Pular para o conteúdo principal

Joesley diz à PF que entregou mala de R$ 500 mil a Ciro Nogueira em garagem; senador nega


Imagem: Produção Ilustrativa / Política na Rede
















O empresário Joesley Batista, do grupo J&F, prestou no último dia 6 novo depoimento
 à Polícia Federal, em Brasília, sobre a suposta entrega de uma mala com R$ 500 mil 
ao senador Ciro Nogueira (PP-PI), presidente nacional do Progressistas.


O depoimento, ao qual a TV Globo teve acesso, traz detalhes sobre o local e o 
repasse do dinheiro, aprofundando o relato feito pelo empresário em depoimento da 
delação, no ano passado.
O advogado de Ciro Nogueira disse, por nota, que ele nunca recebeu dinheiro de Joesley
 Batista e que a gravação da conversa vai comprovar isso. Disse, ainda, que Ciro 
Nogueira mantinha com Joesley uma relação "republicana" de um senador com um 
grande empresário.


Em depoimento, Joesley contou que, em 17 de março do ano passado, houve uma reunião
 entre ele, o ex-diretor do grupo J&F Ricardo Saud e o senador Ciro Nogueira por volta 
das 19h.


O encontro teria sido gravado "para registrar os diálogos e tratativas de entrega de
 R$ 500 mil para Ciro Nogueira, o que de fato ocorreu".


Segundo Joesley, a mala foi entregue por Saud para o senador Ciro Nogueira na garagem 
da casa do empresário, em São Paulo".


Em depoimento anterior, Joesley já havia relatado a entrega dessa quantia em uma mala
 para Ciro Nogueira, como pagamento de propina – sem dar os detalhes que acrescentou
 no novo depoimento.


Segundo o relato do empresário, ele repetiu o método usado com o ex-deputado Rodrigo
 Rocha Loures, ex-assessor do presidente Michel Temer, e que se tornou a cena mais 
conhecida da delação: uma mala de R$ 500 mil , também entregue por Ricardo Saud 
em São Paulo.


Na delação, no ano passado, Joesley relatou sua proximidade com Ciro Nogueira. Contou
 que o senador era um de seu principais interlocutores políticos para tratar de interesses 
da J&F nos últimos três anos.


Nesta terça-feira, o senador Ciro Nogueira, o deputado Eduardo da Fonte (PP-PE)
 e o ex-deputado pelo Progressistas, hoje no PROS, Marcio Junqueira foram alvos de 
uma nova investigação da Lava Jato sobre a suspeita da compra de silêncio de uma 
testemunha, o ex-assessor do senador José Expedito Rodrigues Almeida.


Em relação ao novo depoimento sobre Ciro, o empresário Joesley Batista foi ouvido no
 inquérito que apura se o ex-procurador Marcelo Miller auxiliou os delatores da J&F 
enquanto ainda estava na Procuradoria Geral da República e se os delatores omitiram informações da delação.


Por causa dessas suspeitas, o acordo de delação está em revisão e os colaboradores podem 
perder os benefícios – mas a decisão definitiva ainda não foi tomada, cabe ao ministro
 Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal.

Politica na Rede
http://www.politicanarede.com/2018/04/joesley-diz-pf-que-entregou-mala-de-r.html#more

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Justiça condena Juca Kfouri a pagar R$ 30 mil a Bolsonaro

A 26ª Câmara Cível do Rio determinou que Juca Kfouri e a ESPN paguem indenização de R$ 30 mil, mais correção e juros, por dano moral a Jair Bolsonaro, informa a Veja.

O presidenciável, porém, terá de indenizar o jornalista em R$ 6.000.

O caso começou em 2016, quando Kfouri criticou o comportamento de dois torcedores do Fluminense, comparando-os a torturadores e dizendo que deviam ser apoiadores de Bolsonaro.



Em resposta, o deputado gravou um vídeo com a camisa do Fluminense em que dizia que o jornalista estava “merecendo levar uns tabefes pra aprender a ser homem”.

Em seguida, Bolsonaro entrou com a ação por dano moral, alegando que na vida militar jamais participou de tortura. Na defesa, Kfouri negou ofensa à honra do hoje presidenciável.

RedeTV retirou o púlpito vazio de Lula por exigência de Bolsonaro

O púlpito vazio de Lula foi retirado pela RedeTv, após protesto de Jair Bolsonaro, que ameaçou não participar do debate.

 A Emissora consultou os demais concorrentes que concordaram segundo Igor Gadelha, da Crusoé.

 Diante dessa situação constrangedora, Bolsoanro tem moral mesmo sem ser o presidente, mas pode ser ainda no primeiro turno.