Pular para o conteúdo principal

Grupo de esquerda prende Sara Winter em prédio da UFF Ativista estava no local para uma palestra do Movimento Cristão Universitário e ficou impedida de sair por 7 horas

no.News - 27/04/2018 21h35



Ativista Sara Winter passou horas presa em prédio por manifestantes de esquerda Foto: Reprodução

Depois de passar mais de sete horas presa junto com outras 10 pessoas do Movimento Cristão Universitário em um prédio do Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, da Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói, no Rio de Janeiro, a ativista Sara Winter conseguiu deixar o local.
Ela realizava uma palestra no edifício, quando um grupo de alunos de esquerda começou a realizar um protesto. O que deveria ter sido uma manifestação pacífica, no entanto, acabou culminando em violência. O grupo, composto de cerca de 250 pessoas, impediu Sara e outros estudantes cristãos de deixarem o edifício. Eles também arremessaram objetos nas janelas, como garrafas e pedras.



Alguns integrantes do grupo que cercaram a ativista e seus amigos no prédio da UFF Foto: Reprodução/Facebook

Ao Pleno.News, Sara Winter disse que muitos dos integrantes do grupo não eram alunos, e sim militantes contrários a ela. A ativista afirmou que parte deles estava mascarada e portava pedaços de madeira e ferro. Uma parte do grupo também utilizou drogas no local. A situação ficou tão tensa, que um professor chegou a entrar no local e agrediu uma amiga sua.
– Um professor chegou a agredir uma aluna do Movimento Cristão Universitário, que ficou com escoriações. Temos tudo filmado e iremos colocar nas redes sociais – ressaltou.
Depois de passar horas de sufoco, no entanto, a situação melhorou por volta das 21h. Sara e os outros estudantes conseguiram deixar o prédio conduzidos pela equipe de segurança da UFF junto à Polícia Federal (PF) e com o apoio da Polícia Militar.
A ativista disse que a violência continuou mesmo durante a saída do prédio, já que o grupo fez um corredor para sua passagem e a de seus amigos e ainda ameaçou bater nela. Apesar de tudo ter terminado bem, para Sara Winter, o episódio a fez se sentir com seus “direitos violados”.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…