Pular para o conteúdo principal

Lindbergh e Medeiros discutem por comentário de Gleisi à TV Al Jazeera


Quando questionava ação da senadora, José Medeiros foi interrompido por

 Lindbergh Farias e acusado de "ignorância"

Por Estadão Conteúdo



Gelisi: senadora petista convidou a todos os espectadores a lutar pela libertação de "grande 

amigo do mundo árabe" Lula (Paulo Whitaker/Reuters)

No plenário do Senado, o senador José Medeiros (PSD-MT) lamentou a gravação da

 presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), à rede de TV catari Al-Jazeera. Ele

 disse que interpretou a fala da parlamentar em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula

 da Silva como “um recado muito estranho” e que “espera que o PT não queira transformar 

um país pacífico em zona de guerra”.

“O Brasil é um país amigo do mundo árabe. Nós temos respeito por todas as religiões; 

agora, nós também somos um país que não tem contato com nenhum radicalismo, com

 nenhum fundamentalismo. E foi muito estranho o vídeo que a Senadora fez. Pareceu-me

 muito um recado subliminar. A quem era dirigido aquilo?”, questionou.

Ele foi interrompido por Lindbergh Farias (PT-RJ), que disse que a fala representava uma 

“ignorância”. “Perdoe a ignorância”, repetia Lindbergh. “O senhor não é Presidente do

 Senado Federal, Senador Lindbergh. O senhor não pode tomar minha fala”, reagiu Medeiros. 

O presidente em exercício da Casa, Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), interveio para que o 

senador mato-grossense prosseguisse.

“Se (Gleisi) quisesse se comunicar com o mundo árabe, nós temos todas as embaixadas aqui,

 e a Senadora poderia falar inclusive com os embaixadores. O recado foi estranho, e eu 

aconselho que os brasileiros possam ver o vídeo, o perigo que é. Então eu quero dizer:

 se algum fundamentalista, se algum fundamentalista, insuflado por aquele vídeo, cometer 

algum ato terrorista, está no CNPJ e no CPF dessa Senadora”, continuou Medeiros.

Lindbergh argumentou que a TV Al Jazeera é uma das maiores do mundo. “Sabe quem deu

 entrevista lá? (Barack) Obama, Presidente dos Estados Unidos. Repercussão em todo mundo,

 porque a TV Al Jazeera atinge cem países. A Senadora Gleisi está falando para as TVs do 

mundo inteiro. Quando fala para TV da Europa ninguém reclama. Para TV norte-americana…

 Agora, para TV Árabe, falando de uma campanha de solidariedade ao Presidente Lula, sabem 

o que começam a dizer? Estão falando em Estado Islâmico. Gente, sabem qual é o nome disso?

 Xenofobia, preconceito. Vocês estão achando que por ser árabe é terrorista, é fundamentalista” 

disse Lindbergh.

O senador Magno Malta comentou que sabe que os senadores do PT “conhecem a Constituição

 e sabem onde é que está o nosso limite” mas disse que pessoalmente “tem medo” que o vídeo

 seja interpretado de maneira equivocada.

“A Senadora Gleici não é louca de ter dado aquela entrevista à Al Jazeera, incitando o ISIS,

 incitando qualquer tipo de grupo terrorista, para que venha ao Brasil, fazer um terrorismo 

maior do que aquele que o MST está fazendo nas fazendas do Brasil, achando que, com isso,

 vai intimidar o Poder Público, vai intimidar o Supremo Tribunal Federal, vai intimidar o 

Ministério Público Federal… Não vai!”, disse.

“O meu medo pessoal é que eles entendam que estão pedindo auxílio para uma reação.

 Para uma reação. Esse é medo pessoal. Meu. Esse é medo meu. Agora, sei perfeitamente

 que a Senadora, que é presidente de um partido e que conhece a Constituição brasileira, 

sabe exatamente o que a Constituição determina”, afirmou Malta.

No vídeo, a senadora Gleisi Hoffmann denuncia que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da 

Silva seria um “preso político” no Brasil. Na gravação, Gleisi diz que “o objetivo da prisão

 é não permitir que Lula seja candidato na eleição deste ano e convida “a todos e a todas” 

a se juntarem à campanha pela libertação do ex-presidente. Ela ressalta também que Lula é 

“um grande amigo do mundo árabe” e que em seu governo o comércio com a região

 “se multiplicou por cinco”. “Ao longo da história, o Brasil recebeu milhões de árabes e

 palestinos, mas Lula foi o único presidente que visitou o Oriente Médio”, destacou a 

parlamentar.

Comentários

PAULO TAMBURRO. disse…
Nojo desta politica brasileira!!!!!!!!!!!!!!!

No meu blog , HUMOR EM TEXTOS ,a inesperada providencia presidencial na qual ' FICA PROIBIDO O SEXO ORAL"

É surpreendente e impactante.

Confira!!!

Um abração carioca.

Postagens mais visitadas deste blog

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.

Votos de Alckmin e Amoêdo migram para Bolsonaro, diz Datafolha

No primeiro turno das eleições, Jair Bolsonaro (PSL) teve 46% dos votos válidos, enquanto Fernando Haddad (PT) chegou a 29%.

De acordo com o Datafolha, o potencial do candidato do PSL cresceu, em sua maioria, pelas adesões de eleitores que no primeiro turno escolheram Geraldo Alckmin (PSDB) e João Amoêdo (Novo).

Entre os eleitores do ex-governador de São Paulo, 42% declararam que agora vão votar em Jair Bolsonaro, enquanto 30% disseram que vão optar por Fernando Haddad.

Em relação ao eleitorado de João Amoêdo, 49% afirmaram que preferem o candidato do PSL, e 18% sustentaram que vão escolher o petista.

No caso de Haddad, os percentuais mais expressivos de apoio vieram de eleitores de Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede).
Adaptado da fonte O Globo