Pular para o conteúdo principal

Mais perto dos culpados -Descoberta de celular usado no carro de onde partiram os disparos contra Marielle e prisão de suspeitos de integrar organização criminosa renovam esperanças de esclarecer o assassinato


Crédito:  Danilo Verpa/Folhapress
MEMÓRIA O rosto de Marielle pintado em escadaria em São Paulo: vereadora é hoje o maior ícone da luta contra a injustiça (Crédito: Danilo Verpa/Folhapress)

As investigações sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e de seu motorista Anderson Gomes, em 14 de março, no Rio de Janeiro, são cercadas de sigilo e consideradas de alta complexidade por todos que acompanham os fatos. Dentro dessa definição, estão as ligações com o poder público – que podem vir a explicar o crime. Nas últimas semanas, alguns avanços renovaram as esperanças de que o caso esteja mais perto de ser elucidado. A Polícia Civil, responsável pela investigação, descobriu o celular do motorista que dirigia o carro usado no crime. Com a quebra de sigilo telefônico autorizada pela Justiça, os investigadores passaram a cruzar os dados de mensagens instantâneas trocados com vários outros aparelhos, inclusive pertencentes a políticos da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (ALERJ). Alguns vereadores foram chamados a prestar depoimento na condição de testemunhas. Em nova investida contra a milícia – que é a “principal linha de investigação”, segundo o Ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann –, foram presos oito suspeitos de integrar uma organização criminosa na quinta-feira 19, na zona oeste da capital e em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. A ação conjunta do Ministério Público e da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas e Organizadas (Draco) inclui mandado de prisão contra 22 suspeitos.
APOIO Reunião de policiais e familiares das vítimas: para viúva de Marielle, equipe é “altamente qualificada” (Crédito:Jose Lucena/Futura Press)
Para a antropóloga Alba Zaluar, estudiosa de violência e de milícia, é preciso entender os tentáculos dessas máfias que se alastraram no Rio a partir da década de 1970. “Hoje, essa estrutura paramilitar inclui conexões com os poderes oficiais. Eles milicianos não são mais o poder paralelo; eles são o poder, entende?”. A especialista diz que não só o Rio de Janeiro, mas o Brasil todo está repleto de grupos similares. “Matadores individuais, grupos de extermínio, pistoleiros, assassinos de aluguel, isso existe no Brasil inteiro e cresce porque não há punição. Por R$ 1 mil eles matam qualquer pessoa, é barato, portanto.” A elucidação do assassinato de Marielle é fundamental também para mudar a prática da impunidade neste sinistro mercado da morte. Outro ponto complexo dessa investigação, segundo a antropóloga, é lidar com o medo que os criminosos impõem, o que afasta as testemunhas. “As denúncias são importantíssimas, mas as pessoas que poderiam colaborar têm medo porque eles trabalham com o terror para intimidar”, afirma Alba Zaluar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda. países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola Guiné equatorial Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R4 2 Bilhões na Ilha que ficou mais conmhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões.Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Bolsonaro volta a defender castração química para estupradores

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) voltou a defender a castração química para estupradores em debate da Band, na noite desta quinta-feira. Ele foi questionado pelo senador Alvaro Dias (Podemos) sobre o que deveria ser feito para combater o crescimento do número de estupros e a desigualdade de gênero no Brasil.
O Brasil registrou 60.018 estupros, 164 casos por dia, e 221.238 crimes enquadrados na Lei Maria da Penha (606 casos por dia) ao longo de 2017. O número de estupros representa um crescimento de 8,4% em relação a 2016, mas não é possível saber a variação relativa aos casos de violência doméstica, já que este é o primeiro ano que o Fórum Brasileiro de Segurança Pública captou dos Estados dados dessa natureza.
Especialistas do Fórum acreditam que ambos os registros estejam subdimensionados dada a dificuldade de registro na polícia desses crimes. Ainda assim, a quantidade é considerada alarmante e pede a implementação de políticas específicas.

IstoÉ

A carta de princípios de Bolsonaro

Jair Bolsonaro não vai apresentar ao TSE um programa de governo tradicional, mas uma carta de princípios.

Segundo a Folha, o candidato vai dar ênfase à Segurança Pública, propor o corte de mais de uma dezena de ministérios e detalhar um pouco mais o plano econômico de Paulo Guedes.

Haverá ainda uma parte dedicada ao combate à corrupção. “A ideia de Bolsonaro é se apresentar para o eleitor como o único candidato à Presidência que manterá o funcionamento da Operação Lava Jato”.
A equipe de Bolsonaro estuda ainda zerar impostos e complementar a renda dos mais pobres.
O Antagonista