a morte da
 vereadora do PSOL Marielle Franco, e atacaram a suposta "omissão conivente"
das autoridades e da imprensa que "silencia ante a barbárie crescente".


"O mundo inteiro conhecerá mais um crime político que se cometeu no Brasil depois
do golpe. O Partido dos Trabalhadores exige punição imediata dos criminosos.
Chega de conivência! Basta!", finalizava a mensagem da Executiva do PT.


O acampamento chega a sua terceira semana instalado nas imediações da PF em
 Curitiba. A organização da "Vigília Lula Livre" disse que houve hoje (28) uma
 tentativa de homicídio "motivada pelo ódio e provocação de quem não aceita que
a vigília é pacífica". Os petistas afirmam que no feriado de 1º de Maio farão um
evento "com presença massiva" e que não se intimidarão com os ataques.
Os petistas também cobraram da Secretaria Estadual de Segurança a identificação
dos autores do atentado.

Politica na Rede

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.