Pular para o conteúdo principal

Marina diz que Bolsonaro 'será incontrolável' se chegar ao poder Ex-ministra voltou a negar a possibilidade de ser vice na chapa de Joaquim Barbos





RIO - A ex-ministra Marina Silva (REDE-AC) criticou o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ), seu concorrente na corrida presidencial deste ano, durante entrevista ao programa "Agora é com Datena", na TV Bandeirantes. Segundo ela, é preciso "ter grandeza" para ocupar a Presidência da República. Na última pesqusa Datafolha, divulgada este mês, Marina e Bolsonaro aparecem em empate técnico na liderança em todos os cenários sem a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Enquanto Bolsonaro marca 17%, Marina oscila entre 15% e 16% nessas situações.

Questionada sobre a firmeza de Bolsonaro, Marina afirmou que não se pode confundir firmeza com grosseria. A pré-candidata afirmou que o concorrente não tem uma postura compatível com a de um presidente.
- A Presidência da República é um lugar onde as pessoas precisam ter grandeza. Quem não é capaz de se conter antes de chegar ao poder será incontrolável quando chegar - disparou, referindo-se a Bolsonaro.
Segundo Marina, o concorrente tem posicionamentos desrespeitosos com eleitores de outros candidatos.

- (Bolsonaro) É uma pessoa que não tem uma atitude de respeito para com as mulheres, índios e negros. E até com cidadãos que votam em outros candidatos. Vi uma cena do Bolsonaro oferecendo capim para eleitores do ex-presidente Lula - criticou. - A gente ser firme não significa que tenha que ser grosseiro. Firmeza não tem nada a ver com grosseria ou falta de respeito. Precisamos é de quem no processo político seja um educador do que é respeito à diferença.

Bolsonaro foi denunciado pela procuradora-geral da República Raquel Dodge por racismo. A acusação contra Jair Bolsonaro foi baseada em uma palestra que ele deu na Hebraica do Rio de Janeiro, em abril do ano passado. Na ocasião, ele disse ter visitado um quilombo onde "o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas". Para o deputado, os quilombolas "não fazem nada" e "nem para procriador servem mais". Para Raquel Dodge, ele demonstrou preconceito contra quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e LGBTs. A procuradora-geral considerou essa declaração "inaceitável".
MARINA DESCARTA SER VICE
Marina Silva também voltou a descartar a possibilidade de abrir mão de sua candidatura para assumir o posto de vice em outra chapa. Questionada sobre a possibilidade de apoiar o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa (PSB), terceiro nas pesquisas, ela garantiu que a Rede terá candidatura própria.
- Essa é uma discussão que os partidos devem fazer internamente. No caso da Rede temos uma decisão. Temos uma candidatura à presidência, um legado que foi acolhido por mais de 20 milhões de brasileiros. Em uma eleição de dois turnos é legítimo que os partidos lancem suas candidaturas. Eu respeito as candidaturas dos meus adversários - disse.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.