Pular para o conteúdo principal

Joesley diz à PF que entregou mala de R$ 500 mil a Ciro Nogueira em garagem; senador nega


Imagem: Produção Ilustrativa / Política na Rede
















O empresário Joesley Batista, do grupo J&F, prestou no último dia 6 novo depoimento
 à Polícia Federal, em Brasília, sobre a suposta entrega de uma mala com R$ 500 mil 
ao senador Ciro Nogueira (PP-PI), presidente nacional do Progressistas.


O depoimento, ao qual a TV Globo teve acesso, traz detalhes sobre o local e o 
repasse do dinheiro, aprofundando o relato feito pelo empresário em depoimento da 
delação, no ano passado.
O advogado de Ciro Nogueira disse, por nota, que ele nunca recebeu dinheiro de Joesley
 Batista e que a gravação da conversa vai comprovar isso. Disse, ainda, que Ciro 
Nogueira mantinha com Joesley uma relação "republicana" de um senador com um 
grande empresário.


Em depoimento, Joesley contou que, em 17 de março do ano passado, houve uma reunião
 entre ele, o ex-diretor do grupo J&F Ricardo Saud e o senador Ciro Nogueira por volta 
das 19h.


O encontro teria sido gravado "para registrar os diálogos e tratativas de entrega de
 R$ 500 mil para Ciro Nogueira, o que de fato ocorreu".


Segundo Joesley, a mala foi entregue por Saud para o senador Ciro Nogueira na garagem 
da casa do empresário, em São Paulo".


Em depoimento anterior, Joesley já havia relatado a entrega dessa quantia em uma mala
 para Ciro Nogueira, como pagamento de propina – sem dar os detalhes que acrescentou
 no novo depoimento.


Segundo o relato do empresário, ele repetiu o método usado com o ex-deputado Rodrigo
 Rocha Loures, ex-assessor do presidente Michel Temer, e que se tornou a cena mais 
conhecida da delação: uma mala de R$ 500 mil , também entregue por Ricardo Saud 
em São Paulo.


Na delação, no ano passado, Joesley relatou sua proximidade com Ciro Nogueira. Contou
 que o senador era um de seu principais interlocutores políticos para tratar de interesses 
da J&F nos últimos três anos.


Nesta terça-feira, o senador Ciro Nogueira, o deputado Eduardo da Fonte (PP-PE)
 e o ex-deputado pelo Progressistas, hoje no PROS, Marcio Junqueira foram alvos de 
uma nova investigação da Lava Jato sobre a suspeita da compra de silêncio de uma 
testemunha, o ex-assessor do senador José Expedito Rodrigues Almeida.


Em relação ao novo depoimento sobre Ciro, o empresário Joesley Batista foi ouvido no
 inquérito que apura se o ex-procurador Marcelo Miller auxiliou os delatores da J&F 
enquanto ainda estava na Procuradoria Geral da República e se os delatores omitiram informações da delação.


Por causa dessas suspeitas, o acordo de delação está em revisão e os colaboradores podem 
perder os benefícios – mas a decisão definitiva ainda não foi tomada, cabe ao ministro
 Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal.

Politica na Rede
http://www.politicanarede.com/2018/04/joesley-diz-pf-que-entregou-mala-de-r.html#more

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.