Pular para o conteúdo principal

Mais perto dos culpados -Descoberta de celular usado no carro de onde partiram os disparos contra Marielle e prisão de suspeitos de integrar organização criminosa renovam esperanças de esclarecer o assassinato


Crédito:  Danilo Verpa/Folhapress
MEMÓRIA O rosto de Marielle pintado em escadaria em São Paulo: vereadora é hoje o maior ícone da luta contra a injustiça (Crédito: Danilo Verpa/Folhapress)

As investigações sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e de seu motorista Anderson Gomes, em 14 de março, no Rio de Janeiro, são cercadas de sigilo e consideradas de alta complexidade por todos que acompanham os fatos. Dentro dessa definição, estão as ligações com o poder público – que podem vir a explicar o crime. Nas últimas semanas, alguns avanços renovaram as esperanças de que o caso esteja mais perto de ser elucidado. A Polícia Civil, responsável pela investigação, descobriu o celular do motorista que dirigia o carro usado no crime. Com a quebra de sigilo telefônico autorizada pela Justiça, os investigadores passaram a cruzar os dados de mensagens instantâneas trocados com vários outros aparelhos, inclusive pertencentes a políticos da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (ALERJ). Alguns vereadores foram chamados a prestar depoimento na condição de testemunhas. Em nova investida contra a milícia – que é a “principal linha de investigação”, segundo o Ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann –, foram presos oito suspeitos de integrar uma organização criminosa na quinta-feira 19, na zona oeste da capital e em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. A ação conjunta do Ministério Público e da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas e Organizadas (Draco) inclui mandado de prisão contra 22 suspeitos.
APOIO Reunião de policiais e familiares das vítimas: para viúva de Marielle, equipe é “altamente qualificada” (Crédito:Jose Lucena/Futura Press)
Para a antropóloga Alba Zaluar, estudiosa de violência e de milícia, é preciso entender os tentáculos dessas máfias que se alastraram no Rio a partir da década de 1970. “Hoje, essa estrutura paramilitar inclui conexões com os poderes oficiais. Eles milicianos não são mais o poder paralelo; eles são o poder, entende?”. A especialista diz que não só o Rio de Janeiro, mas o Brasil todo está repleto de grupos similares. “Matadores individuais, grupos de extermínio, pistoleiros, assassinos de aluguel, isso existe no Brasil inteiro e cresce porque não há punição. Por R$ 1 mil eles matam qualquer pessoa, é barato, portanto.” A elucidação do assassinato de Marielle é fundamental também para mudar a prática da impunidade neste sinistro mercado da morte. Outro ponto complexo dessa investigação, segundo a antropóloga, é lidar com o medo que os criminosos impõem, o que afasta as testemunhas. “As denúncias são importantíssimas, mas as pessoas que poderiam colaborar têm medo porque eles trabalham com o terror para intimidar”, afirma Alba Zaluar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cid Moreira reaparece e comove o Brasil: ”Vivo minha fase final”

Apresentador que marcou a história do ‘Jornal Nacional’ fala sobre os 90 anos. Famoso durante muito tempo por dar o ‘boa noite’’ no ‘’Jornal Nacional’’, Cid Moreira agora é mais conhecido por ser a ‘’’voz de Deus’’ [VIDEO]. Aos 90 anos de idade, o jornalista investe o seu tempo nas narrações de textos bíblicos e comove milhares de cristãos. Cid Moreira recusou-se a fazer propaganda milionária ao lado de Fátima Bernardes Cid é casado com Fátima Moreira há 16 anos e deu uma entrevista ao portal de notícias UOL sobre o fato de estar completando 90 anos com a saúde em dia. “Vivo minha fase final”, afirmou. Entre os muitos fatos pitorescos de sua vida narrados na reportagem, Moreira revela que se recusou a receber R$ 2 milhões para fazer uma propaganda de carne ao lado de Fátima Bernardes. A celebridade, na época, teria recebido R$ 5 milhões para o comercial. O jornalista também chegou a injetar silicone líquido no rosto, o que o fez quase perder a visão de um dos olhos. Filho processa Ci…

Renan se recusa a receber notificação do STF sobre afastamento da presidência do Senado Oficial de Justiça não consegue entregar notificação na residência oficial

Renan se recusa a receber notificação do STF sobre afastamento da presidência do Senado Foto: Andre Coelho / Agência O Globo BRASÍLIA - O oficial do Supremo Tribunal Federal (STF) foi na noite desta segunda-feira à residência oficial do Senado para entregar ao senador Renan Calheiros (PMDB-AL) a notificação da decisão do ministro Marco Aurelio Melo sobre o afastamento da presidência do Senado. Renan se recusou a receber o oficial. O peemedebista foi até a porta e voltou sem a notificação. O oficial saiu alguns minutos depois com os papéis na mão. Segundo o secretário geral da mesa Senado, Bandeira de Melo, Renan alegou que não se pode receber notificação judicial após as 18h, segundo a lei. Perguntado sobre como Renan reagiu à decisão do ministro do Supremo, o líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira, disse que ele está tranquilo e que vai receber a notificação amanhã às 11h. - Normalíssimo, frio, traquilo. Marcou para receber a notificaçao amanhã às 11 horas. Há um entra e sai de ca…

Jair Bolsonaro revoga nomeações de Michel Temer

Bolsonaro revogou quatro nomeações do ex-presidente Michel Temer e nomeou seus novos diretores, que não precisarão de escrutínio dos senadores. Por meio de medida provisória publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro revogou a exigência de o Senado sabatinar os diretores do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), registra o “Estadão“. A revogação da sabatina dos diretores está no art. 85, II, c, que revoga o art. 88, parágrafo único, da Lei 10.233. “Os diretores deverão ser brasileiros, ter idoneidade moral e reputação ilibada, formação universitária, experiência profissional compatível com os objetivos, atribuições e competências do DNIT e elevado conceito no campo de suas especialidades, e serão indicados pelo ministro de estado dos Transportes e nomeados pelo presidente da República”, diz o texto. Há apenas cinco meses no cargo, o diretor-geral José da Silva Tiago foi substituído pelo general Antônio Leit…